A consequência da defesa anônima - sem assinatura - na justiça do trabalho gera como efeito a revelia da parte ou pode ser sanada em momento posterior?

Ab initio, é sedimentado o entendimento quanto à defesa anônima no direito do trabalho. É necessário delinear tais pontos a respeito do tema, vez que a defesa apócrifa ou sem assinatura poderia ser considerada como revelia.

O que se entende por revelia é que, aquele que não apresenta defesa para a demanda no prazo estipulado, resulta como verdadeiros os fatos alegados na inicial pelo autor.

Com efeito, no âmbito trabalhista, a questão da defesa apócrifa tem como parâmetro o direito civil, no qual resulta uma mera irregularidade. Sendo assim, os tribunais têm entendido que não é cabível a aplicação do instituto da revelia nos casos de petição sem assinatura do advogado, pois é uma mera falha, no qual poderá ser sanada de pronto feito.

Ademais, é possível acrescentar a justificativa de que a tutela anônima é sanada pela presença do advogado em audiência, sendo a oposição de sua assinatura em ata de audiência meio de reparar a exiguidade da assinatura na peça de contestação.

No mais, como é sabido, o processo do trabalho rege-se pelo princípio da simplicidade e da oralidade, podendo a defesa ser deduzida de forma oral, vez que é admitido o jus postulandi da parte.

 Desse modo, comparecendo à audiência, a parte pode elaborar sua defesa, seja oralmente, seja por escrito, logo conclui-se que é dispensável a oposição de assinatura na sustentação oral, descabendo a aplicabilidade da assinatura à sustentação por escrito, por analogia.

 Importe dizer que a entrega da contestação escrita em audiência confirma seu conteúdo, desse modo, a ausência de assinatura na peça não a torna inexistente.

Por fim, o Tribunal Superior do Trabalho já sedimentou o entendimento de que, se o advogado se fez presente em audiência, fica caracterizado o ânimo de defesa, considerando que esta poderia ter sido deduzida oralmente.


FUNDAMENTAÇÃO JURÍDICA

Como é cediço, as cortes trabalhistas firmam o entendimento de que tal hipótese deverá ser sanada, pois trata-se de mera irregularidade formal, conforme se vê em jurisprudências colacionadas:

CONTESTAÇÃO APÓCRIFA. REVELIA. IRREGULARIDADE PROCESSUAL FORMAL. SANÁVEL. Não se pode aplicar a pena de confissão à reclamada que apresentou contestação apócrifa recebida pelo Juízo a quo sem ressalvas. Trata-se de uma mera irregularidade formal que pode ser sanada. (TRT-1 - RO: 1217009420085010070 RJ , Relator: Marcos Cavalcante, Data de Julgamento: 07/03/2012, Décima Turma, Data de Publicação: 2012-03-16).(grifo meu)

DEFESA APÓCRIFA. IRREGULARIDADE FORMAL. IMPOSSIBILIDADE DE CARACTERIZAÇÃO DE REVELIA. Comparecendo a parte e seu procurador à audiência, ofertando defesa e estando presente a todos os demais atos do processo não há como se configurar a revelia, ao tempo em que evidenciado o ânimo em se defender. O fato de ser apócrifa a peça defensiva é mera irregularidade formal passível de ser sanada, na esteira do que dispõe o art. 515, § 4.º, do CPC. (TRT-3-RO: 002272013037030080000227-16.2013.5.03.0037, Relator: Heriberto de Castro, Turma Recursal de Juiz de Fora, Data de Publicação: 08/11/2013  07/11/2013. DEJT. Página 220. Boletim: Não.) (grifo meu)

No mais, é de se atentar que o processo do trabalho segue de forma subsidiária o Código de Processo Civil, desse modo, o art. 515, §4º, do CPC estabelece que a petição devera ser sanada caso apresente qualquer nulidade, in verbis:

Art. 515. A apelação devolverá ao tribunal o conhecimento da matéria impugnada

§ 4o Constatando a ocorrência de nulidade sanável, o tribunal poderá determinar a realização ou renovação do ato processual, intimadas às partes; cumprida a diligência, sempre que possível prosseguirá o julgamento da apelação.

É o parecer.


CONCLUSÃO           

Pelo exposto, o parecer é no sentido de que não há necessidade de o magistrado aplicar o instituto da revelia ao réu em âmbito de defesa, em razão de ausência de assinatura em contestação, vez que é mera irregularidade passível de solução, prevalecendo pelo principio da celeridade e economia processual.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria