O texto traz observações sobre projeto de lei que visa promover alterações no código consumerista, principalmente no que se refere ao comércio eletrônico.

A Lei Ordinária nº 8.078, de 11 de setembro de 1990, conhecida como o atual Código de Defesa do Consumidor, criado para disciplinar as relações entre fornecedor e consumidor, teve seu texto aprovado há mais de 25 anos, em uma época na qual a internet ainda não fazia parte do dia a dia dos brasileiros, afinal, esta teve seu desenvolvimento para uso comercial apenas em meados de 1995.

Atualmente, diante do crescente avanço tecnológico, o comércio eletrônico, ou seja, a venda de produtos e serviços por meio da internet está amplamente disseminada, não apenas no Brasil, mas no mundo todo, estabelecendo novas formas de relações entre fornecedor e consumidor, não previstas quando da criação do atual Código, o que requer a criação de novos direitos, deveres e conceitos para disciplinar esse novo modelo de negócio jurídico.

Outra realidade presente nos dias atuais é a facilidade com que o consumidor tem acesso ao crédito, o que acaba se tornando perigoso quando não se tem uma cultura de utilização responsável desse crédito, levando ao endividamento e comprometendo a renda familiar.

Assim, visando atualizar e modernizar a lei consumerista, principalmente em virtude da cultura do “crédito fácil” e da nova forma de transação comercial estabelecida virtualmente, o Senado aprovou no dia 30 de setembro de 2015 dois Projetos de Lei de autoria do Senador José Sarney.

De modo geral, o Projeto de Lei do Senado nº 281/12 se preocupa em disciplinar o comércio eletrônico, ampliando, por exemplo, o direito de arrependimento em caso de desistência por parte do consumidor e a proteção de dados pessoais, que não poderão ser divulgados sem expressa autorização. Ainda, obriga o fornecedor a prestar informações claras quanto ao produto, serviço e preço final, além de restringir propagandas invasivas, vedando, por exemplo, o envio de “spams”, e impondo punições em casos de práticas abusivas cometidas, também, no meio eletrônico.

Por outro lado, o Projeto de Lei do Senado nº 283/12 pretende prevenir o superendividamento dos consumidores, começando com a conscientização popular, inserindo a disciplina de educação financeira nos currículos escolares. Ademais, exige que o fornecedor preste informações mais claras ao consumidor e tenha restrições maiores no momento de conceder crédito, além disso, estabelece mecanismos para repactuação de dívidas, inclusive por meio do Procon, que terá sua jurisdição ampliada e uma atuação mais efetiva.

Portanto, caso os Projetos de Lei sejam aprovados pela Câmara e sancionados pela Presidência da República, as alterações prometem inovar de forma bastante positiva o atual Código de Defesa do Consumidor, enquadrando cada vez mais a legislação vigente à realidade atual, trazendo amparo às questões enfrentadas pelo consumidor do século XXI.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria