O ISPS Code é um código de segurança internacional aplicável tanto aos navios, quanto às instalações portuárias. Sem ele, não é possível se obter a certificação do IMO, nem participar de posteriores operações internacionais.

I – Introdução

O atentado terrorista às Torres Gêmeas, em 11 de setembro de 2001, nos EUA, mudou drasticamente as políticas internacionais de segurança. Alarmados pelo crescimento da onda de violência internacional e a volta do terrorismo, o Governo americano enrijeceu suas leis migratórias, bem como intensificou a segurança de portos e aeroportos internacionais.

Guiados pela necessidade de maior rigor e controle para quem entra e sai nos países, em dezembro de 2002, a 22ª Sessão da IMO (International Maritime Organization) se reúniu para a Conferência Diplomática sobre Proteção Marítima em Londres, debatendo medidas para maior segurança nos navios mercantis internacionais e nas instalações portuárias.

Com o intuito de renovar e intensificar a Convenção para a Supressão de Atos Contra a Segurança da Navegação Marítima de 1988, cria-se então o ISPS Code (International Ship and Port Facílity Security Code) para concretizar de vez a questão da segurança marítima.

II – Codificação e Aplicação

O ISPS Code passou a entrar em vigor em julho de 2004, com a inserção da Resolução 2, no Capítulo XI-2 anexo à Convenção Internacional para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar (SOLAS). O Código foi dotado de duas partes, a saber: parte “A” de cunho obrigatório e a parte “B” de cunho recomendado, cabendo discricionariamente a cada país decidir se o cumpre ou não.

O ISPC Code foi criado para que haja uma cooperação entre os Governos, que ratificaram e promulgaram a SOLAS, a fim de conferir maior segurança marítima tanto no âmbito dos navios internacionais quanto nas instalações portuárias nacionais, trazendo assim impacto tanto sobre o Direito Marítimo quando para o Direito Portuário.

As atividades de controle e fiscalização de segurança são destinadas a todos os níveis dos sujeitos e agentes das relações marítimas, englobando desde capitães e sua tripulação até os viajantes de cruzeiros internacionais, passando para o controle detalhado de quem entra e sai dos portos.

Os níveis de segurança vão de 1 até o nível 3. O nível 1 tem aplicação permanente, a todo o tempo com medidas mínimas para a segurança. O nível 2 traz a aplicação de medidas adicionais com rigor maior de segurança em questão extraordinária de aplicação temporária de iminente risco. O nível 3 também determina  aplicação de medidas adicionais de forma temporária, porém, de forma mais abrangente por não ser possível identificar alvo específico.

Cumpridas as exigências de segurança, a IMO criou um sítio online (http://gisis.imo.org/Public/Default.aspx) trazendo uma relação de todos os navios e instalações portuárias que operam de acordo com os padrões ISPS Code e lhes atribuindo uma certificação internacional de operabilidade.

III – O ISPS Code nos navios

No âmbito de segurança dos navios, o Código aplica-se a:

1. os seguintes tipos de navios envolvidos em viagens internacionais:

1.1 navios de passageiros, incluindo embarcações de passageiros de alta

velocidade;

1.2 navios de carga, incluindo embarcações de alta velocidade, de

arqueação bruta a partir de 500 ; e

1.3 unidades móveis de perfuração ao largo da costa; e

2. instalações portuárias que servem tais navios envolvidos em viagens

internacionais.

Com o intuito de preencher as exigências de segurança, há cursos específicos regulamentados e padronizados pelo ISM Code (International Safe Management) com abrangência em áreas como: auditoria interna de segurança; apoio para a implantação e manutenção de Sistemas de Gerenciamento da Segurança (Safety Management System) nas empresas de navegação; treinamento, simulações e exercícios de segurança para navios; avaliações de Proteção do Navio (Ship Security Assessment – SSA); e planos de Proteção do Navio (Ship Security Plan – SSP). O Certificado Internacional de Proteção do Navio tem duração de 5 anos.

Importante destacar que o Código ISPS não se aplica a navios Governamentais de natureza não comercial. Ou seja, não se aplica aos navios de guerra dos países, tendo em vista de se tratar de questão interna.

IV – O ISPS Code nos Portos

No âmbito dos portos, a extensão da aplicação do ISPS Code será determinada pelo Governo contratante, tendo em vista a natureza interna do Direito Portuário.

O Governo fica incumbido de estabelecer os níveis de proteção a serem adotados, sendo que quando maior for o nível de proteção, maior rigor será demandado. Há apenas regra geral prevendo que os procedimentos de proteção nos portos serão feitos de modo a trazer menor impacto no funcionamento e na eficiência das instalações, evitando, por exemplo, demora exacerbada no embarque e desembarque nos portos.

As medidas de proteção dos portos, em sua maioria, possuem natureza preventiva de incidentes de segurança.

Algumas medidas de segurança aplicáveis aos portos são: utilização de CFTV (Circuito Fechado de Televisão) no porto e ao seu redor; instalação de alarmes; proteção de perímetro; controle de acesso por biometria e crachás; treinamento dos guardas e vigilantes; utilização de sistemas PSPP; entre outras.

IV – Declaração de Proteção

A declaração de proteção será determinada pelos Governantes contratantes na avaliação de riscos decorrente das relações que envolvem navio/porto ou navio/navio no tocante a segurança de passageiros, propriedades ou meio ambiente.

Um navio pode requerer uma Declaração de Proteção quando:

1. o navio estiver operando em um nível de proteção mais alto do que o nível de proteção da instalação portuária ou de outro navio com o qual esteja interagindo.

2. houver um acordo entre Governos Contratantes através de uma Declaração de

Proteção cobrindo certas viagens internacionais ou determinados navios engajados em tais viagens;

3. houver uma ameaça de proteção ou um incidente de proteção envolvendo o

navio ou a instalação portuária, conforme aplicável;

4. o navio estiver em um porto o qual não seja obrigado a ter e implementar um plano aprovado de proteção das instalações portuárias; ou

5. o navio estiver executando atividades de navio para navio com um navio o qual não seja obrigado a ter e implementar um plano aprovado de proteção do navio.

A declaração deverá ser cumprida prevendo e preservando a autoridade máxima do comandante para dirimir questões de segurança e requisitar assistência de companhia ou Governante contratante.

V – O ISPS Code no Brasil

O Brasil é membro da IMO desde 1963, ratificando e publicando a Convenção Internacional para Salvaguarda da Vida Humana no Mar (SOLAS) por meio do Decreto 87.186/1982.

Desta forma, com a inserção do ISPS Code à SOLAS, o Brasil deve dar cumprimento ao estabelecido no Código para a certificação internacional expedida pela IMO para a acreditação internacional de seus portos e navios.

A certificação dos navios é de competência da autoridade marítima, ou seja, da Marinha do Brasil.

Já a certificação dos Portos será expedida pela CONPORTOS (Comissão Nacional de Segurança Pública de Portos, Terminais e Vias Navegáveis). Tal certificação é um ato administrativo composto, visto que primeiramente haverá uma Avaliação de Riscos a ser realizada pela CESPORTOS (Comissão Estadual de Segurança Pública dos Portos, Terminais e Vias Navegáveis). Posteriormente, será apresentado um Plano de Segurança, que também deverá ser aprovado e dado o seu cumprimento para então se realizar uma nova inspeção e a expedição da Declaração de Cumprimento pela CESPORTOS juntamente com a CONPORTOS.

Após devidamente certificada, o registro do navio ou a situação do Porto será incluída no sítio online da IMO com a devida observação de cumprimento do ISPS Code. O credenciamento internacional é vital e imprescindível para o regular exercício de navios e instalações portuárias de alcance internacional, pois a certificação é exigida por todos os países membros da IMO.   

BIBLIOGRAFIA

Porto de Vitória – O que é ISPS Code? Disponível em < http://www.vitoriaport.com.br/site/ISPSCodeCredenciamentoparaacessoaoporto/Oque%C3%A9ISPSCode/tabid/180/language/pt-BR/Default.aspx> Acesso em 24 de abril de 2017

Marinha do Brasil – Files, ISPS Code. Disponível em < https://www.ccaimo.mar.mil.br/sites/default/files/ispscodepa_rev.1.pdf> Acesso em 24 de abril de 2017

Coomar Brasil – Serviços, Segurança de Instalações (ISPS Code). Disponível em < https://coomarbrasil.com.br/seguranca-de-instalacoes-isps-code> Acesso em 24 de abril de 2017



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria