Fatores como crise econômica, desemprego e falta de planejamento podem deixar o consumidor atolado em dívidas e, às vezes, parece impossível sair dessa situação, uma vez que as contas não param de chegar.

Fatores como crise econômica, desemprego e falta de planejamento podem deixar o consumidor atolado em dívidas e, às vezes, parece impossível sair dessa situação, uma vez que as contas não param de chegar.

Porém, há como renegociar as dívidas, sair do vermelho e encerrar o ciclo de endividamento. Confira nas 5 dicas abaixo as orientações dadas pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), a fim de ajudá-lo a renegociar suas dívidas com bancos ou outros credores.

1. Avaliar, rever e ajustar

Para se livrar das dívidas, primeiramente é preciso avaliar o quanto deve e o quanto poderá dispor para assumir a renegociação. Depois, reveja os gastos e ajuste o orçamento familiar e doméstico a ele.

2. O que priorizar - É difícil decidir quais contas pagar quando muitas estão atrasadas, então priorize o pagamento de dívidas que comprometam as condições de sobrevivência: contas de água, energia elétrica, gás, condomínio, aluguel ou prestação de imóvel, por exemplo.

Depois, entram as dívidas bancárias com altas taxas de juros, como cartão de crédito, cheque especial e empréstimos, que devem ser priorizadas na renegociação, pois a dívida aumenta muito rapidamente - quanto mais tempo atrasar seu pagamento, mais difícil fica quitá-las.

3. Número de credores e ajuda especializada

Caso suas dívidas bancárias sejam todas da mesma instituição financeira, solicite uma proposta de refinanciamento único do saldo devedor, com uma taxa de juros menor e prazo de pagamento maior, e assuma apenas um valor que poderá pagar.

Caso elas sejam de vários bancos e/ou empresas, e você não se sinta seguro para renegociar sozinho, procure ajuda especializada: Procon ou Defensoria Pública de sua cidade, onde há núcleos de superendividamento especializados em renegociação de dívidas.

4. Negociação cara a cara

Já existe a possibilidade de renegociar dívidas pela internet em muitos bancos, mas o melhor é ir pessoalmente à instituição financeira renegociar, pois as soluções on-line não são padronizadas, e podem não atender às necessidades do seu perfil.

Na negociação, proponha um prazo maior para iniciar o pagamento e solicite a revisão do saldo devedor e da taxa de juros. Mostre que está disposto a pagar a dívida, desde que ela esteja ajustada às suas condições.

5. Saia do ciclo de endividamento

Quando começar o pagamento de uma renegociação, é importante reduzir ou eliminar o uso do cartão de crédito, cheque especial e não solicitar novos empréstimos para não acarretar um novo ciclo de endividamento.


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autors. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria