Trata-se de análise acerca das modalidades de lançamentos previstas no Código Tributário Nacional e do respectivo auxílio entre o contribuinte e Fisco para a constituição do crédito tributário

O Código Tributário Nacional conceitua lançamento como sendo a possibilidade de a autoridade administrativa constituir o crédito tributário, tratando de procedimento administrativo realizado para verificar a (a) ocorrência do fato gerador e da obrigação tributária, (b) determinar a matéria tributária tributável, (c) calcular o montante do tributo devido e  (d) identificar o sujeito passivo. Assim, somente após de determinada tais premissas é que podemos falar em lançamento tributário, nos termos do artigo 142, do CTN[1].

“Lançamento tributário é o ato jurídico administrativo, da categoria dos simples, constitutivos e vinculados, mediante o qual se insere na ordem jurídica brasileira uma norma individual e concreta, que tem como antecedente o fato jurídico tributário e, como conseqüente, a formalização do vínculo obrigacional pela individualização dos sujeitos ativo e passivo, a determinação do objeto da prestação, formado pela base de cálculo e correspondente alíquota, bem como pelo estabelecimento dos termos espaço-temporais em que o crédito há de ser exigido.[2]

Desse modo, o lançamento é um ato privativo da Administração Pública e possui três modalidades, as quais permitem a participação do sujeito passivo para sua ocorrência.

O Artigo 147 do Código Tributário Nacional assegura o Lançamento por Declaração, o qual é realizado com base na declaração realizada pelo contribuinte ou terceiro, que deve prestar à autoridade administrativa as informações de fato, que são indispensáveis para a efetivação do lançamento. Desse modo, essa espécie de lançamento trata de uma ação praticada entre o Fisco e o contribuinte, pois a declaração entregue pelo sujeito passivo trata de uma obrigação instrumental ou acessória, fornecendo a matéria e as informações necessárias para a constituição do crédito tributário.

A qualquer momento o contribuinte quanto o Fisco pode questionar o crédito em juízo, pois se estiver erro na declaração ambos podem comprová-lo. Por outro lado, se houver ausência na declaração, o fisco poderá realizar o lançamento que será a seguir.

A segunda espécie de lançamento está prevista no artigo 149 do Código Tributário Nacional[3], denominado como Lançamento Direto ou de Ofício, que é realizado pelo Fisco sem o auxílio do sujeito passivo, pois, nesta espécie de lançamento o Estado detêm todas as informações necessárias para a constituição do crédito tributário.

Nesta espécie de lançamento deve-se se levar em consideração a natureza do tributo. Isso porque existem diversos tributos que têm como fato gerador uma situação permanente, como no caso do Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) e Imposto sobre Propriedade de Veículo Automotor (IPVA).

Além disso, o artigo 149 do Código Tributário Nacional estabelece outras possibilidades nas quais o lançamento poderá ser realizado, como nos casos em que há fraudes, omissões ou outras situações que deveriam ter sido sanadas, anteriormente, em outra modalidade de lançamento.

Já o lançamento por Homologação ou Auto Lançamento, terceira modalidade, está prevista no artigo 150 do Código Tributário Nacional, que nada mais é do que uma modalidade em que o recolhimento é realizado pelo sujeito passivo antes mesmo da manifestação da administração pública, sendo que, somente após de apresentada a declaração é que o Fisco irá homologá-la ou não.

O doutrinador Estavão Horvath bem descreve o denominado autolançamento:

O autolançamento responde à transformação histórica do Direito Tributário, que parte de uma prática e concepção administrativistas nas quais, em que pese a participação do sujeito passivo, o ato que liquida (como no caso da liquidação de sentença) o crédito tributário correspondia à Administração exclusivamente (e continua correspondendo, ex vi legis) para ir em direção - por imperativos de ordem jurídica e material - a uns procedimentos fiscais nos quais se outorga maior protagonismo ao particular.”[4]

                   Portanto, o lançamento por homologação tem o auxílio do Fisco e Contribuinte, pois este tem dever de informar o outro da ocorrência do fato imponível, apurar o devido, conforme a legislação vigente, e ainda efetuar o recolhimento antecipado, se for o caso.


[1] Art. 142. Compete privativamente à autoridade administrativa constituir o crédito tributário pelo lançamento, assim entendido o procedimento administrativo tendente a verificar a ocorrência do fato gerador da obrigação correspondente, determinar a matéria tributável, calcular o montante do tributo devido, identificar o sujeito passivo e, sendo caso, propor a aplicação da penalidade cabível.Parágrafo único. A atividade administrativa de lançamento é vinculada e obrigatória, sob pena de responsabilidade funcional.”

[2] Carvalho, Paulo de Barros. Curso de Direito Tributário. São Paulo: Saraiva. 2003

[3] Art. 149. O lançamento é efetuado e revisto de ofício pela autoridade administrativa nos seguintes casos:

I - quando a lei assim o determine;

II - quando a declaração não seja prestada, por quem de direito, no prazo e na forma da legislação tributária;

 III - quando a pessoa legalmente obrigada, embora tenha prestado declaração nos termos do inciso anterior, deixe de atender, no prazo e na forma da legislação tributária, a pedido de esclarecimento formulado pela autoridade administrativa, recuse-se a prestá-lo ou não o preste satisfatoriamente, a juízo daquela autoridade;

IV - quando se comprove falsidade, erro ou omissão quanto a qualquer elemento definido na legislação tributária como sendo de declaração obrigatória;

V - quando se comprove omissão ou inexatidão, por parte da pessoa legalmente obrigada, no exercício da atividade a que se refere o artigo seguinte;

VI - quando se comprove ação ou omissão do sujeito passivo, ou de terceiro legalmente obrigado, que dê lugar à aplicação de penalidade pecuniária;

VII - quando se comprove que o sujeito passivo, ou terceiro em benefício daquele, agiu com dolo, fraude ou simulação;

VIII - quando deva ser apreciado fato não conhecido ou não provado por ocasião do lançamento anterior;

IX - quando se comprove que, no lançamento anterior, ocorreu fraude ou falta funcional da autoridade que o efetuou, ou omissão, pela mesma autoridade, de ato ou formalidade especial.

Parágrafo único. A revisão do lançamento só pode ser iniciada enquanto não extinto o direito da Fazenda Pública.

[4] HORVATH, Estevão. Lançamento Tributário e “Autolançamento”. Ed. Dialética, SP, 1997)



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria