Nesse artigo pretende-se abordar, de uma forma muito ampla, algumas das principais correntes e teses que cercaram e ainda cercam as discussões dos filósofos da ciência.

 

 

Do Positivismo Lógico à Revolução Científica

É irrefutável a posição de destaque que a Ciência encontra na cultura, tanto na sociedade quanto no ambiente acadêmico ou intelectual. Confia-se muito mais nas afirmações científicas, talvez porque elas estejam associadas à noção de progresso ou porque elas representam a própria produção do conhecimento humano, do que em explicações que venham de outras formas de manifestação do saber.

Esta condição moveu uma considerável quantidade de filósofos a exporem as mais variadas explicações para o funcionamento das ciências. A dinâmica da Ciência, examinada, contudo, não forneceu um painel geral de funcionamento, nem uma teoria única que tenha encontrado consenso.

Nesse artigo pretende-se abordar, de uma forma muito ampla, algumas das principais correntes e teses que cercaram e ainda cercam as discussões dos filósofos da ciência.

Uma posição filosófica bem definida e que merece atenção inicial foi o denominado Positivismo Lógico ou Empirismo Lógico. O que compõe a visão ortodoxa da Filosofia da Ciência, contudo, foi um desdobramento ou produto do Positivismo Lógico, chamado de Visão Recebida. Cabe notar que a Visão Recebida perdurou mesmo após a superação do Positivismo Lógico “(...) pois se propunha a ser uma Filosofia da Ciência, e não uma epistemologia geral” (Suppe, 1977, p.6).

Conforme a Visão Recebida, as teorias científicas são compostas por axiomas, que dão origem a conceitos teóricos primitivos, definidos implicitamente, e conceitos derivados, definidos explicitamente. Esses dois tipos de conceito são então ligados, através de regras de correspondência, a conceitos empíricos, que se referem a itens da observação (diretamente observáveis).

E uma teoria científica seria um sistema axiomático no qual há postulados teóricos formulados em linguagem teórica na lógica de 1ª ordem e regras de correspondência que determinam as aplicações teóricas a fenômenos empíricos e é sujeita a testes para adquirir um grau de confirmação.

A Visão Recebida recebeu um grande número de críticas, foi defendida e se desenvolveu antes de ter sido abandonada pela maioria dos filósofos. Dentre estas críticas, podem-se citar (cf. Pessoa, 2004, pp.261-2):

  1. não é clara a distinção entre conceitos teóricos e empíricos;
  2. a introdução de uma nova regra de correspondência alteraria toda a teoria;
  3. um grande número de teorias não seriam passíveis de reformulação axiomática;
  4. não haveria grandes vantagens na axiomatização de teorias;
  5. os itens da observação estariam carregados de teoria – não haveria observações neutras na ciência;
  6. a determinação daquilo que seria “diretamente observável” tem critério vago;
  7. os testes empíricos de uma teoria isolada seriam irrelevantes, uma vez que as teorias são testadas entre si;
  8. os conceitos teóricos podem ser compreendidos de maneira completa, sem a necessidade de correspondência com conceitos empíricos;
  9. a distinção observacional-teórico não poderia ser feita de maneira satisfatória;
  10. os procedimentos de aplicação da teoria aos fenômenos observáveis não fariam parte da teoria;
  11. a utilização exclusiva da lógica clássica (por exemplo, sem admitir operadores de modalidade) seria muito restritiva;
  12. o grau de confirmação seria uma medida probabilista; e
  13. testes empíricos não testam apenas um único postulado, mas toda a teoria.

Como alternativas à Visão Recebida, a partir dos anos 60 novas Teorias da Ciência foram desenvolvidas através dos trabalhos de Thomas Kuhn, N.R. Hanson, Paul Feyerabend e Stephen Toulmin, dentre outros. Essas teorias deram especial ênfase a algumas crenças já subsistentes: a) a história é fonte e, pelo menos, árbitro parcial de afirmações filosóficas sobre a ciência; b) a ciência é o exemplo mais surpreendente e bem-sucedido de racionalidade em nossa cultura e c) nenhuma filosofia da ciência é digna de crédito se não enfrentar o escrutínio empírico com base na prática científica (cf. Laudan et al., 1986).

Para estes filósofos, a ciência utiliza conjuntos de paradigmas, que são mais amplos que teorias estabelecidas, com maior domínio de aplicação e com influência em vários campos científicos. Compõem-se de conceitos de longa duração e estabelecem critérios para criação de novas teorias. Podem ser vistas, também, como um conjunto de crenças, valores e técnicas compartilhadas por uma comunidade científica. Dentre exemplos de paradigmas podem-se citar: a mecânica newtoniana, a evolução darwiniana e a teoria da relatividade.

Os paradigmas teriam uma grande capacidade de lidar com problemas científicos. Eles identificam e dirigem a solução de problemas, permitem a construção de modelos e evidenciam a capacidade de novas teorias em resolver problemas. Permitem que teorias possam ser modificadas para que possam se tornar mais poderosas no apontamento de solução de problemas.

O êxito em resolver problemas é uma das principais causas determinantes da aceitabilidade de paradigmas. Ao lado dessa capacidade, é também considerado o êxito em fazer novas previsões com grande precisão empírica. Entretanto, é freqüente a afirmação de que a escolha de paradigmas nunca é feita exclusivamente a partir de dados. Há diversos fatores ditos não epistêmicos, como os metafísicos, teológicos e políticos, que têm papel igualmente determinante.

Na vigência de um paradigma ocorre um consenso acerca da natureza física, sobre técnicas e procedimentos bem como o que seria aceitável como solução e como problemas a serem enfrentados. A simples existência de dificuldades empíricas não é suficiente para que a comunidade abandone um determinado paradigma. Os juízos que os cientistas fazem sobre uma ou outra teoria em particular não são absolutos, mas sempre em relação a teorias rivais, que sempre coexistem. Há quem distinga períodos onde há prevalência de consenso em torno de um paradigma daqueles onde vigora a competição entre paradigmas. É forçoso notar que, em qualquer caso, é freqüente a constatação de utilização de paradigmas em competição simultaneamente na pesquisa científica, especialmente em períodos de crise de um paradigma vigente, ou no estágio de ciência multi-paradigmática.

Um paradigma começa a enfraquecer quando se depara com dificuldades empíricas persistentes, deixa de prever novos fenômenos ou perde a capacidade de identificar, dar solução ou de dirigir o enfrentamento a problemas. Contudo, a rejeição de um paradigma é sempre feita com a substituição por outro paradigma disponível.

A substituição de um paradigma em crise por outro gera tanto ganhos quanto perdas. É raro que o novo paradigma comporte todos os êxitos explicativos de seu predecessor. Porém, é importante ressaltar que um novo paradigma não é julgado pela comunidade com as mesmas medidas utilizadas no exame do seu antecessor.

Assim, é bastante controverso em quais aspectos se ganha e se perde no processo de substituição de paradigmas em relação não apenas a êxitos explicativos, mas também a generalidade, precisão empírica, tratamento de problemas e capacidade preditiva.

 

O Realismo e o Anti-Realismo

Desde o início da década de 70, acirraram-se os debates acerca do chamado realismo científico, que seria “um conjunto integrado e híbrido de teses filosóficas a respeito de diferentes aspectos ou dimensões da ciência” (Plastino, 1995, p. 8), que partiria de algumas teses:

  1. existe um mundo exterior independente do sujeito;
  2. a ciência busca apresentar teorias que representem os elementos e a estrutura do mundo; e
  3. o acesso epistêmico ao mundo é possível.

Em suma, pode-se considerar que, para os realistas, “as teorias científicas possuem um valor-de-verdade (o verdadeiro ou o falso), uma vez que os enunciados teóricos referem a entidades externas à teoria, sendo que estas entidades realmente existem” (Silva, 1998, p. 7).

Para o realista em geral, o realismo de teorias implica no realismo de entidades. Ou seja, o fato de uma teoria ser verdadeira implica que as entidades inobserváveis postuladas por ela têm existência real. Essa imagem realista tradicional é por vezes renegada por outros realistas que não defendem a interpretação literal da linguagem científica e para os quais as entidades são conjuntos de resumos de certas características observáveis e não denotariam objetos específicos e determinados: o realismo de teorias não implica no realismo de entidades.

Conforme Plastino (1995, p. 9), uma visão realista da ciência pode conter as seguintes proposições:

  1. A existência e a natureza dos fatos do mundo não dependem das teorias ou métodos que a ciência utiliza.
  2. Toda asserção científica, interpretada literalmente, é ou verdadeira ou falsa.
  3. O valor-de-verdade de uma asserção científica é determinado pelo mundo. Uma asserção é verdadeira quando mantém uma relação de correspondência com o mundo.
  4. A ciência procura teorias que façam uma descrição verdadeira (ou aproximadamente verdadeira) do mundo.
  5. Os termos teóricos preservam sua referência durante as mudanças científicas. As teorias científicas sucessoras incorporam o cerne das teorias precedentes.
  6. O progresso da ciência consiste num processo convergente de aproximação de uma teoria científica completa e verdadeira.
  7. Nas ciências maduras, as teorias são aproximadamente verdadeiras e seus termos centrais referem-se a objetos do mundo.

Dentro dessas teses, conforme os anti-realistas, haveria um conflito entre “a autonomia metafísica do mundo e sua acessibilidade epistemológica” (Horwich, 1990, p. 57).

Para os anti-realistas, como Bas van Fraassen (cf. van Fraassen, 1980), a maior qualidade de uma teoria científica está na sua adequação empírica. Uma teoria é aceita pela sua capacidade de prever fenômenos, e não porque corresponde à verdade. Para ele, ainda, as entidades inobserváveis são como personagens de ficção literária, que podem ser reais ou não.

Realistas e anti-realistas concordam que a capacidade preditiva é uma virtude epistêmica fundamental para a aceitação de teorias científicas, conforme resposta dada pelos empiristas lógicos para a questão da confirmação de teorias.

O realista em geral, entretanto, vai além: afirma que a aceitação de uma teoria ocorre exatamente porque ela é aproximadamente verdadeira. Essa é a posição que encontramos, por exemplo, em Richard Boyd (cf. Boyd, 1973). Ou seja, a concepção de verdade é de correspondência: se uma teoria é verdadeira, o que ela descreve corresponde à realidade. Ele quer, ou se propõe, a explicar o êxito da ciência. O sucesso de uma teoria seria uma evidência de que ela é verdadeira, caso contrário teria-se uma situação de “coincidência cósmica” ou “milagre”. Além disso, há o realismo em relação às entidades inobserváveis previstas nas teorias: se a teoria é aceita, as entidades por ela postuladas existem (são reais).

Os anti-realistas apontam que, nos casos em que duas ou mais teorias possuam mesma capacidade preditiva mas que postulam entidades distintas, é impossível determinar qual delas está mais próxima da verdade. Neste caso, trata-se de teorias subdeterminadas pelas observações.

O realista se propõe a explicar o êxito da ciência. A crença numa teoria não se esgota na crença em sua capacidade preditiva, mas deve acarretar na crença de sua verdade aproximada. Para ele, as teorias têm a capacidade de realizar descobertas (porque são aproximadamente verdadeiras) e, para isso haveria dispositivos que permitiriam ajustar os mecanismos de referência, tornando-os cada vez mais exatos.

Entretanto, o conceito de verdade aproximada pode ser um tanto vago na tentativa de conviver com o uso da metáfora, com a aceitação da verdade como correspondência e com a crença na literalidade das teorias e de suas entidades inobserváveis. Se uma teoria deve ser aproximadamente verdadeira porque contém certas partes verdadeiras, ainda que contenha outras que são falsas, em que medida pode-se afirmar que a teoria, como um todo, é aproximadamente verdadeira? Ou, em senso contrário, o que garantiria afirmar que uma teoria é falsa?

Para o realista é possível manter nossas idéias ordinárias sobre o que conhecemos, e não haveria dificuldade em manter as características de autonomia metafísica do mundo e sua acessibilidade epistemológica. Uma teoria, ainda que aproximadamente verdadeira, pode conter alguns grãos de falsidade. À medida que esses grãos não afetem a capacidade preditiva da teoria, ela pode continuar sendo aceita. Contudo, a confirmação de uma teoria poderá ser abalada no momento em que sua capacidade preditiva, ou de realizar descobertas, falhar. A substituição dessa teoria por outra, mais próxima da verdade, conduzirá a um refinamento sobre o entendimento do mundo.

 

 

 

Referências Bibliográficas

Boyd, R. (1973) - “Realism, underdetermination and a causal theory of evidence”, Nous 7: 1-12.

Horwich, P. (1990) - Truth, Basil Blackwell.

Laudan, L. et al. (1986) - “Scientific change: philosophical models and historical research”, Synthese 69: 141-223. (Tradução brasileira publicada pela revista Estudos Avançados-USP 19 (1993): 7-89.

Pessoa Jr., O. (2004) - “O canto do cisne da visão ortodoxa da Filosofia da Ciência”, Scientiae Studiae, São Paulo, v. 2, n. 2: 259-63.

Plastino, C. E. (1995) - Realismo e anti-realismo acerca da ciência: considerações filosóficas sobre o valor cognitivo da ciência, Tese de Doutorado na FFLCH-USP.

Silva, M. R. (1998) - “Realismo e anti-realismo na ciência: aspectos introdutórios de uma discussão sobre a natureza das teorias”, Revista Ciência & Educação, 5(1).

Suppe, F. (1977) - “The search for philosophic understanding of scientific theories”, The structure of scientific theories, University of Illinois, 2ª ed: 1-241.

van Fraassen, B. (1980) - “Arguments concerning scientific realism”, The scientific image, Clarendon Press: 6-40.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria