Fogueiras e indagações, baseado no conto de Eduardo Galeano #GustavoRochaemEssência

Sou um leitor que admira Eduardo Galeano e trago a reflexão que fiz chamada fogueiras e indagações, baseada neste conto abaixo:

Conto de Eduardo Galeano, o Mundo:

O mundo
Um homem da aldeia de Negu・ no litoral da Colômbia, conseguiu subir aos céus. Quando voltou, contou. Disse que tinha contemplado, lá do alto, a vida
humana. E disse que somos um mar de fogueirinhas.
— O mundo é isso — revelou — Um montão de gente, um mar de
fogueirinhas.
Cada pessoa brilha com luz própria entre todas as outras. Não existem duas fogueiras iguais. Existem fogueiras grandes e fogueiras pequenas e fogueiras
de todas as cores. Existe gente de fogo sereno, que nem percebe o vento, e gente de fogo louco, que enche o ar de chispas. Alguns fogos, fogos bobos, não alumiam nem
queimam; mas outros incendeiam a vida com tamanha vontade que é impossível olhar para eles sem pestanejar, e quem chegar perto pega fogo.

E o que somos senão fogueiras nesta vida?

E mais do que ser, o que andamos espalhando de fogo por aí?

No seu escritório, qual a chama que existe?

Qual a verdade do seu negócio? Quiçá um mural na parede de visão, missão e valores?

Valores que são respeitados? Missão que todos buscam ou algum consultor ajudou a escrever e ficou ali pra bonito? Visão que norteia o negócio ou palavras bem montadas?

Somos fogo. Podemos estar como brasa ou chamuscados, mas somos projetados para ser fogo, quente, vivo, forte, devastador.

Não precisamos queimar a vida dos outros, precisamos compreender que nossa luz própria é que faz a diferença.

Não precisamos destruir o que outros construíram, precisamos compreender que a luz que emanamos fará a escuridão ficar longe.

Somos fogo. E o que mais somos?

Luz? Liderança?

Brilho? Modelo?

Calor? Laços humanos?

Se somos realmente o que somos, exaramos aquilo que nos transborda.

Analise suas atitudes, como você é profissionalmente, o que a sua empresa tem feito em prol daquilo que ela mesma diz que são seus princípios e conte suas vitórias e derrotas.

Somos fogo, podemos servir para queimar ou de luz para guiar.

Depende exclusivamente de como nós mesmos resolvemos usar a nossa força.

#MãosaObra


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria