Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

ArtigoDestaque dos editores

Home office para advogados pode ser uma experiência incrível

Trabalhar em casa pode gerar economias em tempo, com as horas fora do trânsito, e em dinheiro, por questões estruturais. O que o advogado precisa, neste contexto, é disciplina e informatização.

Não é uma novidade que o home office cresceu obstinadamente nos últimos anos, continua a crescer e seguirá assim durante muito tempo. A cada nova matéria sobre o assunto, novas estatísticas mostram a ascensão dessa modalidade de trabalho em novos segmentos e estados do país.

Não faltam números para ilustrar a adesão da prática pelo mercado, mas vamos eleger um deles para comprovar a expressividade. Segundo Álvaro Melo, presidente da Sociedade de Teletrabalho e Teleatividades e da International Telework Academy na América Latina, em entrevista para o Estadão, a estimativa é que 12 milhões de funcionários já trabalhem em casa no sistema 'teletrabalho'adotado por 36% de empresas no Brasil. Álvaro também informa que 'o home office envolve 32,5% da população economicamente ativa, com cerca de 1 bilhão de pessoas'. Detalhe: a entrevista foi concedida em agosto de 2015. É provável que este numero já tenha aumentado.

No Direito, muitos tribunais e cortes brasileiras já optaram por essa prática. São os casos do Tribunal Superior do Trabalho, desde 2012 com servidores trabalhando home office, dos tribunais de Justiça de São Paulo e Santa Catarina, desde o ano passado, assim como no Supremo Tribunal Federal, Superior Tribunal de Justiça e outros exemplos.

E a adoção está trazendo um ótimo resultado! Diversos tribunais brasileiros relataram aumento de produtividade dos seus servidores. Um dos reflexos disso foi que na corte, o home office havia sido instituído em 2013, com limite de 30% da lotação efetiva de servidores por unidade, o que já foi ampliado para 40% em 2015.

Tratando-se de advogados, o home office pode ser uma experiência incrível; e pra falar a verdade até podemos considerar que alguns advogados trabalham à distância, devido à correria do dia a dia. Principalmente em um mercado de trabalho cada vez mais digital e flexibilizado para novos métodos de realizar os procedimentos jurídicos. Só para citar um exemplo, em Campinas, São Paulo, a juíza Ana Claudia Torres Vianna, do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (TRT15), recebeu uma menção honrosa no prêmio Conciliar é Legal, do CNJ, por utilizar o WhatsApp para realizar audiências.

Além disso, basta reiterar (pois este é um argumento em consenso a respeito do home office) que a prática ainda pode gerar economias em tempo, com as horas no trânsito, e em dinheiro, por questões estruturais. O que o advogado precisa, neste contexto, é: disciplina e informatização.

  1. A disciplina para conseguir manter o foco e a produtividade nas tarefas, além de evitar, caso o profissional more com sua família, que a vida profissional se misture com a pessoal, o que implica na criação de um espaço exclusivo e afastado da TV e outras distrações, por exemplo;
  2. Um bom home office só pode acontecer caso o advogado tenha se modernizado o suficiente pra isso, desde a utilização de Skype e WhatsApp, para se comunicar com o resto dos colaboradores do escritório, e principalmente ferramentas que estimulem e organizem sua produtividade, como um software jurídico que gerencie sua agenda, automatiza o recebimento dos andamentos e organize as pastas de processos e documentos relacionados.

A harmonia entre a empresa e os profissionais precisa existir, mesmo que haja colaboradores trabalhando em casa. Por isso, formadores de opinião sobre o assunto recomendam que o home office não seja 100% e que o colaborador visite pelo menos uma vez na semana o escritório para reuniões de geração de ideias ou a condução de algum grande processo. Outras dicas que podemos oferecer são: Decore seu ambiente a fim de trazer seriedade e conforto; Continue acordando cedo; Gerencie seu conhecimento; Se necessário, use a roupa que você iria usar para ir ao escritório; Trabalhe longe da TV; Organize suas coisas de um jeito moderno (com menos papel).

Assuntos relacionados
Sobre o autor
Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

FACHINI, Tiago. Home office para advogados pode ser uma experiência incrível. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 22, n. 5197, 23 set. 2017. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/52365. Acesso em: 26 mai. 2022.

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!