Poder Judiciário: breve análise da competência da Justiça Militar.

1. SOBRE A COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA MILITAR

A Justiça Militar é um órgão do Poder Judiciário cuja previsão está contida na seção VII, capítulo III do título IV da Constituição da Republica federativa do Brasil. Mais especificamente, podemos encontrar a disposição da competência desse órgão nos artigos 124 e § 5º do artigo 125 da respectiva Constituição. Ainda, podemos encontrar regramento da Justiça Militar no decreto-lei nº 1.002, de 21 de outubro de 1969, também conhecido como código de processo penal militar, no Código Penal Militar e nas demais leis especiais militares.

A Magna Carta, no parágrafo único do artigo 124, é concisa no que se refere à competência a Justiça Militar quando diz que a lei disporá sobre a organização, o funcionamento e a competência da Justiça Militar. No entanto, a Constituição, no caput do artigo 124, já determina que à Justiça Militar compete processar e julgar os crimes militares definidos em lei. Nas palavras do ilustre José Afonso da Silva, “vale dizer, portanto, que a lei nada mais pode fazer, quanto à competência, que repetir e desdobrar esse núcleo de competência já constitucionalmente estabelecido: processar e julgar os crimes militares”. Dessa forma, este dispositivo constitucional é repetitivo e um tanto desnecessário, o que mostra o descuido do nosso legislador. Já o §5º, mais especifico sobre a competência da Justiça Militar, trata dos crimes de militares contra civis e das ações judiciais contra atos disciplinares militares.

A Justiça Militar pode ser federal e estadual. Elas possuem organização judiciária semelhante: a 1 ª instância da Justiça Militar denomina-se Conselho de Justiça, que tem como sede uma auditoria militar. O Conselho de Justiça divide-se em Conselho de Justiça Permanente, que se destina ao julgamento de praças, e Conselho de Justiça Especial, que julga os oficiais. A presidência do Conselho de Justiça é exercida pelo oficial de mais alta patente.

Ambas as justiças militares tem competência para processar e julgar os militares integrantes das forças armadas, marinha de guerra, exército, força aérea brasileira, civis e assemelhados. Quando se trata de civis, o crime pode se dar de duas formas: crime praticado por civil contra militar e crime praticado por militar contra civil. O primeiro caso constitui em polêmica. Seria possível a Justiça Militar ter a competência para julgar civis? Para responder a esta pergunta é necessário entendermos que o artigo 124 da Constituição 1988, ao nos dizer que à justiça militar compete processar e julgar crimes militares DEFINIDOS EM LEI, permitiu ao legislador infraconstitucional dispor sobre os crimes relacionados àquele órgão. Além disso, podemos encontrar no artigo 9º, inciso III, do Código Penal Militar, a possibilidade de civis serem julgados perante a Justiça Militar. Contudo, há uma exceção em relação à Justiça Militar Estadual, que será analisada mais adiante. No tocante ao segundo caso, quando o militar comete crime contra civil, dispõe o § 5º do artigo 125 que compete aos juízes de direito do juízo militar processar e julgar, singularmente, os crimes militares cometidos contra civis.

No tocante à Justiça Militar estadual, já citada anteriormente, cabe uma análise mais detalhada. É facultada à lei estadual criar Justiça Militar, por proposta do Tribunal de Justiça, composta por órgãos de primeiro e segundo grau. Como perfeitamente explana José Afonso da Silva (2008, p. 591):

                                 

 Os de primeiro grau são os juízes de direito do juízo militar, aos quais compete processar e julgar, singularmente, os crimes militares cometidos contra civis e as ações judiciais contra atos disciplinares militares; e os Conselhos de Justiça, a que cabe, sob a presidência de juiz de direito, processar e julgar os militares do estado nos crimes militares definidos em lei, ressalvada sempre a competência do júri quando a vitima for civil. Não se pode deixar passar em uma observação crítica o surgimento desses chamados juízes de direito do juízo militar, que constitui um retrocesso em oposição às disposições da Lei 9.299/1996, que, modificando o Código Penal Militar, submeteu os crimes dolosos contra a vida, praticados contra civil, à competência da Justiça Comum. Ora, esses juízes do juízo militar, conquanto sejam civis, ficam vinculados a uma estrutura de caráter militar, quando o que se postulou sempre foi que os crimes contra a vida praticados por militar sejam de competência da Justiça Criminal Comum.

Completando sabiamente seu raciocínio, ele continua:

Órgão de segundo grau dessa Justiça será o próprio Tribunal ou o Tribunal de Justiça Militar nos Estados em que o efetivo militar seja superior a 20 mil integrantes, cabendo ao que for competente decidir sobre a perda do posto e da patente dos oficiais e da graduação das praças.

A respeito dos crimes praticados por civil contra a militares, é incabível o julgamento e processo por parte da Justiça Militar Estadual. Desta forma já dispôs a jurisprudência:

                                               A Justiça Militar estadual não dispõe de competência penal para processar e julgar civil que tenha sido denunciado pela pratica de crime contra a Polícia Militar do Estado. Qualquer tentativa de submeter os réus civis a procedimentos penais-persecutórios instaurados perante órgãos da Justiça Militar estadual representa, no contexto de nosso sistema jurídico, clara violação ao princípio constitucional do juiz natural (CF, art. 5., LIII). A Constituição Federal, ao definir a competência penal da Justiça Militar dos Estados-membros, delimitou o âmbito de incidência do seu exercício, impondo, para efeito de sua configuração, o concurso necessário de dois requisitos: um, de ordem objetiva (a pratica de crime militar definido em lei) e outro, de índole subjetiva (a qualificação do agente como policial militar ou como bombeiro militar). A competência constitucional da Justiça Militar estadual, portanto, sendo de direito estrito, estende-se, tão-somente, aos integrantes da Policia Militar ou dos Corpos de Bombeiros Militares que hajam cometido delito de natureza militar. (STF, HC 70.604-SP, rel. Min Celso de Mello, j. 10.5.1994, p. 17.497).

Desta maneira, conclui-se que a Justiça Militar, órgão que possui suas próprias leis, tem a competência de julgar crimes militares, tanto os praticados por civis contra militares, quanto os de militares contra civis, tendo em vista que isso não é possível quando se trata de Justiça Militar Estadual.

                                              

                                                      REFERÊNCIAS

LENZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado. 16. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 28. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

TAVARES, André Ramos. Curso de Direito Constitucional. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 23. ed. São Paulo: Malheiros Editores, 2008.

SILVA, José Afonso da. Comentário Contextual à Constituição. 6. ed. São Paulo: Malheiros Editores, 2009.


Autor

  • Gian Paolo Bosco

    ADVOGADO. Aprovado para Procurador dos municípios de Belo Horizonte/MG e São Luís/MA. Acadêmico de Direito pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Estagiário por 2 anos no Ministério Público Federal pelo 10º Ofício Criminal e Cível da PRMA.

    Textos publicados pelo autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria