E perfeitamente possível visualizar a crise constitucional criada pela oposição através da literatura de cordel.

Não é segredo que FHC tem usado sua "mão de gato" para afastar o PT do poder e limitar o princípio da soberania popular que garantiu a vitória de Dilma Rousseff nas eleições presidenciais. O partido dele tentou impedir a posse de Dilma Rousseff e garantir a entronização de Aécio Neves, o que foi rejeitado pelo TSE. Desde então o idoso líder tucano tem envidado esforços para depor a presidenta com manifestações de rua mais ou menos apoiadas pela mídia ou provocar seu Impedimento no Congresso Nacional.

É fato, o tucanato sudestino não considera válida a eleição, quer porque crê na superioridade dos eleitores de Aécio Neves, quer porque considera inferiores os eleitores das regiões norte e nordeste. Isto renovou o interesse num Cordel de 1961 escrito por Cuíca de Santo Amaro por ocasião da redução dos poderes de João Goulart:

"É uma Lei bossa nova

Recentemente criada

Por elementos finórios

Muito bem arquitetada

Onde o voto do povo

Agora não vale nada."

História do Brasil em Cordel, Mark Curran, Edusp, 1998, p. 164

Liderados por FHC os descendentes da aristocracia tropical dos tempos do Império querem chegar ao poder de qualquer maneira. O motivo deste desejo é evidente: o pote de ouro negro no fundo do mar territorial brasileiro. Os aristocratas cobiçam o pré-sal como cobiçaram, aliás, o ouro das Minas Gerais, o ouro do açúcar e do pau-Brasil.

O último pote de ouro que a aristocracia controlou foi o do café, no princípio do século passado. O sonho do enriquecimento rápido que promoveu nossa colonização e expandiu o individualismo aventureiro pelo território nacional se renovou. O problema é que a aristocracia se tornou menos autêntica e mais desterritorializada.

Na fase atual os aristocratas não se consideram donos do país e sim posseiros precários de algo que pertence aos EUA. E os norte-americanos, tão espertalhões hoje quanto os portugueses no século XVI, estão dispostos a dar umas quinquilharias (alguns milhões de dólares, passagens de avião, tapinhas nas costas e etc...) para os aristocratas, como se eles fossem os índios de 1500, para abocanhar os trilhões e trilhões de dólares em Petróleo (o novo ouro). Renova-se, pois, a colonização movida pelo El Dorado negro, mas desta vez a história será um pouco diferente. 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

  • 0

    MARCO ANTONIO BORELLI

    Respeito a opinião do Dr. Fábio como não poderia ser diferente, entretanto a minha é que o então Presidente FHC colocou o Brasil nos trilhos ao criar o plano real livrando-nos de uma inflação astronômica. Na sua gestão com orgulho colocávamos a mão direita no peito ao cantar o Hino Nacional. Hoje a revolta dos 63% dos eleitores não decorre da eventual simpatia que o cidadão tem pelo PSDB ou por qualquer outro partido, más sim dos sucessivos escândalos pautado pela impunidade envolvendo mormente os amicíssimos do PT.

Livraria