Aquelas perdas com clientes incobráveis poderão ser consideradas em um montante maior a partir de outubro de 2014

Aquelas perdas sofridas por pessoa jurídica no recebimento de crédito, decorrente das suas atividades de vendas efetivadas e pagamentos não efetuados por algum motivo, poderão ser deduzidas como despesas para a determinação do Lucro Real de acordo com o Art. 340 do Regulamento do Imposto de Renda e art. 9º da Lei nº 9.430/1996. Entretanto, deverá ser constituída uma provisão para essas perdas, observado os prazos de inadimplência e as considerações de valor do crédito estipulados pela legislação tributária do art. 9° ao 14° da Lei citada anteriormente.

Quando feita a provisão, a qual recebe o tratamento de despesa, as perdas no recebimento de créditos poderão ser deduzidas, o que significa que a provisão será usada para diminuir o lucro da empresa e, por consequência, essa pagará menos IRPJ e CSLL.

Até a publicação da Medida Provisória nº 656 de 7 de outubro de 2014, os limites considerados como perda de crédito variavam de um valor até ou superior a R$ 5.000,00 ou a R$ 30.000,00. Para os contratos inadimplidos após a publicação da MP, posteriormente convertida na Lei n° 13.097 de 19 de janeiro de 2015, os limites são os apresentados a seguir:

I - em relação aos quais tenha havido a declaração de insolvência do devedor, em sentença emanada do Poder Judiciário;

II - sem garantia, de valor:

a) até R$ 15.000,00 (quinze mil reais), por operação, vencidos há mais de seis meses, independentemente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento;

b) acima de R$ 15.000,00 (quinze mil reais) até R$ 100.000,00 (cem mil reais), por operação, vencidos há mais de um ano, independentemente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento, mantida a cobrança administrativa; e

c) superior a R$ 100.000,00 (cem mil reais), vencidos há mais de um ano, desde que iniciados e mantidos os procedimentos judiciais para o seu recebimento;

III - com garantia, vencidos há mais de dois anos, de valor:

a) até R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais), independentemente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento ou o arresto das garantias; e

b) superior a R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais), desde que iniciados e mantidos os procedimentos judiciais para o seu recebimento ou o arresto das garantias; e

IV - contra devedor declarado falido ou pessoa jurídica em concordata ou recuperação judicial, relativamente à parcela que exceder o valor que esta tenha se comprometido a pagar, observado o disposto no § 5o.” (NR).

Portanto, quando a pessoa jurídica considerar tais títulos não mais cobráveis, a tomada do beneficio de recuperação de créditos dessa operação pela pessoa jurídica diminuirá o seu prejuízo frente aos clientes inadimplentes, uma vez que nessa operação as perdas serão deduzidas como despesas para a determinação do Lucro Real, sendo que as provisões feitas representarão uma recuperação de IRPJ e CSLL a ser utilizado para tal ação.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria