Brainwriting, hein? #DepartamentoAsQuintas

Certamente você já ouviu falar de Brainstorming, a famosa tempestade de ideias, amplamente utilizada em ambientes corporativos.

Uma ferramenta muito interessante e defendida como um símbolo de liberdade e participação de todos no processo construtivo de ideias e decisões.

Pelo menos, era.

Segundo a professora Leigh Thompson, da Kellogg School of Management, nos EUA, esta era uma ideia boa, mas tem se tornado um problema nos processos de inovação, decisão e participação.

Vejamos esta reportagem da revista Época Negócios:

Uma ideia medíocre, exposta com loquacidade, pode ganhar atenção geral numa reunião. Segundo a professora Leigh Thompson, da Kellogg School of Management, nos EUA, o profissional “matraca” pode levar a decisões ruins. Estatisticamente, numa reunião de quatro pessoas, duas delas monopolizarão 62% da conversa. Entre seis participantes, três serão responsáveis por 70% do discutido. “Por mais sexy que o brainstorm seja, ele tem um problema: as primeiras ideias exercem influência desproporcional sobre o restante da reunião”, diz Leigh. E estas primeiras ideias são expostas em geral pelos participantes mais desenvoltos.

Para dar chance aos introspectivos, Leigh criou o sistema do brainwriting. No início da reunião, os participantes devem anonimamente expor suas ideias por escrito em cartões. Os cartões são lidos por todos. E só então as ideias são discutidas. Em Los Angeles, o processo foi adotado pela equipe produtora da premiadíssima série televisiva Breaking Bad. “O brainwriting não favorece só o tímido, mas também o trainee e o funcionário iniciante”, diz Leigh. Porém, é proibido o “confessionário”, frisa a autora. Explica-se: é grande a tentação de tentar adivinhar quem foi o autor de cada proposta. Não se deve fazer isso! Na Kellogg, um aplicativo de smartphone foi criado especificamente para o novo sistema de discussão. É o Candor, sistema de compartilhamento de texto. 

Fonte: http://epocanegocios.globo.com/Inteligencia/noticia/2015/03/brainstorm-nao-funciona-use-o-brainwriting.html

Interessante a proposição, não é mesmo?

Quem sabe adotá-la uma próxima reunião pode trazer um debate útil e mais frutífero e principalmente mais participativo.

Obviamente que há necessidade de uma equipe mais madura e adequada para que isto aconteça, posto que no anonimato muitos apenas colocam problemas ao invés de soluções.

Contudo, como tudo na vida, devemos oportunizar novos rumos para inovar e crescer.

#VamosemFrente


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria