Principais pontos relacionados ao instituto do Livramento Condicional, como origem histórica, conceito, requisitos, condições, hipóteses de revogação e respectivas consequências, bem como sobre a extinção da pena do beneficiário.

CONCEITO: O presente artigo analisará o instituto do livramento condicional, fazendo breves apontamentos sobre sua origem histórica, conceito, requisitos, condições, hipóteses de revogação e respectivas consequências, bem como sobre a extinção da pena do beneficiário.

Palavras chaves: Livramento condicional, Execução penal.


 INTRODUÇÃO:

Para muitos, o surgimento do livramento condicional começou na França com a obra de Bonneville , sob o nome de “liberação preparatória”, aproximadamente na metade do século XIX.

Porém, alguns autores acreditam que, a liberdade condicional teve origem nas colônias inglesas da Austrália, no ano de 1840, por Maconochie, com a intenção de promover a recuperação moral e social do criminoso e sua liberação antecipada sob vigilância.

No Brasil, teve como marco inicial o Código Penal de 1890 (arts. 50 a 52), regulamento pelos Decretos 16.665 de 6 de novembro de 1924, e 4.577 de 5 de setembro de 1922. O código penal de 1940, só admitia o livramento condicional para penas de reclusão ou detenção superior a 3 anos, mas traz uma incerteza, pois dentro de um sistema penitenciário, era incompatível com penas de curta duração.

Com o natimorto código penal de 1969, corrigiu a falha e admitiu o livramento condicionado para penas iguais ou superiores a 2 (dois) anos, mas este código não chegou a entrar em vigor, e a Lei n° 6416/77 fez a correção necessária no código penal de 1940, retirando a situação injusta. A reforma de 1984, criada pela lei n° 7209, manteve a lei n° 6416/77, com pequenas alterações.

Gustavo Octaviano Diniz Junqueira conceitua livramento condicional como sendo “a antecipação da liberdade ao condenado que preenche os requisitos legais, visando facilitar a sua reintegração social e diminuir o risco da degeneração da personalidade pelo cárcere, além de estimular o bom comportamento do recluso”.

Neste contexto, este artigo analisará a sua conceituação, pressupostos de aplicabilidade, condições de cumprimento, causas de revogação e suas implicações, bem como a extinção da pena após o prazo do livramento condicional.


 DESENVOLVIMENTO:

Para Regis Prado, “A liberdade condicional consiste na liberação do condenado após cumprimento de parte da sanção penal aplicada em estabelecimento penal, desde que cumpridamente observados os pressupostos que regem a sua concessão e sob certas condições previamente estipuladas”.

O LIVRAMENTO CONDICIONAL

O livramento condicional será concedido quando o sentenciado, condenado a pena privativa de liberdade igual ou superior a 2 anos, cumprir:

  • Mais de 1/3 da pena se não for reincidente em crime doloso (crime comum),

  • Mais da 1/2 da pena se for reincidente em crime doloso (crime comum) e

  • Mais de 2/3 da pena, nos casos de condenação por crime hediondo ou a ele equiparado (tortura, tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, terrorismo), e desde que o sentenciado não seja reincidente específico em crimes desta natureza (art. 83, CP).

REQUISITOS:

Os requisitos para sua aplicação são objetivos e subjetivos.

4.2- REQUISITOS OBJETIVOS:

1° Qualidade da pena: deve ser pena privativa de liberdade;

2° Quantidade da pena: deve ser igual ou superior 2 anos;

3° Reparação do dano, salvo impossibilidade de fazê-lo;

4° Cumprimento de parte da pena: mais de 1/3, desde que tenha bons antecedentes e não seja reincidente em crime doloso; mais da ½ (metade), se reincidente, em crime doloso; entre 1/3 e a ½ (metade), se tiver maus antecedentes, mas não for reincidente em crime doloso; mais de 2/3 , se tiver sido condenado por qualquer dos crimes da Lei dos Crimes Hediondos e não seja reincidente específico em crimes dessa natureza.

REQUISITOS SUBJETIVOS

1° Bons antecedentes: Fatos ocorridos antes do início do cumprimento da pena. Esse requisito só interessa para o não reincidente em crime doloso, pois aquele reincidente, com ou sem bons antecedentes deverá cumprir mais da metade da pena, já o não reincidente apenas um terço.

2° Comportamento satisfatório durante a execução: Este é referente ao bom comportamento na execução da pena. O diretor da penitenciária, leva em conta o modo de agir do condenado após o início do cumprimento de sua condenação.

3° Bom desempenho no trabalho: O preso não é forçado a trabalhar, mas se não fizer, não obterá o benefício da liberdade antecipada. Aqui se preocupada com o desenvolvido do indivíduo nas atividades laborais desenvolvidas no interior do cárcere e também ao trabalho efetuado fora da prisão.

4° Aptidão para prover a própria subsistência com trabalho honesto: Avaliação do desempenho efetivo do recluso nas tarefas que lhe forem atribuídas, dentro e também fora da prisão. A lei exige que o condenado seja apto a viver a custa de seu próprio e honesto esforço.

5° Os condenados por crime doloso cometido mediante violência ou grave ameaça, é necessário que se prove o fim da periculosidade.

Além das condições obrigatórias, o Magistrado pode facultativamente acrescentar as seguintes (art. 132, § 2º da LEP):

a) Proibição de mudar de endereço sem prévia autorização do juiz;

b) Obrigação de se recolher em casa a partir de determinado horário;

c) Não frequentar determinados lugares.

DA REVOGAÇÃO DO LIVRAMENTO CONDICIONAL

É facultado ao juiz revogar o livramento se o liberado deixar de cumprir qualquer das obrigações constantes da sentença, ou for irrecorrivelmente condenado, por crime ou contravenção, a pena que não seja privativa de liberdade. Caso o juiz não decrete a revogação, deverá advertir o liberado ou agravar as condições.

Entretanto, se o livrado vem a ser condenado à pena privativa de liberdade, em sentença irrecorrível, por crime cometido durante a vigência do benefício ou por crime anterior, caso em que a soma das penas não autorize a concessão do livramento, o magistrado é obrigado a revogar o livramento condicional.

Salvo quando a revogação resulta de condenação por outro crime anterior àquele benefício, não se desconta na pena o tempo em que esteve solto o condenado.

E, uma vez revogado o livramento, este não poderá ser novamente concedido.

DA EXTINÇÃO

Cumprido o prazo do livramento condicional, sem que ocorra sua revogação, o juiz julgará extinta a pena privativa de liberdade, de ofício, a requerimento do interessado, do Ministério Público ou mediante representação do Conselho Penitenciário.

Assim, corrobora André Estefan:

“Se ao término do período de prova o livramento não foi revogado ou prorrogado, o juiz deverá declarar a extinção da pena, ouvindo antes o Ministério Público”. (ESTEFAN, 2012, p. 488).


CONCLUSÃO

Portanto, pode-se concluir que o livramento condicional possibilita uma gradual reinserção do condenado na sociedade, desde que preenchidos os requisitos legais e mediante o cumprimento de condições previamente estabelecidas. Conclui-se, também, que a infringência das condições importa em revogação do benefício e acarretam certas consequências, e que, inexistindo incidentes, depreciem a credibilidade durante o curso do livramento condicional a pena será declarada extinta.


REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Bitencourt, Cezar Roberto. Tratado de Direito Penal: Parte Geral. 19. Ed. São Paulo: Saraiva, 2013. V. 1.

JUNQUEIRA, Gustavo Octaviano Diniz. Direito Penal. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2012, p. 187.

Lei nº 7.210 de 11 de julho de 1984. Disponível no site <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L7210.htm> . Acessado em 16.05.2017.

PRADO, Luiz Regis. Curso de direito penal brasileiro. 11. Ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012. V. 1.

ESTEFAN, André, Direito Penal: Parte Geral Esquematizado, São Paulo: Saraiva, 2014.


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso