O presente texto tece algus brever comentário, acerca do efeito translativo dos recursos.

Pode-se afirmar, com certa tranquilidade, que os recursos podem ter duplo efeito: suspensivo e devolutivo.

Todos os recursos têm efeito devolutivo, eis que este é da própria natureza dos recursos. Já o efeito suspensivo é atribuído, pela legislação, a alguns recursos, e a outros, não.

A questão da aceitação do efeito translativo, como sendo efeito autônomo dos recursos, está intimamente ligada ao efeito devolutivo e suas facetas.

A doutrina examina o efeito devolutivo dos recursos sob dois ângulos: o da extensão e o da profundidade.

A extensão, ou dimensão horizontal, do efeito devolutivo, é delimitada pelo recorrente, e se identifica com o brocardo tantum devolutum quantum appellatum. Vale dizer, somente se submetem a nova apreciação jurisdicional os capítulos da sentença impugnados pelo recorrente. Quanto aos capítulos não abrangidos pelo recurso, seria vedada manifestação por parte do órgão ad quem. Esta é a regra consagrada pelo parágrafo 2º, do artigo 1.013, do Novo Código de Processo Civil, que entrará em vigor no próximo ano.

Já a profundidade, ou dimensão vertical, do efeito devolutivo é fixada pelo Código de Processo Civil.

Disciplinando a apelação, mas fixando regras gerais que se aplicam a todos os demais recursos, o atual estatuto processual, nos parágrafos 1º e 2º, do artigo 515, estabelece que serão objeto de apreciação todas as questões já levantadas e discutidas pelas partes, ainda que não enfrentadas pela decisão recorrida, bem como todos os fundamentos do pedido e da defesa, ainda que nem todos sejam acolhidos pela decisão impugnada.

O texto do atual Código de Processo Civil (parágrafos 1º e 2º, do artigo 515, acima mencionados) é reproduzido, com pequenas alterações, no artigo 1.013, parágrafos 1º e 2º, do Novo Código, que em breve estará em vigor.

Não se contesta, também, que a profundidade do efeito devolutivo atinge as questões de ordem pública, ainda que não suscitadas pelas partes, já que delas o Magistrado pode conhecer de ofício. Este último é o efeito translativo, que tem a natureza de devolver ao órgão ad quem a apreciação de questões de ordem pública, ainda que não suscitadas.

É neste ponto, porém, que a questão torna-se espinhosa.

Parte da doutrina, dentre a qual José Carlos Barbosa Moreira, entende que o efeito translativo dos recursos confunde-se com a profundidade do efeito devolutivo, e, que, portanto, limita-se pela sua extensão. Nas palavras de Fredie Didier Jr. e Leonardo José Carneiro da Cunha:

“É preciso, porém, fazer uma advertência: o efeito devolutivo limita o efeito translativo, que é o seu aspecto vertical: o tribunal poderá apreciar todas as questões que se relacionarem àquilo que foi impugnado – e somente àquilo. O recorrente estabelece a extensão do recurso, mas não pode estabelecer a sua profundidade” (Didier Jr., Fredie et Cunha, Leonardo José Carneiro da, Curso de Direito Processual Civil: meios de impugnação às decisões judiciais e processo nos tribunais, vol. 3, 5ª ed. Salvador: Editora Podium, 2008, p. 83) (em itálico no original).

Já outra parcela da doutrina, da qual se extrai, a título de ilustração, o nome de Nelson Nery Jr., entende ser o efeito translativo efeito autônomo dos recursos, ao lado dos efeitos suspensivo e devolutivo, e que, assim, não seria limitado pela extensão deste.

A importância prática da adoção de uma ou outra posição está em que, para os adeptos da primeira corrente, que identificam o efeito translativo com a profundidade do efeito devolutivo, não pode o órgão ad quem ir além dos capítulos da sentença impugnados no recurso, eis que seu efeito extensivo limita a atuação jurisdicional, mesmo para conhecimento de questões de ordem pública. O efeito translativo, assim, subordina-se e limita-se pela extensão do efeito devolutivo.

Ao contrário, tomando-se o efeito translativo como efeito autônomo, o órgão ad quem pode conhecer das questões de ordem pública, ainda que com comprometimento de capítulos da sentença não abrangidos pela extensão do efeito devolutivo.

Um exemplo pode esclarecer: imagine-se uma ação em que se postula a reparação de danos, materiais e morais. A Sentença acolhe o pedido de reparação dos danos materiais, mas rechaça a ocorrência dos danos morais. Apenas o autor apela, e o capítulo da sentença que condenou o réu ao pagamento de danos materiais não é impugnado. A apelação tem por objeto, unicamente, a reforma da sentença para a condenação do réu à reparação dos danos morais. A extensão do efeito devolutivo, portanto, limita o conhecimento do órgão ad quem à indenização pelos danos morais. O Tribunal, contudo, ao apreciar o recurso, acaba por entender que o réu é parte ilegítima para ocupar o polo passivo da ação, e, em sendo a legitimidade de parte uma condição da ação, questão de ordem pública e cognoscível de ofício, afasta a pretensão do autor[1].

Para os adeptos da primeira corrente, uma vez que o recurso interposto pelo autor limitou o conhecimento do órgão ad quem à ocorrência dos danos morais, ainda que entenda o Tribunal ser o réu parte ilegítima, a decisão do colegiado não atinge a condenação à reparação dos danos materiais. Em resumo, o réu deve pagar os danos materiais, mesmo sendo considerado parte ilegítima para o pagamento dos danos morais, eis que a apreciação da condenação à reparação dos danos materiais não foi devolvida ao Tribunal.

Ao contrário, tomando-se o mesmo exemplo, mas adotando-se a idéia de que o efeito translativo é efeito autônomo do recurso, e, portanto, não limitado pela extensão do efeito devolutivo, o Tribunal, reconhecendo a ilegitimidade de parte, profere decisão que atinge, também, a condenação à reparação dos danos materiais, eximindo o réu do pagamento de qualquer valor ao autor, ainda que o recurso tenha sido interposto por este, em verdadeira reformatio in pejus, consagrando-se, porém, a regularidade processual.

Conclui-se, portanto, que o cultivo da idéia de que o efeito translativo é efeito autônomo dos recursos tem pontos positivos, eis que preza pela regularidade processual e pela correta aplicação do direito, mantendo, também, a coerência do sistema e dos julgamentos.

Deparando-se com questão de ordem pública, não pode o Magistrado cruzar os braços ou lavar as mãos, deve, sim, agir, conhecendo e apreciando a matéria.

Não é razoável, como no exemplo citado, que a parte seja condenada à reparação dos danos materiais, e, nos mesmos autos, seja considerada parte ilegítima no que toca à reparação dos danos morais.

Por fim, não deve ficar ao arbítrio do recorrente a exclusão da apreciação do Poder Judiciário de questões de ordem pública.

Considerado o efeito translativo como uma das faces do efeito devolutivo, e, assim, limitado pela extensão deste, a parte, com certa habilidade quando da impugnação da decisão recorrida, poderia excluir, da apreciação do Poder Judiciário, questões de ordem pública, o que não se coaduna com a atual fase de desenvolvimento da Ciência Processual, em que o Magistrado não é mais mero expectador do debate entre as partes, mas sim sujeito atuante na relação processual.

Bibliografia

Didier Jr., Fredie et Cunha, Leonardo José Carneiro da, Curso de Direito Processual Civil: meios de impugnação às decisões judiciais e processo nos tribunais, vol. 3, 5ª ed. Salvador: Editora Podium, 2008.


[1] A discussão acerca da extinção da ação, sem julgamento de mérito, ou da improcedência da pretensão, não cabe nestes poucos parágrafos, mas acredita-se que não comprometa a compreensão do exemplo. Acerca do tema recomenda-se a leitura de outro texto, também de minha autoria, intitulado “As Condições da Ação e o Processo Civil Moderno”, e publicado em http://jus.com.br/artigos/27358/as-condicoes-da-acao-e-o-processo-civil-moderno


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria