É previsto o limite de 30% para a compensação da base de cálculo negativa da CSLL com resultados apurados em períodos subsequentes. Saiba mais!

Sendo o Lucro Real o método de apuração da base de cálculo da CSLL, que é obtida através do lucro líquido do período de apuração, ajustado por adições, exclusões ou compensações prescritas ou autorizadas pela legislação tributária, a pessoa jurídica tributada por esse regime poderá efetuar uma compensação quando a base de cálculo da CSLL ajustada for negativa. Nesse caso, quando uma empresa apura um somatório de despesas e exclusões superior ao somatório de receitas e adições, a base de cálculo da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido chega a um resultado negativo, acarretando em uma perda patrimonial denominada Base de cálculo negativa da CSLL.

Segundo os artigos 42° e 58° da Lei 8.981/95, para efeito de determinação da base de cálculo da Contribuição Social sobre o Lucro, o Lucro Líquido ajustado poderá ser reduzido por compensação da base de cálculo negativa, apurada em períodos-base anteriores em, no máximo, trinta por cento, a partir de 1º de janeiro de 1995. Ou seja, a base de cálculo negativa poderá ser compensada com resultados apurados em períodos subsequentes, observado o limite dado, ajustados pelas adições e exclusões previstas na legislação. Tais créditos não prescrevem, sendo possível, acumulá-los. 

De acordo com o artigo 12° da Lei n° 9.065/95, o disposto nos artigos 42 e 58 da Lei nº 8.981, vigora até 31 de dezembro de 1995, contudo, o artigo 16° dessa mesma Lei dispõe que a base de cálculo da contribuição social sobre o lucro, quando negativa, apurada a partir do encerramento do ano-calendário de 1995, poderá ser compensada, cumulativamente com a base de cálculo negativa apurada até 31 de dezembro de 1994, com o resultado do período de apuração ajustado pelas adições e exclusões previstas na legislação da referida contribuição social determinado em anos-calendário subsequentes, observado o limite máximo de redução de trinta por cento, previsto no art. 58 da Lei nº 8.981, de 1995.

Já segundo a Medida Provisória (MP) n° 2.158-35/2001, na exploração da atividade rural não se aplica o limite máximo de redução do lucro líquido ajustado, previsto no art. 16 da Lei n° 9.065/95, sendo assim, a base de cálculo da CSLL, quando negativa, compensada com o resultado dessa mesma atividade, apurado em períodos subsequentes, ajustado de acordo com o previsto na legislação, poderá ser compensada sem o limite máximo de redução de trinta por cento.

Também existe o limite de 30% no caso da compensação de base de cálculo negativa da CSLL quando houver incorporação, fusão ou cisão da pessoa jurídica, da qual deverá ocorrer na data de ocorrência desses eventos, sendo o prazo para pagamento até o último dia útil do mês subsequente do ocorrido, em cota única e no caso da base de cálculo negativa da CSLL apurada por Sociedade em Conta de Participação (SCP), que só poderá ser compensada com o resultado ajustado positivo decorrente da mesma SCP.

Contudo, pode-se observar que a compensação da base negativa da CSLL é de extrema valia para as pessoas jurídicas tributadas pelas regras do Lucro Real, tendo em vista a possibilidade de reduzir a base de cálculo da CSLL, gerando, dessa forma, uma economia tributária para a empresa.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria