Notas

01. GRAU, Roberto Grau. A ordem econômica na constituição de 1988. 2. ed., São Paulo : Malheiros., 1991, p.194-196.

02. FRANÇA, Vladimir da Rocha. Eficiência administrativa. In: Revista de Direito Administrativo. Rio de Janeiro : Renovar, n. 220, abr./jul. 2000, p. 168.

03. Quanto ao conceito de eficácia social: CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de Direito Tributário. 12ª. ed., São Paulo : Saraiva, 2000.

04. MORAES, Alexandre de. Reforma Administrativa: Emenda Constitucional nº 19/98. 3. ed., São Paulo : Atlas, 1999, p. 30.

05. Quanto ao conceito de burocracia, remete-se o leitor ao artigo a ser publicado por nós intitulado que está no prelo de publicação: As definições de burocracia: sua presença nas reformas administrativa, e a importância da participação popular como elemento intrínseco à eficiência da Administração Publica.

06. LOPES, Maurício Antônio Ribeiro. Comentários à Reforma Administrativa: de acordo com as Emendas Constitucionais 18, de 05.02.1998, e 19, de 04.06.1998. São Paulo : Revista dos Tribunais, 1998, p. 108.

07. MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. ed. 12, São Paulo : Malheiros, 1999, p. 92.

08. Recurso de Mandado de Segurança no. 2201. Tribunal Pleno do STF, Rel. Min. Abner de Vasconcelos. Diário da Justiça da União de 22 de julho de 1954.

09. FIGUEIREDO, Lúcia Vale. Curso de Direito Administrativo. 4. ed., São Paulo : Malheiros, 2000, p.60.

10. COMPARATO apud CAMARGO, Ricardo Antônio Lucas. Breve introdução ao direito econômico. Porto Alegre : Sérgio Antônio Fabris. 1993, p.22.

11. COSTODIO FILHO, Ubirajara. A Emenda Constitucional 19/98 e o Princípio da Eficiência na Administração Pública. In : Cadernos de Direito Constitucional e Ciência Política, São Paulo : Revista dos Tribunais, n. 27, p. 210-217, abr./jul. 1999, p. 214. (sublinhado nosso)

12. SILVA, José Afonso, Curso de Direito Constitucional Positivo. ed. 18. São Paulo: Malheiros, 2000, p. 655-656.

13. MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo. A Lei de Responsabilidade Fiscal e seus Princípios Jurídicos. In: Revista de Direito Administrativo. Rio de Janeiro : Renovar, nº 221, jul./set. de 2000, p. 84; MOREIRA NETO, Diogo Figueiredo. Mutações do Direito Administrativo. Rio de Janeiro : Renovar, 2000, p. 97-101.

14. MELLO, op. cit., 1999, p.92.

15. MOREIRA NETO, A lei de responsabilidade fiscal e seus princípios jurídicos, p. 84. Ressalva-se, respeitosamente, à utilização do vocábulo burocracia, pois o autor engana-se quanto sendo a que a eficiência buscada na organização burocrática é apenas a jurídica-eficacial, remetendo-nos ao item 1.4 deste trabalho.

16. FAYOL, Administração Industrial e Geral [trad. Irene de Bojano e Mário de Souza]. Ed. 10, São Paulo : Atlas, 1994., p. 27 e p.43-44

17. TALOR Frederick Winslow. Princípios de Administração Científica [trad: Arlindo Vieira Ramos]. 8 ed., São Paulo : Atlas, 1990.

18. MOTTA, Fernando Cláudio Prestes e PEREIRA, Luiz Carlos Bresser. Introdução à Organização Burocrática. São Paulo : Brasiliense, 1980, p. 20-21 e p.49.

19. CANOTILHO, J.J. Gomes; MOREIRA, Vital. Constituição da República Portuguesa Anotada. 3. ed., Coimbra : Coimbra, 1993, p. 925-928.

20. MELLO, op. cit., 1999, p.89-90.

21. Segundo o constitucionalista JOSÉ AFONSO DA SILVA, baseando-se no pensamento do professor francês MAURICE HAURIOU, temos, na improbidade administrativa, uma forma de imoralidade qualificada pelo dano ao erário público e correspondente vantagem ao ímprobo ou a outrem. SILVA, José Afonso da, op. cit., 1996, p. 616.

22. MELLO, op. cit., p.79 e DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 12 ed., São Paulo : Atlas, 2000, p. 80.

23. SILVA, Júlio César da, Reforma Administrativa Brasileira e a Terceirização no Setor Público. In: Revista de Direito Administrativo. Rio de Janeiro : Renovar, n. 217, p. 13-30, jul./set. 1999, p. 17.

24. Os princípios não podem ser entendidos como normas jurídicas meramente de estrutura ou de conduta, pois têm cogência. Devem ser postos como normas lato sensu, pois não têm o mesmo sistema de aplicação das normas compostas de antecedente e conseqüente. Estas podem ser válidas ou inválidas, aplicáveis ou inaplicáveis ao caso concreto, já os princípios são sempre aplicáveis e suas dimensões não permitem que sejam declarados como inválidos. A sua aplicação será sempre dada em duas dimensões: peso e importância. (DWORKIN, Ronald. Talking rights seriously. Cambridge : Harvard University, 1978 p. 26-28.)

25. BARBOSA apud GUIMARÃES, Fernando Augusto Mello. Rui: Uma Visão do Controle do Dinheiro Público – uma análise contemporânea, In: BRASIL, Tribunal de Constas da União. Rui Barbosa : uma visão do controle do dinheiro público – Brasília : Tribunal de Constas da União, Instituto Serzedllo Corrêa, 2000, p. 94.


Referências Bibliográficas

CAMARGO, Ricardo Antônio Lucas. Breve introdução ao direito econômico. Porto Alegre : Sérgio Antônio Fabris. 1993, p.22.

CANOTILHO, J.J. Gomes; MOREIRA, Vital. Constituição da República Portuguesa Anotada. 3. ed., Coimbra : Coimbra, 1993.

CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de Direito Tributário. 12ª. ed., São Paulo : Saraiva, 2000.

COSTODIO FILHO, Ubirajara. A Emenda Constitucional 19/98 e o Princípio da Eficiência na Administração Pública. In : Cadernos de Direito Constitucional e Ciência Política, São Paulo : Revista dos Tribunais, n. 27, p. 210-217, abr./jul. 1999.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 12 ed., São Paulo : Atlas, 2000.

DWORKIN, Ronald. Talking Rights Seriously. Cambridge : Harvard University, 1978.

FAYOL, Administração Industrial e Geral [trad. Irene de Bojano e Mário de Souza]. Ed. 10, São Paulo : Atlas, 1994.

FIGUEIREDO, Lúcia Vale. Curso de Direito Administrativo. 4. ed., São Paulo : Malheiros, 2000.

FRANÇA, Vladimir da Rocha. Eficiência administrativa. In: Revista de Direito Administrativo. Rio de Janeiro : Renovar, n. 220, abr./jul. 2000, p. 168.

GRAU, Roberto Grau. A ordem econômica na constituição de 1988. 2. ed., São Paulo : Malheiros., 1991.

GUIMARÃES, Fernando Augusto Mello. Rui: Uma Visão do Controle do Dinheiro Público – uma análise contemporânea, In: BRASIL, Tribunal de Constas da União. Rui Barbosa : uma visão do controle do dinheiro público – Brasília : Tribunal de Constas da União, Instituto Serzedllo Corrêa, 2000.

LOPES, Maurício Antônio Ribeiro. Comentários à Reforma Administrativa: de acordo com as Emendas Constitucionais 18, de 05.02.1998, e 19, de 04.06.1998. São Paulo : Revista dos Tribunais, 1998, p. 108.

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. ed. 12, São Paulo : Malheiros, 1999.

______, 1999.

MORAES, Alexandre de. Reforma Administrativa: Emenda Constitucional nº 19/98. 3. ed., São Paulo : Atlas, 1999.

MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo. A Lei de Responsabilidade Fiscal e seus Princípios Jurídicos. In: Revista de Direito Administrativo. Rio de Janeiro : Renovar, nº 221, jul./set. de 2000;

MOREIRA NETO, Diogo Figueiredo. Mutações do Direito Administrativo. Rio de Janeiro : Renovar, 2000.

MOTTA, Fernando Cláudio Prestes e PEREIRA, Luiz Carlos Bresser. Introdução à Organização Burocrática. São Paulo : Brasiliense, 1980.

SILVA, José Afonso, Curso de Direito Constitucional Positivo. ed. 18. São Paulo: Malheiros, 2000.

______,1996.

SILVA, Júlio César da, Reforma Administrativa Brasileira e a Terceirização no Setor Público. In: Revista de Direito Administrativo. Rio de Janeiro : Renovar, n. 217, p. 13-30, jul./set. 1999.

TALOR Frederick Winslow. Princípios de Administração Científica [trad: Arlindo Vieira Ramos]. 8a. ed., São Paulo : Atlas, 1990.


Autor


Informações sobre o texto

Trabalho resultante da pesquisa efetuada para a confecção da Monografia de Conclusão de Curso de Direito da Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS, orientado pelo Professor Mestre Luís Henrique Martins dos Anjos.

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

VETTORATO, Gustavo. O conceito jurídico do princípio da eficiência da Administração Pública. Diferenças com os princípios do bom administrador, razoabilidade e moralidade. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 8, n. 176, 29 dez. 2003. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/4369. Acesso em: 3 jul. 2020.

Comentários

0

Regras de uso