Nem todos os paulistas desonram seus antepassados querendo entregar o petróleo do Brasil a estrangeiros e apoiando golpes de estado nas ruas de São Paulo.

Já havia visto o nome deste meu antepassado distante, mas apenas associado ao do filho dele: Antonio Francisco de Paula Souza.  

Antonio Francisco de Paula Souza, tio da mãe da minha mãe, foi personalidade importante da história de São Paulo na segunda metade do século XIX:

http://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ant%C3%B4nio_Francisco_de_Paula_Sousa

Hoje, por um feliz acidente, descobri que Francisco de Paula Souza e Mello, também foi homem de destaque na cena paulista e brasileira na primeira metade do século XIX. Ele foi Deputado provincial em três legislaturas, Ministro e Conselheiro de Estado. Em 1821, por indicação de Francisco de Paulo Souza e Mello, a Câmara de Itu propôs à de São Paulo que se desse plenos poderes aos deputados constituintes de Lisboa para tratar de nossa emancipação política.

Descobri uma pequena biografia deste meu ilustre antepassado distante no livro História de São Paulo, Tancredo do Amaral, editora Alves & Cia, 1895. Comprei esta obra a cerca de um mês por R$ 40,00 e a tenho consultado por outras razões. Somente no dia de hoje topei com a biografia do referido personagem. O texto é laudatório. Eis um fragmento do mesmo:

"Francisco de Paula Souza, homem de grande prestigio e cuja palavra eloquente era sempre ouvida com respeito e acatamento, deu grande desenvolvimento ás idéias de independencia n'aquele tempo, de modo a se conseguir a emancipação política do Brazil."

https://www.facebook.com/fabio.deoliveiraribeiro/posts/981953188495176?pnref=story

Há uma página da Wikipédia sobre Francisco de Paula Souza e Mello:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Francisco_de_Paula_Sousa_e_Melo

Não me sinto diferente por ter descoberto que tenho um antepassado ilustre. Até porque também os tenho de origem humilde, como os pais da índia que foi apanhada no mato pelo argentino que se tornou o avô do meu avô materno. Darcy Ribeiro nos ensinou a todos que, em nosso país, ter antepassados indígenas não é e nunca deve ser considerado fonte de mácula. Os ter de origem elevada pode ser uma desgraça, posto que os grandes homens sempre projetam sua imensa sombra sobre filhos, netos, bisnetos e tataranetos.

O fardo de uma origem anônima é leve. O de um berço ilustre sempre pode causar angustia e depressão em razão das expectativas que desperta e das frustrações quase sempre inevitáveis. Pais inteligentes geram filhos estúpidos. Pais imbecis também geram filhos geniais. Assim é a natureza. As qualidades não se transferem pelos apelidos de família; o que os genes transferem nem sempre é esperado ou desejado.

Dito isto, gostaria de fazer uma breve reflexão. Francisco de Paula Souza e Mello foi paulista, lutou em favor da democracia e ajudou a construir independência do Brasil no principio do século XIX. Dois séculos depois seu legado tem sido destruído no Congresso Nacional, onde os senadores e deputados tucanos de São Paulo se esforçam para entregar o Pré-sal aos estrangeiros, para limitar nossa soberania sobre as riquezas minerais do país. Nas ruas de São Paulo, aqueles que hoje se consideram os  “melhores paulistas”, muitos dos quais descendentes de paulistas que tiveram os mesmos ideais democráticos que Francisco de Paula Souza e Mello, se rebaixam exigindo um golpe de estado, uma intervenção militar, uma ditadura.

São Paulo precisa urgentemente recuperar sua memória. Caso contrário ficará fora da história, será apenas uma terra arrazada por uma elite completamente perdida no tempo e no espaço.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria