12 lições de liderança do papa Francisco

Alguns afirmam que liderança se aprende outros tantos que liderança é um dom nato.

Ao longo da carreira percebemos que muitos evoluem em suas formas de liderar, conseguem aprimorar lidar com pessoas, que não é algo fácil.

Principalmente porque precisamos compreender que para lidar com ser humano precisamos de no mínimo inteligência emocional, paciência, razão, controle, entre outros fatores.

O papa Francisco – em sua forma de ser – inspirou um americano a escrever 12 lições, transcritas a seguir:

Em seu livro “Lidere com Humildade”, o americano Jeffrey A. Krames, descreve como o papa Francisco está se tornando um dos maiores líderes da humanidade e o que os homens de negócios podem aprender com suas lições.

Krames, que mora em Chicago, é já escreveu “Os princípios de liderança de Jack Welsh” e “A cabeça de Peter Drucker”.

Confira os 12 principais pontos de seu novo livro:

1 – Lidere com humildade
O papa Francisco acredita que a humildade autêntica capacita os líderes como nenhuma outra qualidade de liderança. “Se conseguirmos desenvolver uma atitude verdadeiramente humilde, poderemos mudar o mundo”, escreveu ele, antes de se tornar Papa.

2 – Exale o cheiro do seu rebanho
Um dos “franciscismos” mais citados é a sua diretriz de “ter o cheiro de suas ovelhas”, o que significa mergulhar de maneira profunda e expressiva no grupo que você já lidera ou pretende liderar. Não por acaso, Bergoglio, seu nome de batismo antes de se tornar Papa, ficou conhecido como o “Bispo dos pobres”, por sua atuação marcante nas favelas argentinas.

3 – Quem sou eu para julgar
Em julho de 2013, o papa Francisco concedeu uma entrevista coletiva no voo de volta do Rio de Janeiro. Perguntado sobre o lobby gay, ele respondeu. “Um gay em busca de Deus, que tem boa vontade… bem, quem sou eu para julgá-lo?” Com essa afirmação, o papa Francisco aponta para uma importante distinção entre “julgar” e “avaliar” as pessoas. Só um poder mais elevado do que o papa pode julgar uma pessoa.

4 – Não mude, reinvente
Desde que foi eleito, o papa Francisco tem enfrentado temas espinhosas para a Igreja Católica, como o divórcio e a união homossexual. Em todos eles, nunca fugiu a uma resposta, embora não tenha mudado nenhuma diretriz por parte do Vaticano. Pelo menos, em muitas ocasiões, deixou as portas abertas para discussão sobre esses temas polêmicos.

5 – Priorize a inclusão
Desde os seus primeiros dias como papa, a maior prioridade de Francisco foi tornar a Igreja Católica mais inclusiva. A busca da inclusão esteve no centro da maioria de suas principais decisões no seu primeiro ano como chefe da Igreja.

6 – Evite o isolamento
Para o papa Francisco, o diálogo é a chave para derrubar as paredes. Ele, por exemplo, criou um órgão consultivo formado por oito cardeais do mundo todo, apelidado de V-8, o que demonstra sua preocupação sobre a importância de se expor a diferentes pontos de vista. Francisco está também aberto ao diálogo com diversas religiões.

7 – Prefira o pragmatismo à ideologia
O papa Francisco demonstra seu pragmatismo de muitas maneiras. Ele sabe e reconhece que o mundo é um lugar enorme e diversificado, e que o ponto de inflexão estratégico da Igreja é composto de definições em rápida evolução do “novo normal” por parte das várias culturas: de casamento e uniões não tradicionais e à maior ênfase em questões ecológicas.

8 – Aplique a perspectiva da tomada de decisões
Francisco sempre acreditou que está longe de ser imune aos interesses políticos. Seu lado pragmático lhe permite ver os aspectos políticos inerentes à sua posição. Ele sabe muito bem o que motiva os líderes, o que também o inclui. “Somos todos animais Políticos, com “P” maiúsculo. A pregação dos valores humanos e religiosos tem consequências políticas.”

9 – Administre sua organização como se fosse um hospital em campanha
O papa gosta de comparar a Igreja a um hospital de campanha, montado perto de uma zona de batalha para prestar atendimento de emergências aos feridos. A alusão se alinha perfeitamente a sua filosofia, pois permite que os médicos sintam o cheiro do seu rebanho, sejam inclusivos e não julguem as vítimas por seus ferimentos.

10 – Viva na fronteira
Francisco tinha poucos vínculos com as panelinhas de Roma, mesmo assim foi eleito papa. Ele vive na fronteira ao mesmo tempo que exerce o poder e vive de acordo com um código de humildade radical que ele mesmo se impõe.

11 – Confronte as adversidades com decisão
No fim de março de 2014, o papa Francisco se ajoelhou e se confessou em público. Com isso, ele demonstrou ao mundo duas coisas: em primeiro lugar, que é de fato um pecador; e em segundo, por extensão, que todos são pecadores. Tornar-se pontífice atestou como uma pessoa imperfeita pode superar seus pecados e grandes adversidades e ainda vir a ser uma das personalidades mais respeitadas e populares do cenário mundial.

12 – Não só os clientes merecem sua atenção
O objetivo final do papa Francisco é influenciar pessoalmente o maior número possível de ovelhas. Ele deseja que todos os líderes da Igreja e membros do clero façam o mesmo. Ele quer aproximar as pessoas de Deus, independentemente da religião, raça e preferência sexual. O seu objetivo no mundo dos negócios de ser análogo. Para ter sucesso, você deve se aproximar dos forasteiros, os seus “não clientes.”

Fonte: http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/negocios/20150603/licoes-lideranca-papa-francisco/266964.shtml

Percebemos alguns pontos essenciais nesta liderança:

1. Conhece o seu mercado;

2. Lida diretamente com o mercado;

3. Sabe que erra, mesmo assim, vai em frente, superando obstáculos;

4. Conhece as tarefas que precisa fazer para poder dizer aos outros o como fazer;

5. Enfrenta os problemas de peito aberto;

Ou seja, não se trata apenas de liderança em si, mas sim de estar integrado ao negócio, de saber exatamente o como fazer e batalhar ao lado dos subordinados para que o sucesso seja da equipe.

Lições valiosas de um líder ímpar e assim reconhecido.

E para você, quais pontos são similares ao seu negócio? E o que pode evoluir neste sentido?

#FicaaDica


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria