O presente trabalho tem por objetivo analisar a natureza jurídica e a aplicabilidade da sentença, por meio da liquidação desta, que permite abrir o momento processual denominado de cumprimento de sentença.

INTRODUÇÃO 

Este trabalho tem por objetivo expor do que se trata a liquidação de sentença, no direito brasileiro e comentaremos o que atualmente regulam a liquidação de sentença dentro do processo civil.

Liquidação é um substantivo feminino que significa ato ou efeito de liquidar, operação que tem por fim o acerto de contas; pagamento; resgate: liquidação de dívida. Ato de fazer encerrar-se qualquer coisa.

Já o significado de sentença, também um substantivo feminino, é a decisão final proferida por um juiz, autoridade; resolução da autoridade que julga uma questão.

Portanto, quando fazemos uma junção simples e empírica das duas palavras temos “fim de uma decisão”. Tal explanação é necessária para compreensão do sentido da junção das palavras “Liquidação da Sentença” tem no Direito.

O Conceito de Liquidação de Sentença, segundo Fredie Didier, “Liquidação de sentença é atividade judicial cognitiva pela qual se busca complementar a norma jurídica individualizada estabelecida num titulo judicial” (2014, p. 112).

Ou seja, Liquidar a sentença é completar o que nela falta, torná-la completa.

CONCEITOS E REVISÃO BIBLIOGRAFICA

Para uma melhor compreensão do tema escolhido por nosso grupo e melhor compreensão da matéria estudada faremos uma breve revisão das classificações das sentenças de acordo com seu conteúdo e também relacionada à sua eficácia.

1) Tipos de sentença de acordo com o conteúdo:

a) Mérito (definitiva)

A sentença de mérito é o ato em que, por excelência, se manifesta o poder jurisdicional do Estado, legitimado para substituir os titulares dos interesses em conflito e aplicar ao caso concreto trazido pelo autor as soluções albergadas pelo sistema jurídico.

Faz coisa julgada material enfrentando o pedido formulado pelo autor.

b) Terminativa (processual)

A sentença terminativa extingue o processo sem a resolução do mérito, frustrando assim o propósito maior do magistrado que é de reconhecer a matéria de fundo, a lide discutida, deferindo ou negando à parte a tutela do bem que se pleiteia.

Quanto a sua natureza jurídica, é um ato intelectivo, absolutamente formal.

2) Tipos de sentença quanto a sua eficácia

Nessas sentenças são consideradas o resultado que apresentam, ou seja, a congruência entre o que o autor pediu na Petição Inicial e o que lhe foi concedido na Sentença de mérito.

a) Declaratória, limita a declarar a existência ou inexistência de um direito, não ensejando uma execução.

b) Constitutiva, Cria, modifica ou extingue um estado ou relação jurídica.

c) Condenatória, decide sobre o direito, concomitantemente, possibilita ao vencedor a execução do julgado. Pode ser uma sentença líquida ou ilíquida.

d) Mandamental, na própria sentença o juiz determina a realização das medidas necessárias ao seu cumprimento.

e) Executiva, cunho executório, coercitivo. Sempre liquida e exigível. Representa a possibilidade de ações que tragam embutidas no processo de conhecimento capacidade executória.

Após essa revisão bibliográfica sobre a sentença vamos começar a explanar sobre o tema proposto, Liquidação de Sentença.

A liquidação de sentença tem origens longínquas. A doutrina anota que teria surgido por volta do ano 1512, nas Ordenações Manuelinas, destinada, já então, a executar sentença incerta ou ilíquida. (WAMBIER, 2006).

Para ALEXANDRE FREITAS CÂMARA, “a liquidação de sentença é o Instituto processual destinado a tornar adequada a tutela jurisdicional executiva, mediante outorga do predicado de liquidez à obrigação, haja vista que a sentença genérica não foi capaz de outorgar. Determina-se assim, o que se denomina quantum debeatur, conferindo ao título o requisito faltante: a liquidez”.

Durante muito tempo a natureza jurídica da liquidação de sentença foi amplamente discutida na academia. Por ser um processo próprio, com início, desenvolvimento e fim, acreditou-se assim em sua autonomia.

Segundo Alessandro Rostagno a liquidação “é o ato de executar uma determinação judicial exteriorizada em sentença. O cumprimento de sentença é a fase em que o que foi estabelecido pelo juízo seja realizado no mundo real”.

No direito brasileiro, a liquidação de sentença passou das ordenações para os códigos estaduais e pelo código de 1939 até chegar ao vigente de 1973, sempre assemelhado em sua estrutura, ou seja, com as três modalidades de liquidação (por cálculo, por arbitramento, e por artigos). No entanto, a reforma operada em 1992 alterou a sistemática extinguindo a liquidação por cálculos do contador em 1994, tendo o legislador brasileiro buscado inspiração no código de processo civil português. Em 1995, outra lei em vigor, que criou os juizados especiais, que possui competência para causas com menor complexidade extinguiu a liquidação nesses feitos, mesmo que o autor formule o pedido de modo genérico a sentença deverá ser necessariamente líquida. Com a lei 11.232/05 a liquidação passou a ser no mesmo processo em que proferida a sentença liquidanda, tal como seu cumprimento. O procedimento de liquidação de sentença passou a ser regulado pelos Art s. 475­A a 475­H do Código. (THEODORO, 2009)

Portanto, depois da vigência da lei 11.232/05, a liquidação de sentença passou a ostentar natureza jurídica de incidente  processual que visa a declarar  a  certeza,   liquidez  e  exigibilidade  do  título  executivo  processado  perante  o  juízo  de  primeiro  grau  de  jurisdição,   dando  à parte que t em razão,  e na medida em que tenha condições processuais,  a satisfação de seu direito pleiteado perante o estado­juiz. O deslocamento do instituto ­ do livro II para o livro I ­ visou adequar o novo  regime  adotado  pela  mesma  lei:  o  regime  do  processo sincrético,  que unificou as fases de conhecimento e execução dos títulos executivos judiciais (regra geral).  Desse modo, não tem mais natureza jurídica de "ação", como outrora, em compasso com a tendência do processo civil constitucional (moderno), cuja tempestividade é uma de suas principais características, deixando o rigor do instituto que recai sobre o direito público subjetivo da ação para ser momento processual subsequente à decisão judicial que reconheça a formação/existência de título executivo, abrindo-se à parte que teve seu direito reconhecido (declarado) em juízo a oportunidade de execução forçada da obrigação descumprida pelo demandado (devedor­executado). (DINAMARCO, 2016)

Outra  interessante alteração é  a possibilidade  de  se  iniciar  a  liquidação  de  sentença  na  pendência  de  recurso.   o  §  2º  do  art. .   475­a ensina  que  a  liquidação  poderá  ser  requerida  na  pendência  de  recurso,   processando-se  em  autos  apartados,   no  juízo  de  origem, cumprindo  ao  liquidante  instruir  o  pedido  com  cópias  das  peças  processuais  pertinentes. Vale dizer que a lei não distinguiu a pendência de que tipo de recurso e restringiu ao fato do mesmo ter sido ou não recebido no efeito suspensivo.  Evidentemente,   a  liquidação  poderá  se  iniciar  mediante  pendência  de  qualquer  recurso,   inclusive  o  recurso  de apelação, o  que  pode  significar  um  enorme  ganho  de  celeridade  no  processo  para  se  receber  o  crédito  advindo  da  demanda. Neste  caso,   a  liquidação  se  dará  em  autos  apartados  no  juízo  de  origem, sendo obrigação  do  liquidante  instruir  o  requerimento  com  as peças  processuais  pertinentes.

ESPÉCIES DE LIQUIDAÇÃO DE SENTENÇA

A) Liquidação Por Cálculo Do Credor

Esta liquidação é feita quando o montante da condenação e feito através de uma simples calculo aritmético, neste caso a sentença terá os elementos necessários para fixação do “quantum  debeatur” (quanto é devido), buscando expor a exata quantia pecuniária. Podendo nesta fase processual o cálculo ser realizado por um contador do tribunal e também pelas partes ou por um laudo pericial contábil.

B) Liquidação por Arbitramento

Disposto no artigo 475 –C do Código Processo Civil, “Far­se­á a liquidação por arbitramento quando: determinado pela  sentença  ou  convencionado  pelas  partes;  ou  quando  exigir  a  natureza  do  objeto  da  liquidação”. Ou seja, será utilizado uma prova pericial no procedimento, mas apenas nos casos que exigirem a precisão de um perito, sendo assim será instaurada uma liquidação de sentença por arbitramento. Há três hipóteses que ser usada esse tipo de liquidação:

1 – Quando a sentença determina;

2 – Quando as partes decidem dessa forma e

3 – Quando a natureza do objeto da liquidação assim exigir.

Sendo assim diferente da liquidação por artigos, porque não a necessidade de fato novo, a pericia será apenas de fato já definidos.

O procedimento adotado para pleitear a Sentença Arbitramento acontece dessa forma: a parte solicita a liquidação por arbitramento, após isso o juiz nomeia um perito e determina o prazo para entrega do laudo. Após isso, o juiz dá a sua decisão, expondo o valor da condenação ou individualizando o seu objeto. O juiz pode determinar se achar importante, uma audiência de instrução e julgamento, entretanto caso não fique minimamente provado com o laudo pericial, poderá ser requerida uma nova prova pericial. Mas, caso as informações dos laudos sejam necessárias para a decisão jurisdicional, a pericia poderá ser dispensada.

C) Liquidação Por Artigos

Está liquidação e necessária quando há necessidade de prova para fatos, a liquidação será feita por Artigos, entretanto como é proibido, como nos demais casos, revisão da lide ou mudança na decisão do Juiz. Essa modalidade de liquidação não teve alterações quanto a seu procedimento e cabimento, ele deve ser aplicado quando couber o procedimento comum. Entretanto uma mudança acarretou reflexos sérios na liquidação por Artigos. A decisão que julgar a liquidação não sendo processo autônomo, o recurso a ser usado será o de agravo de instrumento, lembrando que o agravo de instrumento pode ser recebido no efeito suspensivo, caso exista possibilidade de lesão de difícil reparação.

CONCLUSÃO

O instituto do cumprimento da sentença, ora conhecido por liquidação de sentença, que é o foco do presente trabalho, tem como objetivo atribuir liquidez ao titulo executivo judicial.

Portanto, se um lado tenta diminuir o numero de processor aos tribunais, com a diminuição de recursos, há outra vertente que junto com as medidas reformistas que vem sendo adotadas, algumas criticadas, dando agilidade a prestação jurisdicional.

Este atributo tem finalidade de garantir segurança jurídica, evita que o devedor seja violado em seu patrimônio sem que tenha decidido o valor discutido, “Qantum debeatur”.

Cabe a nós, futuros atores do direito, utilizarmos bem este instituto, com a eficácia necessária, protegendo sempre os ideais da justiça.

 

Referências Bibliográficas

CÂMARA, Alexandre Freitas. Lições de direito processual civil. v. 2. 13. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2014.

DIDIER JR, Fredie; CUNHA, Leonardo Carneiro da; BRAGA, Paula Sarno; OLIVEIRA; Rafael Alexandria de. Curso de processo civil, v.5, 5ª Ed. Salvador. Juspodivim, 2014.

DIDIER JR, Fredie. e Sarno Braga ,Paula e Oliveira ,Rafael. Curso de Direito Processual Civil - Vol. 2. 1° Ed. Salvador: Juspodovim, 2007.

DINAMARCO, Tassus. Alguns apontamentos sobre a nova liquidação de sentença. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 12, n.1342, 5 mar. 2007. Disponível em: <htps://jus.com.br/artigos/9554>. Acesso em: 31 ago. 2016.

ROSTAGNO, Alessandro. Cumprimento de sentença: Executividade 'lato sensu' ou condenação especial Disponível em: http://www.flaviotartuce.adv.br/secoes/artigosf/Rost_cumpri.doc. Acessado em: 29/05/2010

THEODORO Júnior, Humberto. Curso de Direito Processual Civil – Processo de Execução e Cumprimento da Sentença, Processo Cautelar e Tutela de  Urgência: Humbert o Theodoro Junior – Rio de Janeiro: Forense, 2009

WAMBIER, Luiz Rodrigues. Sentença Civil : Liquidação e Cumprimento . 3ª Ed. São Paulo: RT, 2006.



Informações sobre o texto

Exercício de aprendizagem apresentado ao Curso de Direito, do Centro Universitário UNIC, como parte dos requisitos de avaliação (Avaliação Parcial 01) da Disciplina Processo de Execução Civil, sob a orientação do Professor Me. Thiago Augusto de O. M. Ferreira.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso