Breve conceituação do Preâmbulo Constitucional.

                                   

O preâmbulo de uma constituição pode ser definido como documento de intenções do diploma que precede um novo texto.

É o início do corpo constitucional, demostra a ruptura com o ordenamento constitucional anterior e o surgimento jurídico de um novo estado.

Apesar do preâmbulo, não fazer parte do texto constitucional, como norma, propriamente dito, não é juridicamente irrelevante.

Visto que entre as características dos preâmbulos constitucionais, e, principalmente, o da constituição Federal de 1988, podem ser observados como elemento de interpretação e integração dos vários artigos que lhe seguem.

Dessa forma, fica claro que possuem força normativa na medida em que expressam normas, princípios e valores.

Funcionam como instrumento para manter a coesão sistêmica da manga carta, evitando antinomias que acarretariam a fragilidade da norma.

Comunga com esse pensamento Manoel Gonçalves Ferreira Filho entende que: “o preâmbulo da Constituição não tem força obrigatória, destina-se simplesmente a indicar a intenção do constituinte...”.

 Na lição de Kildare Gonçalves Carvalho,

O preâmbulo, do latim praeambulu, consiste numa declaração de propósitos que antecede o texto normativo da Constituição, revelando os fundamentos filosóficos, políticos, ideológicos, sociais e econômicos, dentre outros, informadores da nova ordem constitucional.

(...)

O preâmbulo confere legitimidade à Constituição, seja quanto à sua origem, seja quanto ao seu conteúdo, que será variável segundo as circunstâncias históricas e a ideologia que se verificaram durante a atividade dos constituintes originários. (CARVALHO, p. 507)”

E na Constituição Federal de 1988, o preâmbulo apresenta-se da seguinte forma:

“Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.”

Os preâmbulos servem de fonte interpretativa para dissipar as obscuridades das questões práticas e de rumo para a atividade politica do governo. Participam das características jurídicas da constituição, mas não se confunde com o articulado do seu corpo.

Por outro lado, sua importância fica clara, por traçar as diretrizes políticas, será uma de suas linhas interpretativas. Além de ter importante função orientadora e integração do texto constitucional, porém com caráter e força normativa.

Voto se ministra do STF sobre o preambulo:

“Devem ser postos em relevo os valores que norteiam a Constituição e que devem servir de orientação para a correta interpretação e aplicação das normas constitucionais e apreciação da subsunção, ou não, da Lei 8.899/1994 a elas. Vale, assim, uma palavra, ainda que brevíssima, ao Preâmbulo da Constituição, no qual se contém a explicitação dos valores que dominam a obra constitucional de 1988 (...). Não apenas o Estado haverá de ser convocado para formular as políticas públicas que podem conduzir ao bem-estar, à igualdade e à justiça, mas a sociedade haverá de se organizar segundo aqueles valores, a fim de que se firme como uma comunidade fraterna, pluralista e sem preconceitos (...). E, referindo-se, expressamente, ao Preâmbulo da Constituição brasileira de 1988, escolia José Afonso da Silva que ‘O Estado Democrático de Direito destina-se a assegurar o exercício de determinados valores supremos. ‘Assegurar’, tem, no contexto, função de garantia dogmático-constitucional; não, porém, de garantia dos valores abstratamente considerados, mas do seu ‘exercício’. Este signo desempenha, aí, função pragmática, porque, com o objetivo de ‘assegurar’, tem o efeito imediato de prescrever ao Estado uma ação em favor da efetiva realização dos ditos valores em direção (função diretiva) de destinatários das normas constitucionais que dão a esses valores conteúdo específico’ (...). Na esteira destes valores supremos explicitados no Preâmbulo da Constituição brasileira de 1988 é que se afirma, nas normas constitucionais vigentes, o princípio jurídico da solidariedade.” (ADI 2.649, voto da rel. min. Cármen Lúcia, julgamento em 8-5-2008, Plenário, DJE de 17-10-2008.)

_____________________________

NOTAS

Referências bibliográficas

  • Ferreira Filho, Manoel Gonçalves. Comentários à Constituição brasileira de 1988.
    vol. I, 3ª ed., São Paulo, Saraiva, 2000.
  • Constituição Federal do Brasil de 1988
  • CARVALHO, Kildare Gonçalves. Direito Constitucional. 13a ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2007.


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autors. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria