Como posso reduzir o valor da minha conta de energia? Você encontrará, aqui, explicações sobre a incidência do ICMS na conta de energia elétrica.

Consumidores de todo o país estão conseguindo resultados favoráveis perante o judiciário para reduzir o valor do ICMS nas suas contas de energia elétrica e, consequentemente, reduzindo o valor final de sua conta de energia. Essa redução varia de 7% até 15% dependendo da alíquota aplicada pelo Estado em que o consumidor está localizado.

Essas ações são fundamentadas na ilegalidade da incidência do ICMS sobre a Tarifa de Uso do Sistema de Transmissão (TUST) e, também, sobre a Tarifa de Uso do Sistema de Distribuição (TUSD).

Mas o que são TUST e TUSD?

São tarifas cobradas pelas concessionárias de energia elétrica sobre o uso dos sistemas de distribuição (TUSD) e transmissão (TUST), ou seja, para a energia chegar no consumidor final a geradora de energia utiliza as mencionadas redes. Portanto, o consumidor não paga apenas a energia consumida, dependendo da concessionária a que estiver conectado, paga também pelo uso do seu sistema de cabeamento.

Por sua vez, o Estado calcula o ICMS sobre o valor total da soma da energia consumida, da TUSD e TUST, o que está totalmente errado. Nossa legislação prevê que o ICMS incide sobre a energia elétrica, por considerá-la uma mercadoria como qualquer outra, diferentemente das tarifas TUST e TUSD que são atividades intermediárias para realização do negócio.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) se posicionou e firmou a orientação que o uso do sistema de transmissão e distribuição não pode ser considerado como um serviço de transporte ou muito menos como mercadoria, não incidindo, assim, o fato gerador e não devendo as referidas tarifas integrarem a base de cálculo do ICMS.

Lembrando que, a incidência do ICMS sobre mercadoria se dá pelo real consumo, e, sobre o transporte de mercadorias, é necessário que haja a transferência de propriedade, o que não acontece em relação a TUST e TUSD, já que a mercadoria, neste caso a energia, permanece com a mesma titularidade.

Assim, é necessário que o consumidor entre com uma ação judicial questionando a cobrança, requerendo a exclusão das tarifas na base de cálculo do ICMS, por ser ilegal e inconstitucional, gerando, assim, uma redução mensal considerável na conta de energia, além da possibilidade de requerer a devolução de todos os valores pagos indevidamente no período dos últimos cinco anos, a contar da data de ingresso do processo.

Se você, consumidor residencial ou empresa, tem interesse em propor a ação, procure um advogado especialista de sua confiança.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria