Tiradentes e a culpa

Dita a história que Tiradentes assumiu toda a culpa da inconfidência mineira e foi enforcado por isto, enquanto todos os outros restaram soltos, transformando ele num personagem histórico.

Outros, afirmam que a história não foi bem assim, que na verdade ele foi enforcado porque tinha patente militar inferior aos outros e era pobre.

Independente dos reais fatos, quero ressaltar a ideia de que ele confessou e assumiu sozinho a culpa pelo grupo todo e pagou com a sua vida por tal ato.

Pode parecer surreal, mas até hoje temos executores que buscam Tiradentes em suas equipes e pessoas que querem ser iguais a ele, mesmo que seja o caminho da rua o seu destino.

Como assim?

A reflexão essencial cinge-se a palavra culpa. Será que precisamos em cada erro encontrar um único culpado, execrá-lo e dizer que tudo se resolveu porque fulano ou beltrano foi demitido?

Será que ao culparmos alguém de uma atitude tiramos de todo restante (equipe, procedimento, sistematização) a responsabilidade?

Será que somente uma pessoa erra quando um fato vem a tona?

Tenho convicção que não.

Precisamos compreender que quando um erro acontece, como a perda de um prazo, por exemplo, poderá até uma pessoa ter lançado errado, ou algo não ter sido lançado, contudo, mesmo com o erro de alguém, não existia procedimento de backup da informação, não existia duplicidade de controle e por aí a fora.

Não se trata de eximir quem errou, mas sim compreender que errar é algo que pode acontecer a qualquer um e os procedimentos, controles e ajustes devem nos ajudar a minimizar estes erros.

Não adianta trocar 6 por meia dúzia.

Não adianta ficar trocando de pessoa a cada 6 meses.

Não adianta resolver tudo de maneira simples e simplista.

OU compreendemos que numa empresa tudo depende de todos e que a engrenagem não funciona por uma pessoa; OU vamos sempre trocar pessoas achando que resolvemos todos os erros e veremos os erros novamente acontecerem.

#FicaaReflexão


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria