Em que pese a Justiça Eleitoral não possuir carreira própria – os juízes, desembargadores e ministros eleitorais são emprestados de outros tribunais e exercem mandatos de até dois anos –, seu papel é cada vez mais essencial ao bom andamento da democracia.

No fim dos anos 1920, a moralização das eleições era uma das principais bandeiras levantada pela sociedade. Foi nesse contexto que nasceu a Justiça Eleitoral.

A Justiça Eleitoral – instituída no Brasil em 1932, extinta em novembro de 1937 e reestabelecida em 1945 –, é responsável pela organização das eleições e pela apreciação e julgamento de ações judiciais em matéria eleitoral.

O Código Eleitoral de 1932, que criou a Justiça Eleitoral, trouxe inúmeras inovações, tais como a possibilidade do voto feminino, o voto secreto, a adoção do sistema representativo proporcional e a regulação das eleições federais, estaduais e municipais.

Em 1937, a “Polaca” – como ficou conhecida a Constituição daquele ano – extinguiu a Justiça Eleitoral, aboliu os partidos políticos e suspendeu as eleições populares, dissolvendo, ainda, as Assembleias Legislativas.

Em 1945, com a entrada em vigor de um novo Código Eleitoral – conhecido como Lei Agamenon –, a Justiça Eleitoral foi reinstalada. A nova legislação eleitoral previu, entre outras inovações, a exclusividade de candidaturas por meio dos partidos políticos, ficando, portanto, proibida a candidatura avulsa desvinculada de agremiação partidária legalmente constituída.

Desde então, em que pese a Justiça Eleitoral não possuir carreira própria – os juízes, desembargadores e ministros eleitorais são emprestados de outros tribunais e exercem mandatos de até dois anos –, seu papel é cada vez mais essencial ao bom andamento da democracia brasileira.

Segundo o artigo 118, da Constituição Federal, são órgãos da Justiça Eleitoral: o Tribunal Superior Eleitoral, os Tribunais Regionais Eleitorais – com sede na Capital de cada Estado e no Distrito Federal – os juízes eleitorais e as juntas eleitorais.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tem sede na Capital da República e jurisdição em todo país, sendo composto por sete Ministros: três advindos do STF (dois deles serão o Presidente e o Vice-Presidente do Tribunal), dois do STJ (um deles será o Corregedor-Geral Eleitoral) e dois advogados indicados pelo STF e nomeados pelo Presidente da República.

Na esfera estadual, a composição segue o mesmo padrão. São sete desembargadores no Tribunal Regional Eleitoral (TRE): dois desembargadores emprestados do Tribunal de Justiça do Estado (serão eleitos, entre eles, o Presidente e o Vice-Presidente do Tribunal, que cumulará o cargo de Corregedor-Regional Eleitoral), dois juízes estaduais, um desembargador da Justiça Federal e dois advogados indicados pelo TJ e nomeados pelo Presidente da República.

Segundo o artigo 32, do Código Eleitoral, cabe a jurisdição de cada uma das Zonas Eleitorais a um Juiz de Direito em efetivo exercício, sendo que para cada Zona Eleitoral estão vinculadas seções eleitorais e, por fim, a estas estão adstritas as mesas receptoras, tal como preveem os artigos 117 e 119, do Código Eleitoral.

Na forma do disposto nos artigos 22 e 23, 29 e 30, 35 e 40, todos do Código Eleitoral, compete à Justiça Eleitoral, precipuamente, processar e julgar os pedidos de registro de candidatura e de criação, fusão, incorporação e extinção de partidos políticos, resolver questões referentes à propaganda eleitoral e à prestação de contas de candidatos e partidos, além de organizar as eleições desde o alistamento dos eleitores, passando pela votação e apuração dos resultados, até a proclamação e diplomação dos eleitos.

No encerramento do ano de 2016, o TSE possuía 5.141 processos em trâmite e havia proferido 1.750 decisões, entre elas muitas referentes à cassação de mandato eletivo, aplicação de multas eleitorais e declaração de inelegibilidade de candidatos.

Segundo dados do TRE de São Paulo, em 2016 as sete zonas eleitorais de Campinas processaram e julgaram mais de 80 mil procedimentos eleitorais, entre alistamentos de eleitores, registros de candidaturas e processos judiciais referentes às eleições municipais.

É certo que a política brasileira está sendo cada vez mais judicializada e a Justiça Eleitoral tornou-se a guardiã da boa prática eleitoral, buscando afastar das eleições os candidatos (e eleitores) que insistem em praticar a “velha política” ao lançar mão de artifícios imorais e ilegais como a compra de votos, propaganda irregular e arrecadação de recursos através de “caixa dois”.

Assim, é premente a necessidade de a Justiça Eleitoral receber mais atenção e reverência dos fazedores de leis, a fim de se promover a emancipação desse importante órgão especializado do Poder Judiciário, possibilitando a construção de carreira própria de magistrados e a efetiva consolidação de seu quadro funcional.

Ao adquirirem maior independência e responsabilidade, os magistrados originais da Justiça Eleitoral e os demais atores que atuam na seara – advogados, promotores e funcionários de cartórios e secretarias judiciais – poderiam se especializar na matéria, afastando toda sorte de “achismos” judiciais que de que se tem notícia atualmente.

Ocorre que aparentemente esse não é o desejo dos atuais comandantes do país – tanto que há alguns duas tentaram aprovar em regime de urgência certa alteração legislativa que afastaria punições aos partidos políticos e, pior, impossibilitaria a regulação do tema pela Justiça Eleitoral –, o que nos impele à continuidade da indispensável fiscalização e da efetiva participação nesse debate social.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria