Uma visão com o recurso da linguagem coloquial, a respeito das Organizações Sociais e das Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público - sua forma de funcionar dentro a legalidade, seus direitos e obrigações.

                              Organização Social – Lei 9.637 de 15 de maio de 1998

A Organização Social é regida pela Lei 9.637 de 15 de maio de 1998, que traz a conceituação e definição de organizações sociais em seu artigo 1º, onde estatui que o Poder Público qualificara entidades: “... poderá qualificar como organizações sociais pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, cujas atividades sejam dirigidas ao ensino, à pesquisa cientifica, do desenvolvimento tecnológico, à proteção do meio ambiente, à cultura e a saúde.”.

As Organizações Sociais (como exemplo: APAE) para seu funcionamento deverá se submeter a exigências legais, a princípio, ao artigo 2º e seus incisos I, alíneas de “a” a “j” e II da lei 9.637/98.

No espírito da lei, mormente, o artigo acima citado, não se trata, as organizações sociais de apenas mais uma pessoas jurídica, conforme legislação, porém, está é uma forma legal de localiza-la no mundo jurídico, sendo na essência, um ato do Poder Executivo que através de legislação especifica é ungida pelo ato de discricionariedade recebem um tratamento fiscal diferenciado, em suma, podemos afirmar que é uma empresa privada com tratado legal, jurídico especial.

Notoriamente para obtenção da qualificação, a entidade será escolhida pelo Poder Público, além de cumprir os requisitos estabelecidos pela Lei 9.637/98, do qual tem seu regimento jurídico descrito em seus artigos; além do mais deverá observar respectivas leis estaduais e municipais, onde estará localizada sua sede social.

A Organização Social é em si uma estrutura física e jurídica que é composta por indivíduos da sociedade que se unem em torno de uma finalidade, um objetivo comum, que é através de seus atos e comportamentos da relação entre o grupo que definem este ou aquele objetivo colimado e como fazerem para alcança-lo!

Para a obtenção da OS surgem alguns problemas, lembrando de que, a qualificação não é um direito ou opção para ditas entidades, posto que estas somente receberam sua qualificação como OS através de aprovação pelo órgãos públicos de acordo com a conveniência e oportunidade. Deverá as Organizações Sociais prestar contas ao município, Estado e União. Na ausência de critérios objetivos para a aprovação e escolha das entidades a serem qualificadas e, segundo o parecer técnico de alguns juristas, isto torna a lei inconstitucional.

Tendo como oposto aos problemas, a Lei em questão, declara que estas instituições são de interesse social e utilidade pública e facilita que a entidade celebre contrato de gestão com a Administração Pública e facilita a administração de recursos materiais, financeiros e humanos do Poder Público sem a burocracia das normas a ele inerentes.

O Contrato de gestão, em verdade, não é um contrato propriamente dito, pois não existem interesses diversos e opostos, sendo assim um acordo operacional, um instrumento jurídico firmado entre a entidade e o Poder Público, do qual este cede bens públicos, recursos orçamentários e servidores para que ela possa cumprir os objetivos, além de discriminar as responsabilidades e obrigações entre as partes.

Vale lembrar que o contrato de gestão deve ser observado os princípios do Direito Administrativo, tais qual a moralidade, a legalidade, a impessoalidade, a publicidade e a economicidade.

 Quando um contrato regido pelo Código Civil é firmado entre o Poder Público e uma entidade privada dá-se o nome de contrato administrativo, observando a Lei 8.666/93 – Lei das Licitações – nela são prevista hipóteses de dispensa de licitações face algumas situações. No caso das Organizações Sociais a licitação é dispensada na celebração do contrato de prestação de serviços estando positivada no inciso XXIV do artigo 24 da referida lei.

A natureza jurídica é de direito privado, sendo uma entidade sem fins lucrativos, sob forma de associação ou fundação conforme regras definidas pelos artigos 44 a 69 do Código Civil. Sendo assim, são consideradas entidades não estatais por não fazer parte da Administração Pública.

Ocorrerá a desqualificação de uma entidade como OS quando for constatado o descumprimento das cláusulas estabelecidas no contrato de gestão. Ressaltando que a desqualificação se dará por meio de processo administrativo tendo como fundamento legal o artigo 16 e seus parágrafos da lei 9.367/98.

Por se tratar de entidades de direito privado a contratação de funcionários, em geral, se dará através da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e toda a legislação complementar a ela inerente, aparecendo também à figura do serviço voluntário regido pela lei 9.608/98. Não sendo necessário concurso público.

O Conselho de administração é composto por um grupo de membros da comunidade e do Poder Público, designados pelo Artigo 3º, inciso I, alíneas “a” a “e” e incisos II a VIII da lei em tela, que conjuntamente supervisionaram as atividades da organização. Bem como sua atuação disposta no artigo 4º incisos I ao X.

O controle financeiro será feito pela própria entidade e o controle e a fiscalização da gestão serão feitas pelo “... órgão público ou entidade supervisora da área de atuação correspondente à atividade fomentada.” – Artigo 8º - Pelos ministérios públicos federais e estaduais. Bem como o Tribunal de Contas da União, dos Estados e municípios.

São exemplos de Organizações Sociais que receberam a qualificação: UNICAMP (Faculdade Estadual de Campinas – Faculdade de Medicina), UNESP (Faculdade Estadual Paulista – Faculdade de Medicina de Botucatu), APAE (Associação de Pais Amigos Excepcionais), CEJAM (Centro de Estudos e Pesquisas Dr. João Amourim) e COLSAN (Associação Beneficente de Coleta de Sangue).

Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - Lei 9.790 de 23 de Março de 1999

Assim como as Organizações Sociais, a Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, OSCIP, também é uma qualificação outorgada pelo Poder Público a entidades de direto privado, associações ou fundações, logo, não estatal, sem fins lucrativos, que pretendam atuar em conjunto com a Administração Pública observando os princípios descritos no artigo 3º incisos I ao XII da referida lei, tais como: a promoção da cultura, da educação gratuita, da saúde gratuita, da assistência social...

A OSCIP nasceu com a Lei Federal 9.790 de 23 de Março de 1999 e que foi regulamentada pelo decreto 3.100/99 e parcialmente alterada pelas leis federais 10.539/02 e 10.637/02.

Não poderão ser OSCIP’s, regulamentada no artigo 2º e seus incisos algumas pessoas jurídicas, tais quais: partidos políticos, instituições religiosas, sindicatos e vale anotar, que as organizações sociais não podem ser qualificadas como OSCIP.

As instituições qualificadas gozam de algumas vantagens como a possibilidade de remuneração de seus dirigentes sem a perda de beneficio fiscal, a dedutibilidade do imposto de rendas, e celebrar Termos de Parceria com o Poder Público.

O Termo de Parceria, disposta no artigo 9º e seguintes, é um instrumento jurídico lavrado entre a instituição e o Poder Público onde se anotará responsabilidade, direitos e obrigações entre as partes. A finalidade deste instrumento é fomentar a execução de atividades e projetos de interesse público.

As entidades qualificadas como OSCIP estão sujeitas a licitações, diferentemente do que ocorre nas Organizações Sociais, pois não existe hipótese genérica de dispensa de licitação da mesma forma que ocorre com a OS; assim sendo, simples fato de se uma instituição qualificada como OSCIP não gera fundamento para uma licitação dispensável. Desta forma deverá ser realizada previamente licitação pública.

O Marco Regulatório do Terceiro Setor, Lei 13.019 de 31 de julho de 2014, vem, além de regulamentar o uso de convênios realizados entre Poder Público e as organizações civis não estatais, Organizações Sociais e Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, assim sendo, os instrumentos só serão executadas entre instituições públicas; a lei amplia a transparecia entre as transações e contratações realizadas entre eles, bem como auxilia na aprimoração de projetos e programas de interesse público.

Portanto a lei foi criada para valorizar as organizações sociais sérias, valorizando assim as pessoas que nela mantém contato.

Por sua vez o Marco Regulatório, foi criado para dificultar e evitar fraudes realizadas entre políticos e as organizações civis “de fachada”. Dentre os mecanismos de bloqueio, as organizações civis de interesse público deverão passar por processo seletivo e existirem por um tempo mínimo de três anos; desta forma, atualmente, tem-se causado divergências jurídicas.

Destarte, com a aprovação da Lei 13.019/14 – conhecida como Marco Regulatório do Terceiro Setor; é na verdade um grande passo para a regulamentação legal do Terceiro Setor. Todas as entidades e associações sem fins lucrativos, existentes atualmente, passaram a ser reconhecidas com Terceiro Setor; estas são organizadas pela própria sociedade civil, contendo cada uma seus objetivos sociais já tratados neste trabalho. O Marco Regulatório trouxe mais segurança jurídica para a manutenção e funcionamento das entidades e associações civis; trazendo também, maior eficiência e transparência na gestão do uso de recursos públicos. A Lei em seu espírito maior trouxe a moralidade, a profissionalização do seguimento das organizações civis sem fins lucrativos.

Portanto, com isto em prática (a aplicabilidade da Lei), se afasta as situações de irregularidades e isto, vem ser um fator impeditivo, difícil de tentar ludibriar; que pessoas com objetivos escusos se utilizem dessas entidades e associações para fins e objetivos próprios e se enriquecem ilicitamente. Enfim, uma legislação que se bem aplicada, trará enormes benefícios para a sociedade, principalmente para àqueles que se utilizam dos serviços prestados pelas entidades e associações civis e que verdadeiramente cumprem com seus objetivos sociais.

Bibliografia:

Lei da Organização Social – Sob nº 9.637 de 15 de maio de 1998

Lei da Organização da Sociedade Civil de Interesse Público – Sob nº 9.790 de 23 de Março de 1999

Lei do Marco Regulatório do Terceiro Setor – Sob nº 13.019 de 31 de julho de 2014.

Cartilha OAB/SP: Aspectos Gerais Sobre o Terceiro Setor e Cartilha OAB/SP: OS e OSCIP – Elaborados pela Comissão de Direito do Terceiro Setor – Lucia Maria Dludeni.

Resumo de direito administrativo descomplicado – Marcelo Alexandrino e Vicente Paulo – 7ª edição – Editora Método.

http://www.pge.sp.gov.br/centrodeestudos/revistaspge/revista5/5rev6.htm

http://justica.gov.br/seus-direitos/entidades-sociais/oscip/requerimento

http://capitalsocial.cnt.br/o-que-muda-com-o-marco-regulatorio/

http://www.migalhas.com.br/dePeso/16,MI210258,61044-O+Marco+Regulatorio+do+terceiro+setor+e+as+novas+regras+para+convenios


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria