Reflexões sobre as principais mudanças ocorridas com a arrecadação do ICMS pelos Estados, após o advento da EC 87/2015. Afinal, vamos conseguir resolver a Guerra Fiscal entre estes entes?

O ICMS - Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e prestação de Serviços é um imposto de Competência dos Estados e Distrito Federal, está previsto no art. 155, II e §2º, § 3º da CRFB/88 e na Lei Complementar 87/96.

O Imposto relativo a Circulação de Mercadorias e sobre Prestação de Serviços  é não-cumulativo (art. 150, §2º, I, da CF/88), compensando-se o que for devido em cada operação relativa a circulação de mercadorias ou prestação de serviços com montante cobrados  nas anteriores pelo mesmo ou outro Estado ou pelo Distrito Federal.

O elemento objetivo do ICMS, ou seja, o fato gerador, seja, as hipóteses de incidência  é a “operação relativa à circulação de mercadorias e a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação, ainda que iniciada no exterior”.

Ocorre que, quando o ICMS é feito em operações de mercadorias e ou serviços interestaduais (de um estado para outro), há uma divisão da receita desse imposto para o Estado de Origem de onde veio a mercado ou serviço e para o Estado Destinatário da mesma, com base nas alíquotas internas e interestaduais.

A fixação do patamar das alíquotas internas (mínimas e máximas), bem como as aplicáveis nas operações  interestaduais e de exportações, compete ao Senado Federal, conforme art. 155, §2º, IV,V, alíneas “a” e “b”, da Constituição Federal.

As alíquotas internas são livremente fixadas pelos entes federativos e usualmente varia de 17% a 18%. Já as alíquotas interestadual estão regulamentadas na Resolução nº 22/89, sendo as seguintes, nos termos do parágrafo único, do art. 1º: i) 7%: para operações interestaduais que destinarem mercadorias ou serviços a contribuintes dos Estados das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste e para o Espírito Santo (art. 1º, parágrafo único) ; ii) 12%: para operações interestaduais que destinarem mercadorias ou serviços a contribuintes dos Estados das regiões Sul e Sudeste (art. 1º, parágrafo único, inciso II).


- Antes da EC 87/2015

Antes da Emenda Constitucional, nos termos do  Art. 155,§2º, VII, b, da CF, quando o destinatário não fosse contribuinte (fosse Consumidor final), o imposto (ICMS) caberia integralmente ao Estado de Origem da Operação, ou seja, a unidade de origem da mercadoria, não cabendo nada ao Estado destinatário.

Quando o destinatário fosse contribuinte (não consumidor final) o imposto caberia ao Estado de Origem e de Destino, cabendo ao Estado de Origem da Mercadoria o valor da alíquota interna e o Estado de Destino da Mercadoria a diferença entre a alíquota interna e a interestadual (Art. 155,§2º, VII,b e VIII da CF - antes da EC 87/2015), ou seja, foram estabelecidos critérios diferenciados de apropriação da receita a partir da origem das mercadorias:

a) Regra geral: O Estado de origem fica com 12% e o de destino com 5%;

b) Regra dos desiguais: Mercadorias oriundas do Sul e Sudeste (exceto ES) para as demais regiões do país = o Estado de origem fica com 7% e o de destino com 10%;

Percebe-se que nas operações entre “contribuintes” a sistemática buscava uma partilha do ICMS entre os dois Estados (o do local de origem da mercadoria e do destinatário da mesma), porém quando o destinatário fosse “consumidor final” (não contribuinte) a arrecadação do ICMS ficava, integralmente, para o Estado de Origem da Mercadoria, desencadeando um desequilíbrio arrecadatório.

Diante desse quadro, alguns Estados que perderam a arrecadação e sentido-se prejudicados, reuniram-se e baixaram o Protocolo ICMS nº 21, que cobrava o ICMS como se a mercadoria tivesse sido também comercializada nos seus Estados, gerando um aumento da carga tributária neste tipo de operação em mais de 50%. A questão foi levada ao Supremo Tribunal Federal por meio de ADINs e em setembro de 2014, foi declarado inconstitucional o Protocolo ICMS 21/2011.

Para tentar alterar esse panorama e regularizar o “desequilíbrio arrecadatório” foi publicada dia 17/04/2015, a Emenda Constitucional 87, que  alterou o inciso VII, do § 2º do art. 155 da Constituição Federal, que  passou a ter a seguinte redação:

“Art. 155...

§ 2º...

VII – nas operações e prestações que se destinem bens e serviços a  consumidor final, contribuintes  ou não do imposto, localizado em outro Estado, adotar-se-á a alíquota interestadual e caberá ao Estado de localização do destinatário à diferença entre a alíquota interna do Estado destinatário e a alíquota interestadual”.

 Assim, as alíquotas interestaduais passaram a ser aplicadas também quando as operações se destinem a consumidores finais, visto que antes da EC 87/15, esta repartição do ICMS entre estado de origem e destinatário da mercadoria, somente era aplicada  se o destinatário fosse contribuinte (não era aplicada para consumidor final).

Assim, segundo Ricardo Alexandre, em Direito Tributário esquematizado, a  EC nº 87/2015 põe fim à distinção entre consumidor final e contribuinte, no que diz respeito à arrecadação do ICMS. Independentemente de ser consumidor final ou não do imposto, o tributo devido será o mesmo e haverá a divisão do valor arrecadado entre o Estado de origem e o Estado de destino da mercadoria ou serviço. Deixa de existir a possibilidade de operação ou prestação interestadual em que o recolhimento de ICMS beneficie exclusivamente o Estado de origem.

A EC nº 87/2015 (inciso VII, art. 155,§2º, da CF) não repercutiu nas operações e prestações interestaduais que destinam bens e serviços de contribuintes do imposto, conforme já dito acima, pois nessas operações, mesmo antes da EC 87/2015 os Estados de origem já ficavam com o valor equivalente a alíquota interestadual (7% ou 12% conforme Resolução nº 22/89) e o estado de destino com diferença entre a alíquota interna do estado de destino e a  interestadual ( o chamado DIFAL).

Porém as operações interestaduais que se destinem a CONSUMIDORES FINAIS houve modificações significantes, posto que antes da EC 87/2015 o estado de destino nada ficava do ICMS e hoje tem-se a mesma sistemática das operações destinadas a CONTRIBUINTES.


O  Art. 99 dos Atos das Disposições Constitucionais Transitórias – ADCT

Com a nova redação do inciso VII, do art. 155,§ 2º da CF (dado pela  EC 87/2015), que determinou a repartição de receitas do ICMS entre Estados de origem e estado destino, em operações e prestações interestaduais para CONSUMIDOR FINAL, cabendo ao estado de destino o imposto correspondente entre  a diferença da alíquota interna dos Estados destinatários  e a alíquota interestadual (o chamado DIFAL).

Com essa nova sistemática de incidência de ICMS o Estado de Origem, que antes nas operações destinadas a consumidores finais, ficava com toda a arrecadação do ICMS passou a perder a maior parte de sua arrecadação para o Estado do destinatário da mercadoria ou serviço.

Assim, o art. 99 da ADCT (incluído pela EC 89/2015), funciona como uma regra de transição para que os Estados de origem da mercadoria ou serviços de ICMS se adéquam a nova incidência do ICMS interestadual em operações destinadas a consumidores finais não contribuintes do ICMS, conforme inciso VII, do art. 155,§ 2º da CF, ou seja, proporciona a esses Estados um prazo para que se acostumem e busquem outras formas de reporem, essa  perda significativa de sua arrecadação, conforme se observa pela transcrição do art. 99 da ADCT:

“Art. 99. Para efeito do disposto no inciso VII do § 2º do art. 155, no caso de operações e prestações que destinem bens e serviços a consumidor final não contribuinte localizado em outro Estado, o imposto correspondente à diferença entre a alíquota interna e a interestadual será partilhado entre os Estados de origem e de destino, na seguinte proporção:

I - para o ano de 2015: 20% (vinte por cento) para o Estado de destino e 80% (oitenta por cento) para o Estado de origem;

II - para o ano de 2016: 40% (quarenta por cento) para o Estado de destino e 60% (sessenta por cento) para o Estado de origem;

III - para o ano de 2017: 60% (sessenta por cento) para o Estado de destino e 40% (quarenta por cento) para o Estado de origem;

IV - para o ano de 2018: 80% (oitenta por cento) para o Estado de destino e 20% (vinte por cento) para o Estado de origem;

V - a partir do ano de 2019: 100% (cem por cento) para o Estado de destino.”

Apesar da Emenda Constitucional nº 87/2015 diminuir, significadamente, o desequilíbrio arrecadatório entre os Estados, inclusive com essa nova sistemática de arrecadação, não resolve a questão da “Guerra Fiscal” entre os Estados, que conforme veremos, vai muito além da repartição de ICMS entre os Estados.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria