O problema da corrupção são os políticos e não o sistema eleitoral, infelizmente querem aprovar propostas oportunistas que ganham força na Câmara Federal.

A Câmara dos Deputados deve discutir nesta semana alguns pontos referentes a reforma politica que esta sendo discutida em Brasília, importante destacar que se trata de uma reforma sem a participação ou conhecimento dos principais pontos por parte da população, e sequer esta previsto algum “REFERENDO” para que a população aceite ou não as propostas aprovadas.

Na realidade todos Partidos e Políticos que se envolveram em corrupção colocam a culpa por toda sujeira no sistema politico e querem com isso dizer que a corrupção aconteceu porque o sistema é ruim, quando na realidade o sistema eleitoral vigente não é o responsável pelos atos de corrupção que aconteceram.

Atualmente o sistema adotado aqui no Brasil é o sistema Proporcional, esse sistema distribui as cadeiras do Legislativo proporcionalmente aos votos obtidos pelos partidos ou pelas coligações. Ele é combinado com a lista aberta, que permite votar no candidato de sua preferência e não apenas no partido.

Uma das vantagens é que atende ao pluralismo, ao permitir a participação política de partidos pequenos. Fortalece o partido, enquanto enfraquece o personalismo. A lista aberta representa equilíbrio entre a escolha do partido e a do candidato.

A grande desvantagem, é que permite a eleição de políticos que não receberam votos suficientes. Para resolver essa questão poderia ser criada a clausula de barreira no quociente eleitoral, porém os Partidos e Políticos preferem complicar e buscar sistemas pouco democráticos, dentre os quais destacamos: O Sistema Distrital onde a as Cidades com mais de 200.000 eleitores seriam divididas em distritos conforme os números de cadeiras a serem ocupadas no Parlamento e o mais votado seria eleito. Tal sistema fragiliza o partido, porque provoca o voto no político ignorando a legenda. Implica no enfraquecimento dos pequenos partidos. Favorece um nível maior de corrupção e aliciamento porque é muito mais fácil comprar um voto em um distrito pequeno do que em uma região grande como a nossa. Esse sistema trás para a Politica Brasileira a “Volta dos Coronéis”.

Outro sistema também proposto e com enorme insensatez é o sistema de voto em lista onde o eleitor vota no partido, que fica responsável por listar candidatos que ocuparão as cadeiras no Congresso.

É considerada uma medida autoritária, pois concentra no partido a tarefa de escolha dos candidatos e diminui o poder do povo. Com isso, os grandes nomes escolhidos nas convenções parlamentares tendem a sempre ocupar as mesmas cadeiras.

A proposta do PMDB ao que parece seria a mais justa e democrática, pois com a criação do chamado Distritão os candidatos mais votados seriam eleitos, não possibilitando com isso distorções e injustiças ao eleger pessoas que poucos votos e sem representação. Porém melhor ainda seria manter o Sistema de voto Proporcional com a cláusula de barreira no quociente eleitoral para preenchimento das vagas no Parlamento.


 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria