O foco desse texto será mostrar as conseqüências que causarão a inclusão dos inimputáveis por imaturidade natural no rol da maioridade penal, no tocante ao aumento da população carcerária brasileira e da criminalidade e violência cometida pelos mesmos.

1.      Introdução

Constatou-se que esse assunto é amplamente submetido a avaliações na contemporaneidade, reflexo do aumento da marginalização e da violência no cotidiano da sociedade. Muitos defendem que a redução da maioridade de 18 para 16 anos seria preciso para diminuir a delinquência, mas é preciso salientar que existe toda uma legislação que trata dos menores, o Estatuto da Criança e do Adolescente, justamente para evitar que os adolescentes se integrem no convívio com pessoas que os ajudariam a sair piores do que quando ingressaram.

O perfil do adolescente em conflito com a Lei: 90% não completaram a 8ª Série e eram do sexo masculino. 51% sequer frequentaram a escola. 76% tinham entre 16 e 18 anos. 60% eram negros86% eram usuários de drogas e com renda de até dois salários mínimos. Observa-se que falamos de Família desestruturada (sem pai, ou com pai violento, ou com mãe descuidada), educação e trabalho, esses dados comprovam a influência da sociedade e do governo na criminalidade juvenil no Brasil.

A problemática em que gira todo esse assunto é saber se há a possibilidade de efetivação de tal redução de maioridade devido a superlotação dos presídios brasileiros, que já não comportam nem a atual maioridade penal. O sistema judiciário brasileiro tem capacidade para abrigar mais essa classe de apenados?

2.  Fundamentação Teórica

Em relação aos menores de dezoito anos de idade adotou-se o sistema biológico para a constatação da inimputabilidade. Independentemente da inteligência, da perspicácia e do desenvolvimento mental os menores são tratados como inimputáveis. Mesmo o menor de dezoito anos emancipado continua no campo penal como inimputável.  A capacidade civil não se confunde com a imputabilidade penal.

Conforme preleciona o art. 228 da Constituição Federal Brasileira: são penalmente inimputáveis os menores de dezoito anos, sujeitos às normas da legislação especial; e o art. 27 do Código Penal que também trata do mesmo assunto, os menores estão sujeitos a legislação especial, não podem jamais ser submetidos ao mesmo tratamento penal dos adultos em Varas Criminais e Tribunais do Júri, nem mesmo poderiam ficar custodiados em cadeias e presídios. Os adolescentes devem ser submetidos ao tratamento especializado previsto no art.112 do Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei 8.069/90), para tanto existem as Varas Especializadas da Infância e Juventude, unidades de internação e de semiliberdade e também programas de Liberdade Assistida e de Prestação de Serviços à Comunidade.

Conforme o Direito Penal crime é o fato típico, ilícito e culpável. Sendo de suma importância este último critério, a culpabilidade, que tem como um dos requisitos a imputabilidade, que é condição pessoal de maturidade e sanidade mental que confere ao agente a capacidade de entendimento do caráter ilícito do fato ou de se determinar segundo esse entendimento. A menoridade de dezoito anos acarreta a inimputabilidade por imaturidade natural o que é reafirmado pela presunção penal, na qual por motivos de questões de política criminal, entendeu o legislador brasileiro que não gozam de plena capacidade de entendimento que lhe permita imputar a prática de um fato típico e ilícito os que possuem desenvolvimento mental incompleto (imaturidade natural), sendo, portanto, considerados inimputáveis, não devem responder pelo seu ato praticado, já que este não é culpável, entretanto, este menor se sujeitará às medidas socioeducativas constantes no ECA(art. 27).

3.  Os motivos socioeconomicos que propiciam a inserção do menor na criminalidade

 O problema do menor infrator é atualmente algo relevante com que a sociedade tem que se preocupar e as soluções não são simples, pois envolvem as esferas política, social, familiar e educacional. O adolescente que pratica ato que confronta o ordenamento jurídico é inimputável, mas não fica impune, pois é responsabilizado conforme a legislação especial, que leva em conta a sua condição peculiar de desenvolvimento, sem esquecer de buscar a sua reeducação a fim de obter a ressocialização do mesmo, como forma de prevenir eventuais infrações.

É de conhecimento público que os jovens infratores são induzidos ou instigados a entrar na marginalidade por adultos que se aproveitam da sua situação especial para se assegurar de impunidade. Essas crianças e adolescentes em geral, são fruto de uma sociedade injusta e egoísta assentada nas bases estritamente econômicas e sociais marcadas pela desigualdade acentuada; muitos destes não tiveram acesso a uma educação de qualidade, e nem oportunidades de obter uma vida digna, emprego, saúde ou lazer, foram retirados deles a possibilidade de obter preceitos morais e éticos necessários por conseqüência de uma família desestruturada e conturbada, que não lhe deu os subsídios para um desenvolvimento infato juvenil saudável, por isso atuam contra o direito, e respondem por sua miséria com os únicos gestos que conheceram: a violência, desrespeito à lei e à sociedade.

  A respeito da coculpabalidade, se encaixa devidamente no contexto abordado, definida como uma carga de valores sociais negativos e que deve ser considerada como elemento excludente ou atenuante da culpabilidade. Esta teoria defendida por Zaffaroni e Pierangeli aponta a responsabilidade social do Estado pela não inserção social e, portanto, devendo suportar o ônus do comportamento desviante do padrão normativo por parte dos atores sociais sem cidadania plena que possuem menor autodeterminação diante das concausas socioeconômicas da criminalidade urbana e rural. Percebe-se a parcela considerável de culpa do Estado pela situação criminal atual, que não percebe que a solução está na efetivação de políticas públicas que proporcionem aos jovens os meios adequados ao seu desenvolvimento e na melhoria do sistema penal atual, atualizando para as condições sociais que mudaram.

 4.  Redução da maioridade penal e suas consequências

Muito se tem discutido em relação à redução da maioridade penal no Brasil, mas para que isso ocorra faz se necessário que haja estrutura adequada para essa implementação dos adolescentes na esfera penal. É fato que no Brasil não há estabelecimentos prisionais suficientes para atender a atual demanda de presos condenados às penas privativas de liberdade, a mídia retrata constantemente as condições desumanas aos quais os carcerários estão submetidos, que violam os direitos fundamentais da pessoa humana; a falta de higiene, a superlotação, a má alimentação e a falta de assistência médica adequada, são alguns dentre muitos desrespeitos para com o presidiário. As penitenciárias devem servir para a punição da conduta ilícita, mas tem como principal função a reabilitação e ressocialização do apenado. Entretanto, devido às condições em que estão sendo tratados, o que se pode esperar no mínimo, é o sentimento de revolta para com a sociedade, tornando essas pessoas mais frustradas, pois ao serem presas, perdem além da liberdade, a sua dignidade, se tornando progressivamente descrente para com a lei, devido a inércia do Estado que deveria garantir os meio necessários para que sejam cumprida a legislação que garante o direito dos presos.

Reduzir a maioridade penal é encarcerar adolescentes que já não tem suas necessidades atendidas pelo Estado e nem pela sociedade, privando-os de um desenvolvimento adequado e saudável, fornecendo, assim, matéria-prima para a  indústria do crime, transformando-os em criminosos mais perigosos, aniquilando qualquer forma de reeducação destes, impossibilitando a ressocialização. Com a redução da maioridade a criminalidade não será resolvida, a prisão não vai solucionar esse problema, mas fazer com que surjam outras piores, já que estaremos possibilitando a ingressão de jovens cada vez mais novos no mundo do crime. Com o forte aumento da população carcerária, que já está super saturada, é decretar a falência do sistema penitenciário brasileiro. O que os menores precisam não é de punição, mas de pedagogia corretiva adequada, uma espécie de providência educacional. É preciso que o governo seja consciente que tem obrigação de lutar para garantir a efetividade do ECA, que é a legislação mais adequada para os menores infratores, e que deve melhorar o sistema penitenciário, agindo nas raízes desse mal, sobretudo garantindo os fatores essências para a formação de um cidadão, sendo bem mais plausível investir concretamente na prevenção, evitando que o jovem ingresse na criminalidade, do que na punição.

5.      Conclusão 

Existe motivação social para o cometimento da maioria dos delitos cometidos por adolescentes, relacionada à elevadíssima concentração de renda da sociedade brasileira e à elevada taxa de analfabetismo. Um problema social não se resolve legalmente, mas através de políticas públicas que visem à inclusão social dos mais carentes.

A redução da maioridade penal está gerando muitas opiniões divergentes a seu respeito, mas o que não está sendo lembrado é a omissão governamental no que concerne a sua função de garantidor da educação, saúde, lazer e inserção social. Precisa-se de programas que invistam na capacitação profissional juvenil, a fim de ocuparem o tempo dos menores em atividades produtivas que levem a geração de renda e uma possível estabilidade econômica. Sem falar que com o nível educacional adequado, os adolescentes, dificilmente ingressarão no mundo do crime e no uso das drogas, já que estes representam muitas vezes o subsídio mais disponível e acessível que eles detêm para obter uma falsa concepção de vida melhor.

A aplicação da medida sócio-educativa tem como objetivo inibir a reincidência entre os menores infratores, e sua finalidade é pedagógico-educativa, estão elas elencadas no art. 112 do ECA. É imprescindível uma atenção do Estado para com o Estatuto da Criança e do Adolescente no âmbito da ressocialização dos menores infratores, que é uma medida que evita a futura prática de outras infrações, assim poderiam reduzir drasticamente os crime praticados por adolescentes, e na atualidade representa a melhor solução para esse problema.

O sistema penitenciário brasileiro, que além de ser falho, não apresenta qualquer condição para buscar a ressocialização do detento, sem esquecer que não tem estrutura para comportar nem o atual contingente carcerário disponível, tratando os presidiários de forma inadequada para os parâmetros exigidos. Não é este o ambiente mais adequado para esses menores se desenvolverem, além do que o contato com criminosos de maior periculosidade pode ser extremamente prejudicial, levando a influenciar no comportamento destes jovens, pois irão exercer o papel de verdadeiras escolas do crime.

Faz-se necessário combater as causas que direcionam os menores à criminalidade, pois não adianta colocá-los na prisão, enquanto milhares de jovens passam por a mesma situação precária fruto do descaso do Estado, cujo futuro será destinado ao crime. Desse modo, é preciso que a sociedade se mobilize para cobrar ações efetivas do governo em prol dessa causa, porque esse é um assunto emergente que precisa ser tratado com a devida cautela, já que as conseqüências incidem em toda a esfera social.

Portanto, o assunto tratado deve ser analisado com bastante atenção no intuito de ser solucionado ou, pelo menos, amenizado, pois a ineficácia do sistema penitenciário referente à ressocialização e ao tratamento de infratores causa malefícios a toda comunidade, que vai sofrer com o aperfeiçoamento das criminosas na prática de delitos decorrente do tempo em que estiveram aprisionados.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelas autoras. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria