Símbolo do Jus.com.br Jus.com.br

A responsabilidade civil ambiental: uma breve análise do instituto à luz de um paradigma.

O rompimento da barragem de rejeitos da mineradora Samarco

Cabe responsabilidade civil por danos ambientais? Considerando-se o recente caso de degradação ambiental causado pelo desastre da barragem de rejeitos tóxicos de fundão, da mineradora Samarco S. A, como deve o direito responder?

RESUMO: Este artigo tece algumas linhas sobre a responsabilidade civil por danos ambientais. Parte de um tempo em que a responsabilidade era aquilatada com base na culpa e termina explicando o atual tratamento à matéria. Traz-se à baila o recente caso de degradação ambiental: o famigerado desastre da barragem de rejeitos tóxicos de fundão, da mineradora Samarco S.A.; o trabalho termina por explicitar as consequências funestas de um sistema consumista que enxerga o lucro antes de qualquer outra coisa. Palavras-chave: Responsabilidade Ambiental, teoria do risco integral, impunidade.


INTRODUÇÃO

A proteção do meio ambiente, em geral, tem sido aceita, em maior ou menor grau, por todos os países do mundo. Há um consenso no sentido de que, se a degradação ambiental não arrefecer, haverá sérias dificuldades em se manter a vida neste planeta. O Brasil, em particular, desde a constituinte de 1988 reconhece que o direito ao meio ambiente equilibrado é direito de toda a coletividade.

Diante desse cenário, este opúsculo visa traçar algumas linhas sobre a Responsabilidade Civil Ambiental. Passará, outrossim, por uma breve análise histórica do instituto, da responsabilidade civil subjetiva à objetiva, associada à teoria do risco integral.

Utilizar-se-á o paradigmático caso do Rompimento da Barragem de Rejeitos da Mineradora Samarco, incidente esse que causou destruição em diversos municípios Mineiros e também nos estados do Espírito Santo e Rio de Janeiro.

Demonstrar-se-á, ao cabo, que a catástrofe supracitada pode ser um prelúdio de muitas outras, caso a pujante faina destrutiva do homem não se aplaque. 


BREVE HISTÓRICO DO INSTITUTO DA RESPONSABILIDADE CIVIL AMBIENTAL: da subjetividade à objetividade.

A responsabilidade civil tem como fonte: I) a relação contratual, quando da inexecução de uma obrigação; II) a transgressão de um dever jurídico imposto pela lei; ou ainda, III) a prática de um ato ilícito (art. 186 e 927 do Códico Civil).

Logo, verifica-se pela lei civil, a culpa é regra no atual Direito, constitui elemento básico da responsabilidade. Outrossim, enunciava o Código Civil de 1916 em seu art. 159, que "todo aquele que por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência viola direito de outrem, está obrigado a reparar o prejuízo."

Por outro lado, a matéria ganhou novos contornos com a entrada em vigor do Código Civil de 2002, em virtude do art. 927, onde: "todo aquele, que por ato ilícito, causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo", e também do art. 186, segundo o qual "aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito."

Noutras palavras, atribuiu-se a responsabilidade aos que praticam atos imperitos, bem como aos que praticam atos danosos, ainda que exclusivamente morais. Apesar de o novel diploma consagrar a responsabilidade regra no caput dos artigos acima descritos, a exceção ganhou previsão no parágrafo único do art. 927, veja-se:

Haverá obrigação de reparar o dano, independentemente de culpa, nos casos especificados em lei, ou quando a atividade normalmente desenvolvida pelo autor do dano implicar, por sua natureza, risco para os direitos de outrem.

Deste modo, a responsabilidade subjetiva requer para sua configuração a presença de quatro elementos indissociáveis, quais sejam: a) A conduta humana, contrária à lei ou abusiva de direitos; b) O dano atual e efetivo experimentado pela vítima; c) O liame causal, entre a conduta e o dano; d) a culpa lato sensu (dolo ou culpa strictu sensu - negligência, imperícia e imprudência).

Em se tratando de dano ambiental, houve tempo em que foi aplicada a regra da responsabilidade civil subjetiva, ocorre que, devido a inúmeras consequências negativas, dentre as quais, destaca-se: 1) a vulnerabilidade a que estão sujeitos os destinatários da norma constitucional de proteção ambiental; 2) a irreparabilidade dos danos ecológicos; 3) o número indeterminado de pessoas atingidas; bem como, 4) a própria dificuldade em identificar o responsável pelo dano; esta teve de ser substituída.

A necessidade de estabelecer critérios objetivos para apreciar a responsabilidade parece um corolário da expansão das atividades econômicas, leciona Athias:

(...) a expansão das atividades econômicas da chamada sociedade de risco - marcada pelo consumo de massa e pela desenfreada utilização dos recursos naturais - haveria de exigir um tratamento da matéria com um viés de um novo Direito, e não pelos limites da ótica privada tradicional. (ATHIAS, 1993, P. 240)

No que se refere a responsabilidade objetiva ambiental, tem-se que essa restou definitivamente consagrada posteriormente à entrada em vigor da Lei da Política Nacional do Meio Ambiente, em que pese sua adoção anterior na Lei nº 79.437/1969, que promulgou a Convenção Internacional sobre a Responsabilidade Civil em Danos Causados por Poluição por Óleo, e na Lei nº 6.453/1977, dispondo sobre a Responsabilidade Civil por Danos Nucleares.

Merece atenção o fato de a responsabilidade objetiva já ser alvo de discussão e aplicação em casos específicos, mesmo antes da entrada em vigor da Lei da Política Nacional do Meio Ambiente - PNMA - (Art. 14, §1º) e da própria Constituição Federal de 1988.

Para caracterização da responsabilidade objetiva, basta a ocorrência do dano e do vínculo entre este e a atividade desenvolvida, sendo prescindível a verificação da culpa para que exista o dever jurídico de reparar.

A necessidade de adoção da responsabilidade civil objetiva por danos ambientais é consequência da preocupação em estabelecer um sistema rigoroso de reparação de danos, ante o alarmante quadro de degradação ambiental mundial. (MILARÉ, 2005, p. 827)

A despeito de ser mais eficiente no combate à degradação ambiental, a responsabilidade civil objetiva ainda admitiria as excludentes de responsabilidade: culpa da vítima; fato de terceiro, força maior. Tais excludentes, no entanto, não deveriam nem poderiam figurar na discussão sobre a responsabilidade dos agentes poluidores, não sem um dano imenso à natureza. Exsurge dessa vereda a Teoria do Risco Integral.


A TEORIA DO RISCO INTEGRAL

A Teoria do Risco Integral visa estabelecer que, não é preciso que haja conduta ilícita do agente poluidor (comissiva ou omissiva), basta que sua atividade seja de risco e que a partir dessa atividade tenha havido algum dano ao bioma.

A partir da adoção da teoria do risco integral torna-se prescindível a investigação da culpa, despicienda a discussão sobre a ilicitude da atividade desenvolvida e, ainda, e mais importe, não se aplicam as causas excludentes da responsabilidade, como o caso fortuito, a força maior, a culpa exclusiva da vítima e o fato de terceiro.

Vale destaque a atuação da Teoria do Risco Integral como forma de concretização do ideal preventivo, suprimindo lacunas e dificultando o "esquivar" das obrigações, como expresso nas lições de Sérgio Ferraz:

Em termos de dano ecológico, não se pode pensar em outra colocação que não seja a do risco integral. Não se pode pensar em outra malha que não seja a malha realmente bem apertada, que possa, na primeira jogada de rede, colher todo e qualquer possível responsável pelo prejuízo ambiental. (FERRAZ, 1997, p. 49-50)

Segundo Dias, pretendeu-se alcançar:

a conciliação entre os direitos do homem e seus deveres para com seus semelhantes. O conflito de interesses não é permanente, como quer fazer crer a doutrina extremista, mas ocasional. E quando ele ocorra, então, sem nenhuma dúvida, o que há de prevalecer é o interesse da coletividade. (DIAS, 2011, p.84)

É que, em se falando de responsabilidade civil ambiental, não pode prosperar a imposição de um sistema de responsabilidade em que se admitem tais excludentes. Certamente do contrário restaria frustrada a objetividade na aferição da responsabilidade por danos ecológicos, o que, por certo, deixaria um grande rastro de desamparo ambiental e impunidade.

Com a adoção da teoria do risco integral, existe ainda a possibilidade da responsabilidade atingir aos órgãos públicos, que passam a condição de responsáveis solidários. Nesse sentido, a doutrina nacional dominante, nas palavras de Nelson Nery Júnior, citado por Jorge Alex Athias:

Autorização da autoridade competente, ainda que a emissão esteja dentro dos padrões estabelecidos pelas normas de segurança, ainda que a indústria tenha tomado todos os cuidados para evitar o dano, se ele ocorreu em virtude da atividade do poluidor há o nexo causal que faz nascer o dever de indenizar (NELSON NERY apud ATHIAS, 1993, p. 247)

Além do mais, frise-se, havendo mais de um agente poluidor que atue nesta qualidade, promovendo a destruição do meio ambiente, subsistirá a responsabilidade civil solidária.

As únicas matérias de defesa que têm o condão de prosperar frente à responsabilidade ambiental, calcada na teoria do Risco Integral, são: i) não ocorrência de dano, ii) ou ainda que exista dano, este não guarde qualquer relação com a atividade de risco.


PRESSUPOSTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL AMBIENTAL

Ao falar em responsabilidade civil ambiental - responsabilidade civil objetiva e teoria do risco integral – deve-se evidenciar os pressupostos do dever de reparar, quais sejam: a) atividade de risco; b) evento danoso; c) nexo de causalidade.

Para facilitar o estudo, expõe-se logo abaixo cada pressuposto com as ponderações que lhes são pertinentes:

O primeiro pressuposto é a atividade de risco, podendo ser assim considerada, toda atividade que, por si só, tenha potencialidade lesiva ao meio ambiente.

Cumpre registrar que, o simples fato de explorar recursos minerais a ponto de um imenso tanque de lama ter de ser engendrado, por si só demonstra a potencialidade lesiva ao bioma. Se a própria natureza, já desregulada pelas mãos humanas, se insurge com ventos, chuvas, terremotos (et cetera), devem os que enriqueceram e deram causa ao desequilíbrio ambiental serem responsabilizados.

Noutro giro, não se pode punir ao acaso, é imprescindível que a atividade de risco tenha originado um evento danoso, o qual é definido por Édis Milaré como aquele: "resultante de atividades que, de maneira direta ou indireta, causem a degradação do meio ambiente ou de um ou mais de seus componentes." (MILARÉ, 2007, p. 901)

Na mesma obra, o autor defende não ser tarefa simples individualizar evento danoso, haja vista a inexistência de lei aplicável a todos os casos, pontuando o limite tolerável das modificações promovidas ao meio ambiente, sem que essas sejam consideradas substanciais.

Bem acentua José Rubens Morato Leite que à míngua de critérios objetivos e seguros para determinar o momento em que surge o dever de reparar o dano, muitas vezes, sua caracterização acaba sendo atribuída ao subjetivismo da Administração Pública, por meio de seus administradores, e do Estado, por meio do Estado Juiz. (LEITE e AYALA, 2002, p.101 e 102)

O terceiro pressuposto é o nexo de causalidade. A existência da responsabilidade depende da presença desse pressuposto, é obrigatória, sem a qual não há falar em dever de reparar. Assim sendo, para verificar se há nexo causal, deverá sempre ser respondida positivamente a indagação: O evento danoso adveio de uma atividade de risco que malogrou?

Ocorre que não é tarefa fácil verificar o nexo entre a atividade de risco e o dano. Explicação disso pode ser: o anonimato, a multiplicidade das causas geradoras do dano, o longo período entre o incidente e a consumação do dano, ou ainda, em razão de dificuldades técnicas.

Devido a todas as dificuldades, Milaré, Ada Pellegrini Grinover, Sérgio Ferraz, Francisco José Marques Sampaio, entre outros, afirmam ser a solução para o referido percalço, a instituição da inversão do ônus da prova, tal qual aplicada pelo Código de Defesa do Consumidor, vide artigo 6º, VIII.

Deste modo, nas escorreitas lições de José Rubens Morato Leite, a inversão do ônus da prova seria "bastante apropriada ao dano ambiental, pois transfere ao demandado a necessidade de provar que este não tem nenhuma ligação com o dano". tal medida certamente acabaria por beneficiar toda a coletividade. (LEITE e AYALA, 2002 p. 180)


DA INEXISTÊNCIA DE BIS IN IDEM

Importa salientar, de início, que conforme se depreende do disposto no art. 225 da Constituição Federal, a responsabilidade do agente poluidor pode ter natureza cível, penal e/ou administrativa. Com isso, poderia surgir questionamento quanto à ocorrência de bis in idem quando da aplicação cumulativa dessas espécies de responsabilidade.

Entretanto, nos melhores dizeres, leciona o eminente jurista Celso Antônio Pacheco Fiorillo que a cumulatividade dos tipos de responsabilidade face ao agente poluidor, não gera bis in idem. Verbis:

O art. 225, §3º da Constituição Federal, ao preceituar que as condutas e atividades lesivas ao meio ambiente sujeitarão seus infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a infrações penais e administrativas, independente da obrigação de reparar os danos causados, consagrou a regra da cumulatividade de sanções, até mesmo porque, como visto, as sanções penais, civis e administrativas, além de protegerem objetos distintos, estão sujeitas a regimes jurídicos diversos. (FIORILLO, 2011, p. 130)

Complementando o exposto, está a autorizada doutrina de José Afonso da Silva, para quem:

O dispositivo constitucional como se vê, reconhece três tipos de responsabilidade, independentes entre si - a administrativa, a criminal e a civil -, com as respectivas sanções, o que não é peculiaridade do dano ecológico, pois qualquer dano a bem de interesse público pode gerar três tipos de responsabilidade. (SILVA, 2003, p. 301)

Desse modo, infere-se que devido à natureza diversa dos tipos legais de responsabilidade, e por expressa previsão legal, há possibilidade jurídica de aplicação cumulativa na esfera do dano ambiental, da reparação patrimonial, administrativa e/ou criminal, que deverão ser analisadas pela autoridade competente caso a caso.


DA RESPONSABILIDADE CIVIL DA MINERADORA SAMARCO

No dia 05 de novembro de 2015, o mundo assistiu o maior evento de degradação ambiental com rejeitos de mineração da história. 62 milhões de metros cúbicos de resíduos destroçaram o distrito de Bento Rodrigues, avançando, ainda, por outras regiões do município de Mariana/MG e, por fim, desaguaram no Rio Doce onde escorreram até o Atlântico.

20 pessoas perderam suas vidas, outros bilhões de animais também tiveram e ainda terão o mesmo destino. Estima-se que o impacto provocado pelo rompimento da barragem se estenderá por, no mínimo, meio século. Há quem diga, porém, que o impacto é imensurável e que nem o correr dos anos será capaz de diminuir os estragos.

Os representantes da mineradora Samarco, no entanto, vêm rotineiramente à público dizer que a culpa pelo rompimento da barragem de fundão deve ser “melhor apurada”, uma vez que, provavelmente tratou-se de um fortuito ocasionado por chuvas e/ou o choque de placas tectônicas.

Ocorre que, conforme se disse alhures, tais incidentes da natureza, ainda que tenham ocorrido, não isentam a sociedade empresária da responsabilidade ambiental pelo dano.

O que mais impressiona, entretanto, é a inércia do poder público, que vê a cena se repetir e nada de efetivo faz. Vale pontuar que, oficialmente, desde 1987, pessoas e animais morrem em razão da extração de minério em Minas Gerais[1]. Não se trata de um fato isolado. Trata-se de incidente previsível e já esperado.

A Autarquia Federal DNPM (Departamento Nacional de Produção Mineral), órgão competente para fiscalizar as mineradoras, parece não estar estruturada para a demanda que a vastidão territorial brasileira exige, conforme a imprensa tem diuturnamente indicado[2].

Sem se correr nenhum risco de pré-julgamento, é possível dizer que há claramente a responsabilidade da Samarco mineradora pelos danos experimentados por toda coletividade e pelo meio ambiente, sendo certo que sua atividade é de risco e, em razão dela, inelutavelmente, um sem número de pessoas, animaizinhos, plantas, árvores et cetera foram dizimados.


CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Conforme se descortinou, a responsabilidade civil subjetiva é página virada em âmbito de Direito Ambiental. Noutro giro, a responsabilidade objetiva foi oxigenada pela teoria do risco, que rechaça causas de exclusão da responsabilidade, tais como: a culpa exclusiva da vítima, a força maior e o fato de terceiro.

Sem embargo, em que pese a Escola Ambiental estar fortalecida por institutos sólidos, no mundo dos fatos as cifras ainda valem mais do que as vidas.

É preciso punir de forma rigorosa aos que fazem preponderar o lucro frente à fauna, flora e às pessoas. E entender, sobretudo, que sem um meio ambiente equilibrado há chances diminutas de se conservar a vida.


BIBLIOGRAFIA:

ATHIAS, Jorge Alex Nunes. “Responsabilidade civil e meio-ambiente – Breve panorama do Direito brasileiro”. In: Dano ambiental prevenção, reparação e repressão. BENJAMIN, Antônio Herman V. (coord.). São Paulo-SP: Revista dos Tribunais. 1993.

ASSIS, Fátima Rangel dos Santos de. Responsabilidade Civil no Direito Ambiental. Rio de Janeiro: Destaque, 2000.

DIAS, Jose de Aguiar. Da responsabilidade civil. 12ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011.

FERRAZ, Sérgio. Responsabilidade civil por dano ecológico. Revista de Direito Público. São Paulo. v. 49-50, 1997.

FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de Direito Ambiental Brasileiro: Breve Panorama do Direito Brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2011.

JÚNIOR, Arlindo Philippi; ALVES, Alaôr Caffé. Curso Interdisciplinar de Direito Ambiental. Barueri, São Paulo: Manole, 2005.

LARCHER, Marta Alves. A responsabilidade civil decorrente de acidentes ambientais deflagrados por eventos da natureza: o caso do rompimento da barragem de rejeitos em Miraí. Disponível em: <http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:tTYN9pJmZCYJ:https://aplicacao.mpmg.mp.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/1088/8%20R%20MJ%20Responsabilidade%20civil%20-%20marta.pdf?sequence=1+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br>. Acesso em: 30 out. 2014.

LEITE, José Rubens Morato e AYALA, Patryck de Araújo. Direito ambiental na sociedade de risco. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito Ambiental brasileiro. 15ª Ed. Malheiros Editores Ltda, São Paulo: 2007.

MILARÉ, Édis. Direito do ambiente: doutrina, jurisprudência, glossário/ Édis Milaré. Prefácio à 5ª ed. Ada Pelegrini Grinover. 5. ed. ref., atual. e amp. - São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2007.

MILARÉ, Édis. Direito do Ambiente: A gestão ambiental em foco. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.

PIGRETTI, Eduardo. Prologo. La responsabilidad por daño ambiental. Buenos Aires: Centro de Publicaciones Juridicas y Sociales, 1986.

SILVA, José Afonso da. Direito Ambiental Constitucional. 4ª ed. São Paulo: Malheiros, 2003.

 

 


Notas

[1] Veja mais em: http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2015/11/05/interna_gerais,705019/barragens-de-rejeito-ja-causaram-diversas-tragedias-em-minas-gerais-r.shtml

[2] Veja-se, entre outras matérias, uma das mais emblemáticas: http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2015/11/17/interna_gerais,708767/minas-tem-quase-100-barragens-sem-fiscalizacao.shtml

Assuntos relacionados
Sobre os autores
Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!
Publique seus artigos