Não houve revogação do art 9º e seus § 1º e § 3º do DL 406/68, que foi recepcionado pela nossa Carta Magna de 1988, determinando o pagamento do ISSQN pelas sociedades de Advogados na forma de alíquota fixa.

    O Decreto-Lei n. 406/68, norma recepcionada pela nossa Carta Magna de 1988, com força de Lei Complementar, ao disciplinar acerca do ISSQN, mais precisamente em relação à sua base de cálculo, assim determina:

"Art. 9º A base de cálculo do imposto é o preço do serviço.

§ 1º Quando se tratar de prestação de serviços sob a forma de trabalho pessoal do próprio contribuinte, o imposto será calculado, por meio de alíquotas fixas ou variáveis, em função da natureza do serviço ou de outros fatores pertinentes, nestes não compreendida a importância paga a título de remuneração do próprio trabalho.

§ 3º Quando os serviços a que se referem os itens 1, 4, 8, 25, 52, 88, 89, 90, 91 e 92 da lista anexa forem prestados por sociedades, estas ficarão sujeitas ao imposto na forma do § 1º, calculado em relação a cada profissional habilitado, sócio, empregado ou não, que preste serviços em nome da sociedade, embora assumindo responsabilidade pessoal, nos termos da lei aplicável.²"

O que deve ser levado em conta é a forma de constituição destas sociedades, ou seja, serviços sob a forma de trabalho pessoal do próprio contribuinte, desde que as mesmas não apresentem caráter empresarial, cujas atividades são regidas por legislação que expressamente exclui a possibilidade de adoção da forma mercantil.

No caso das Sociedades de advogados, que são constituídas na forma de Sociedades Simples, tendo legislação própria, provimento 112/06³, com registro de seu Contrato Social na própria Seccional da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), o traço indelével é a intelectualidade, a técnica, a ciência e a aptidão do profissional frente à execução dos serviços. As mesmas são concebidas, unicamente, para prestar serviços advocatícios.

Os profissionais se unem para potencializar a força de trabalho, racionalizando esforços, diminuindo custos, além de otimizar o tempo, podendo ser chamada de sociedade de trabalho, diferente das sociedades mercantis, que são sociedades de capital, que com o conjunto de sua atividade visam um lucro final.

As sociedades Simples são formadas da união de duas ou mais pessoas de profissão intelectual, que somente explore a habilidade técnica e intelectual destes, sendo o objeto executado pelas próprias forças de seus membros.

Assim vem entendendo o STJ:

TRIBUTÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. ISS. ART. 9º, § 3º, DO DECRETO LEI 406/68. SOCIEDADE DE ADVOGADOS. CARÁTER EMPRESARIAL. INEXISTÊNCIA. POSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DO ISS SOBRE ALÍQUOTA FIXA. CONCLUSÃO DO TRIBUNAL BASEADA EM FATOS E PROVAS DOS AUTOS. IMPOSSIBILIDADE DE ANÁLISE. ÓBICES DAS SÚMULAS 5 E 7/STJ. 1. "Admitida a manutenção do regime de tributação privilegiada após a entrada em vigor da Lei Complementar 116/03, nos termos da jurisprudência desta Corte Superior, que sedimentou compreensão de que o art. 9º, §§ 1º e 3º, do Decreto-Lei 406/68, o qual trata da incidência do ISSQN sobre sociedades uniprofissionais por alíquota fixa, não foi revogado pela Lei Complementar 116/03, quer de forma expressa, quer tácita, não existindo nenhuma incompatibilidade. Precedentes. (AgRg no AgRg no AgRg no REsp 1013002/RS, Rel. Ministro BENEDITO GONÇALVES, PRIMEIRA TURMA, DJe 18/03/2009) 2. Para que exista o direito à base de cálculo diferenciada do ISS, nos termos do art. 9º, § 3º do Decreto-lei 406/68, necessário que a prestação dos serviços seja em caráter personalíssimo e que não haja estrutura empresarial. Precedente: EREsp 866.286/ES, Rel. Ministro HAMILTON CARVALHIDO, PRIMEIRA SEÇÃO, DJe 20/10/2010. 3. Tribunal de origem que, ao analisar os fatos e as provas dos autos, em especial o contrato social da requerida, constatou a ausência de caráter empresarial. A alteração destas conclusões demandaria, necessariamente, novo exame do acervo fático-probatório constante dos autos, providência vedada em recurso especial, conforme os óbices previstos nas Súmulas 5 e 7/STJ. 4. Agravo regimental a que se nega provimento.

(STJ - AgRg no REsp: 1242490 PB 2011/0049777-6, Relator: Ministro SÉRGIO KUKINA, Data de Julgamento: 10/09/2013, T1 - PRIMEIRA TURMA, Data de Publicação: DJe 17/09/2013)

As sociedades profissionais, que os sócios, por terem responsabilidade pessoal pelos serviços que prestam, atuam na prática como verdadeiros autônomos, o artigo 9º, parágrafo 3º, do DL 406/68, atribuiu a elas tratamento tributário idêntico ao que prevê o artigo 72 do CTN. Preservou-se, assim, a isonomia, portanto trata-se de sociedades de trabalho. Conclui-se que as mesma têm o direito de pagar alíquota fixa do ISS.


²http://www.jusbrasil.com.br/topicos/11281591/artigo-9-do-decreto-lei-n-406-de-31-de-dezembro-de-1968

³ http://www.oab.org.br/leisnormas/legislacao/provimentos/112-2006/


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria