Reflexões sobre a grave crise que se instalou no país sob a batuta de Michel Temer.

Ninguém deve se surpreender com as cenas de violência e os assassinatos que estão ocorrendo no Espírito Santo. Em breve veremos o mesmo ocorrer em todos os Estados brasileiros.

A verdadeira crise no Brasil é histórica.

O Estado brasileiro foi criado para servir apenas os colonos e seus descendentes. 

Vem daí as três principais características institucionais do Brasil:

- a primeira é que as autoridades vivem protegidas numa bolha dentro de uma bolha e raramente tem qualquer contato com a realidade;

- a segunda é a violência produzida pela exclusão e pela reação dos contingentes populacionais excluídos do Estado;

- a terceira é a natureza seletiva da Justiça, que não pode e não quer tratar todos igualmente;

Lula e Dilma se esforçaram para remediar estas distorções. Mas os descendentes dos colonos se sentiram preteridos e a pressão deles se tornou irresistível. 

O resultado aí está. 

Voltamos, pois, aos "bons tempos" do Estado excludente. Todavia, agora a população não aceita mais ser excluída. 

O remédio será  aquele que vem sendo ministrado há cinco séculos contra índios hostis, negros fugidos e pobres recalcitrantes: violência genocida aplicada contra o "inimigo interno" por uma tropa colonial (que será a PM ou, se for o caso, as Forças Armadas). 

Vivemos num Estado eternamente fracassado em que o conceito de povo é uma ilusão, a justiça é inexistente e o desrespeito aos direitos humanos é essencial à hierarquização de uma sociedade dividida entre os que tem tudo (inclusive o Estado) e aqueles não nunca terão nem mesmo cidadania (e que agora perderão seus direitos trabalhistas e previdenciários).

Felizmente já tenho mais de cinquenta anos. Com a redução da expectativa de vida e a destruição do SUS não terei mais que viver muito tempo neste Estado fracassado. Tomarei cuidado para não deixar nenhum rebento aqui.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso