Os desafios do aquecimento global impactando a Amazônia, e a necessidade de outro olhar sobre a exploração irresponsável dos recursos naturais.

“...a terra em si é de muito bons ares ... àguas são muitas; infindas. E em tal maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo, por bem as águas que têm.” Pero Vaz de Caminha, Carta a el-Rei Dom Manuel.

Afinal, o que o aquecimento global tem a ver com o Brasil e com a Amazônia?

As emissões de gases de efeito estufa (GEE), no Brasil, são inversamente proporcionais aos números internacionais. Assim, enquanto 80% das emissões mundiais de GEE se relacionam à produção de energia e à queima de combustíveis fósseis, os restantes 20% são devidos às mudanças no uso da terra. A maior parte das emissões brasileiras, porém, são devidas ao desmatamento e às mudanças no uso da terra, enquanto a menor parte resulta do uso de combustíveis fósseis e da produção de cimento (esse número já foi, respectivamente, 75% e 25%.)

Isso se explica pela baixa dependência brasileira de combustíveis fósseis. A energia hidrelétrica é a principal fonte de energia no Brasil, e a utilização de etanol para veículos a motor, generalizada. Em 2005, 75% da energia consumida no Brasil foi gerada em hidrelétricas. Globalmente, o Brasil foi/é responsável por 4% das emissões anuais de CO2. Importante: todos esses dados podem variar de um ano para outro, embora sem alterar a estrutura das emissões de GEE.

Fato é que o Brasil contribui para o aquecimento global principalmente através do desmatamento da floresta amazônica, já que as emissões de GEE oriundas do desmatamento e uso do solo respondem significativamente pelas emissões. Árvores derrubadas e queimadas significam mais CO2 liberado para a atmosfera. É verdade que o desmatamento tem sido reduzido desde 2004, quando 27,772 quilômetros quadrados foram destruídos. Em 2008, esse número diminuiu para 12,911; e para 7,469 em 2009. Em 2010, os números foram estimados em 6,451. Apesar disso, o desmatamento ilegal ainda é desafiador.

Há outro desafio. Dia 31 de outubro de 2011 foi uma data histórica. Nessa ocasião, o planeta Terra atingiu 7 bilhões de pessoas.  As projeções para o futuro são de contínuo aumento populacional. Até a metade do século, conforme estimativas da ONU, o mundo terá mais de 9 bilhões de pessoas. Um aumento de 30% comparado à população atual. Apenas na África Subsaariana, até 2050, a população passará de 770 milhões para 2 bilhões de pessoas.

Esse contínuo aumento populacional gera preocupações relacionadas à fome e à má nutrição. Hoje, apenas na Ásia e na América Latina, 554,5 e 47,1 milhões de pessoas, respectivamente, não recebem alimentação adequada. Computando todos os países em desenvolvimento, os números de má nutrição e fome aguda alcançam 835,2 milhões de pessoas, ou seja, 12% da população mundial.

A preocupação futura é ainda maior. Primeiro, espera-se o aumento de preços dos alimentos até a metade do século em função do aumento da temperatura do planeta. Segundo, a projeção de 9,1 bilhões de pessoas em 2050 exigirá o aumento da produção de alimentos em 70%.

A necessidade de aumento na produção de alimentos é desafiada pelo aumento na temperatura do planeta, já que o aumento da temperatura pode reduzir a produção e a produtividade de alimentos no mundo. Esse é um grande desafio amazônico e brasileiro: aumentar a produção de alimentos simultaneamente ao crescimento populacional mundial.

Mas, há outro desafio: a mudança no paradigma de exploração infinita dos recursos naturais. Em sua carta, na ocasião do descobrimento do Brasil, Pero Vaz de Caminha reportou uma natureza infinita. Hoje, as florestas e as águas de Caminha são cada vez mais findas. Os efeitos nocivos dessa visão infinita na exploração dos recursos naturais deveria moldar a exploração atual e futura dos recursos amazônicos, evitando-se a repetição de erros passados.


Autor

  • Rinaldo Segundo

    bacharel em direito (UFMT), promotor de justiça no MPE/MT e mestre em direito (Harvard Law School), é autor do livro “Desenvolvimento Sustentável da Amazônia: menos desmatamento, desperdício e pobreza, mais preservação, alimentos e riqueza,” Juruá Editora.

    Textos publicados pelo autor


Informações sobre o texto

Artigo 3 da série de artigos Desenvolvimento Sustentável da Amazônia.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0