Como reduzir custos tributários em operações de agência de turismo focadas em passeios.

É comum ouvirmos falar de planejamento tributário em grandes empresas e multinacionais. Normalmente vemos o planejamento tributário como algo que não é possível para a maioria das empresas brasileiras, especialmente as micro, pequenas e médias, que normalmente se enquadram no SIMPLES Nacional, e já possuem tributação baixa, em comparação com as demais categorias, que são obrigadas a recolherem seus tributos através da tributação dita “normal”.

Todavia, essa não é a realidade. Na formatação de qualquer negócio, é importante estudarmos as implicações dos desenhos possíveis para as empresas - ou a empresa - a serem constituídas, visando a maior redução possível da tributação incidente sobre o negócio, dentro das balizas legais.

E na área do turismo, isso não é diferente. Ao contrário, é essencial. Vivemos uma realidade no turismo em que a grande competitividade, a dependência de parceiros externos para venda e a crise que assola nosso País, levam à necessidade de redução de custos para a manutenção da lucratividade. E nossos tributos são, invariavelmente, custos.

Destarte, é de suma importância estudarmos os formatos de negócios das empresas que exploram o turismo. E neste texto estudaremos as agências de turismo que exploram passeios em destinos turísticos nas modalidades de turismo de aventura e ecoturismo.

Com a longa costa brasileira, alguns dos destinos mais procurados de turismo interno no Brasil são nossas cidades litorâneas, de norte a sul. E boa parte destes destinos oferecem passeios voltados para o turismo de aventura ou o ecoturismo, tais como passeios de lancha, jeep e buggy, trilhas, esportes de mar como stand-up paddlewindsurf, vela e outras atividades assemelhadas.

Por conta da grande procura destas atividades, hotéis, pousadas e agências de turismo locais passaram a centralizar a venda dos mesmos a seus clientes, que normalmente são operados por terceiros - alguns enquadrados como micro e pequena empresas, outros MEI.

Para exemplificarmos, imagine uma agência que vende passeios de jeep para Castelhanos em Ilhabela/SP ou uma que vende passeios de buggy nas dunas próximas a Fortaleza/CE. Usualmente elas sub-contratam proprietários dos aludidos veículos, que também são seus motoristas, para levarem os turistas nos referidos passeios.

Exercem, assim, atividades características de agências de turismo, conforme preceitua o art. 27 da Lei Geral do Turismo - Lei nº 11.771/08:

"Art. 27. Compreende-se por agência de turismo a pessoa jurídica que exerce a atividade econômica de intermediação remunerada entre fornecedores e consumidores de serviços turísticos ou os fornece diretamente."

Como podemos ver do artigo transcrito, a agência de turismo pode intermediar negócios entre os operadores de passeios (no exemplo) e os turistas, ou prestá-los diretamente.

Após uma breve pesquisa, descobrimos que a grande maioria das agências funciona no regime de prestação direta, apesar de usar terceiros sub-contratados e repassarem a eles parte do valor cobrado. Isso porque elas emitem Notas Fiscais ou declaram o serviço como prestado por ela.

Novamente para exemplificarmos, imaginemos que o passeio de jeep mencionado, com capacidade de 08 pessoas, custe R$100,00 por pessoa, e que a agência repasse 60% deste valor para o motorista. Para uma agência enquadrada como microempresa, que fature até R$180.000,00, e portanto recolha o SIMPLES à alíquota de 6% (1).

Ao tratar o passeio vendido como prestação direta de serviços, a base de cálculo do SIMPLES será o valor total auferido pela venda. Assim:

Valor total da venda …………………… 08 x 100,00 = R$800,00

Base de cálculo - SIMPLES ………….. R$800,00

SIMPLES (6%) ………………………… R$48,00

Repasse o jipeiro ……………………… R$480,00

Lucro da agência ……………………… R$272,00

Ocorre que, a Secretaria da Receita Federal, através da Solução de Consulta nº 298/08, firmou entendimento no sentido de que na intermediação de venda de passeios, a base de cálculo do SIMPLES Nacional "é apenas o resultado da operação (comissão ou adicional recebido pela agência)”:

SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 298 de 31 de Outubro de 2008 - 9ª região fiscal (DOU de 05.11.2008)

ASSUNTO: Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte - Simples

EMENTA: SIMPLES NACIONAL. AGÊNCIAS DE TURISMO. CONCEITO DE RECEITA BRUTA. A intermediação na venda e comercialização de passagens individuais ou em grupo, passeios, viagens e excursões, bem como a intermediação remunerada na reserva de acomodações em meios de hospedagem, são operações em conta alheia, da agência de turismo. Nesses casos, a base de cálculo do Simples Nacional é apenas o resultado da operação (comissão ou adicional recebido pela agência). Já a prestação de serviços receptivos, diretamente ou por subcontratação, e a operação de viagens e excursões são operações em conta própria, da agência de turismo. Nesses casos, a base de cálculo do Simples Nacional é composta pelo valor integral pago pela contratante, aí incluídos os valores repassados às eventuais subcontratadas.

Ou seja, no mesmo exemplo utilizado acima, mas tratando a agência como simples intermediadora, que aufere lucro através de comissão de vendas, teríamos um cenário totalmente diferente:

Valor total da venda …………………… 08 x 100,00 = R$800,00

Comissão da agência (40%) …………. R$320,00

Base de cálculo - SIMPLES ………….. R$320,00

SIMPLES (6%) ………………………… R$19,20

Repasse o jipeiro ……………………… R$480,00

Lucro da agência ……………………… R$300,80

Assim, na mesma operação, em caso de prestação direta do serviço, a agência lucraria R$272,00 por jeep vendido, ao passo que no regime de intermediação por comissão, lucraria R$300,80 por jeep.

Apesar de parecer pouco, se ampliarmos isso para o universo de um mês de vendas, para uma agência que atinge R$20.000,00 em vendas de passeios operados por jeeps de terceiros, teríamos o seguinte cenário:

Valor total de vendas/mês ………………………… R$20.000,00

Tributação - prestação direta …………………….. R$1.200,00

Repasse aos jipeiros ……………………………… R$12.000,00

Lucro da agência ………………………………….. R$ 6.800,00

Valor total de vendas/mês ………………………… R$20.000,00

Tributação - comissão …………………………….. R$ 480,00

Repasse aos jipeiros ………………………………. R$12.000,00

Lucro da agência …………………………………… R$ 7.520,00

Ou seja, uma economia de R$720,00 por mês. Somando-se os 3 meses da temporada de verão, teríamos uma economia de R$2.160,00 para referida agência.

E essa economia é limpa, pois sua implementação não necessita de nenhuma alteração real na agência de turismo, mas tão somente uma reformulação em sua operação com seus parceiros.

Assim, é de grande importância que todas as empresas ligadas ao tradeturístico analisem suas práticas de operação, especialmente no que tange aos aspectos tributários, pois existem configurações que permitem a redução do custo tributário da operação.

Citações:

(1) Anexo III, Lei Complementar nº 123/2006


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria