O tema gratuidade na Justiça brasileira é questão muitas vezes má interpretada pelos operados do Direito. O sentido do presente artigo é aclarar a questão, fazendo alguns apontamentos entre a assistência judiciária gratuita e e gratuidade de justiça.

Questão que parece simples, mas que não o é, é a temática acerca da gratuidade na justiça, a qual se divide, a nosso entender, em duas sub-espécies: a assistência judiciária gratuita e a gratuidade de justiça.

O raciocínio que será apresentado a seguir foi originado da interposição de diversos recursos perante o Tribunal de Justiça de São Paulo, no qual se aventou a diferenciação acima.

Entendemos que não se deve confundir a assistência judiciária com a gratuidade de justiça, os quais são institutos diversos e que não se confundem.

A assistência judiciária gratuita serve como um meio para que os cidadãos se sirvam de órgãos públicos, como as Defensorias Públicas da União e do Estado, ou dos convênios destes com a OAB ou entre esta e as Municipalidades, etc., para que possam ingressar em juízo, caracterizando-se, portanto, como meio de acesso a estes órgãos, e não ao Judiciário. Trata-se de uma análise preventiva de atuação, para que as Defensorias ou os convênios de assistência judiciária se prestem à “orientação jurídica, a promoção dos direitos humanos e a defesa, em todos os graus, judicial e extrajudicial, dos direitos individuais e coletivos, de forma integral e gratuita, aos necessitados”, cumprindo os objetivos constitucionalmente impostos, através do art. 134 da Constituição Federal.

Destaca-se que a atuação das Defensorias Públicas, por exemplo, presumem a situação de hipossuficiência do cidadão, não sendo exigível, a princípio, qualquer prova pré-constituída quando do eventual ingresso de ação judicial, uma vez que tais órgãos só podem prestar seus serviços apenas e tão somente àquelas pessoas comprovadamente pobres ou que passem por sérias dificuldades financeiras, capazes de impossibilitarem ou dificultarem o custeio das taxas judiciárias usuais do processo, conforme dispõe, por exemplo, o art. 1º da Lei Complementar nº 80, de 12 de janeiro de 1994.

A comprovação que aqui se trata é direcionada apenas às Defensorias ou aos órgãos que lhe sejam conveniados, e não ao Poder Judiciário.

Registra-se, outrossim, que a assistência judiciária gratuita não demanda obrigatoriamente o ingresso de ação judicial perante o Poder Judiciário, mas pode se prestar à atuação daqueles órgãos públicos de forma extrajudicial, como ocorre na prestação de orientação jurídica; na defesa de interesses individuais e coletivos perante a Administração Pública; na promoção, difusão e o esclarecimento de direitos fundamentais do cidadão; e, inclusive, tentar prevenir litígio se posicionando como órgão mediador, conciliador ou de arbitragem, como se verifica dos artigos 4º da Lei Orgânica da Defensoria Pública da União e 5º da Lei Orgânica da Defensoria Pública do Estado de São Paulo.

Já a gratuidade de justiça diz respeito à benesse processual, não dependente de atuação destes órgãos públicos, podendo o cidadão se servir de advogado particular, sendo a comprovação do direito à gratuidade de justiça, este sim, direcionado objetivamente ao Poder Judiciário. Trata-se, portanto, de um pleito objetivo de ingresso ao Judiciário e regido pela Lei nº 1.060/50.

Ou seja, a gratuidade de justiça se opera apenas perante um processo necessariamente judicial, não podendo se concretizar na esfera extrajudicial.

Pode-se dizer que ambos são meios de acesso ao Judiciário, no entanto, a assistência judiciária implica necessariamente na atuação da DPE, DPU ou órgãos conveniados enquanto que a gratuidade de justiça, não. Aquela serve como um pressuposto da condição de pobreza, enquanto esta última deve ser comprovada judicialmente, em que pese o entendimento contrário do presente subscritor, o qual entende pela validade e absoluta vigência da presunção do chamado estado de pobreza ou de hipossuficiência financeira, de acordo com o disposto no artigo 4º da Lei nº 1.060/50.

A nosso ver, este artigo não foi revogado ou derrogado pela Constituição Federal de 1988, ainda vigendo sob a égide da presunção do estado de pobreza.

A declaração de pobreza de que trata a Lei nº 1.060/50 goza de presunção de veracidade, não podendo ser afastada, portanto, sob o argumento da previsão constitucional estabelecida no art. 5º, LXXIV da Constituição Federal, o qual demanda a necessária produção de prova para que a gratuidade de justiça seja conferida ao cidadão, enquanto litigante processual.


Autor

  • Guilherme Dias Trindade

    Advogado, atuante nas áreas de Direito Civil, Contratos, Consumidor e Previdenciário.<br><br>Graduado pela Universidade Católica de Santos (UNISANTOS), e pós-graduando em Direito Constitucional e do Consumidor pela mesma Instituição.

    Textos publicados pelo autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0