Principais aspectos relacionados à evolução histórica do constitucionalismo e as diferentes gerações de direitos fundamentais.

Estudar a evolução histórica do constitucionalismo, certamente, facilita a compreensão da evolução dos direitos fundamentais, tornando possível, inclusive, dividi-los em diferentes gerações, a depender do contexto em que surgiram, e do “valor” ao qual estão ligados.

Sobretudo por questões didáticas, o constitucionalismo é, comumente, subdivido em três diferentes fases, quais sejam: constitucionalismo antigo, constitucionalismo moderno, clássico ou social e constitucionalismo contemporâneo.

No que tange ao constitucionalismo antigo, que cuida das experiências constitucionais do Estado hebreu, Grécia, Roma e, até mesmo, da Inglaterra[1], ainda que possua significativa relevância, especificamente para o presente artigo, que tem enfoque nas gerações dos direitos fundamentais, acaba permanecendo em segundo plano.

A ideia de gerações dos direitos fundamentais, indubitavelmente, faz mais sentido quando se analisa o constitucionalismo a partir do século XVIII, momento marcado pelas Revoluções americana e francesa, que levaram, respectivamente, à Constituição norte-americana de 1787 e à Constituição francesa de 1791.

Referidos textos constitucionais, que marcam o início do constitucionalismo clássico e são influenciados por pensadores como Rousseau, Locke, Montesquieu e Thomas Jefferson, tinham como valor central a liberdade, o que é perfeitamente compreensível, diante do contexto em que surgiram.

De um modo geral, só o que buscavam os revolucionários era pôr fim às arbitrariedades do regime absolutista, isto é, limitar o Estado e garantir com que os direitos fossem, efetivamente, respeitados pelo próprio Estado. Pode-se afirmar, em síntese, que as Constituições clássica ou liberais, buscavam, acima de tudo, substituir os Estados absolutistas, por Estados de direito.

É justamente nesse ponto que, segundo Karel Vasak – primeiro jurista a utilizar o termo “gerações”[2] –, surgem os direitos fundamentais de primeira geração, que podem ser subdivididos em direitos civis (direitos de defesa ou negativos) – garantir a igualdade formal – e em direitos políticos (direitos de participação) – permitir o indivíduo a participar da vida política do Estado (votar e ser votado)[3].

Após o fim da Primeira Guerra Mundial (1918), o que se constatou, contudo, é que aqueles direitos fundamentais de primeira geração, já não eram mais suficientes. O liberalismo já não conseguia dar resposta aos problemas enfrentados no pós-guerra, marcado, sobretudo, por crises econômicas. Verificou-se, a bem da verdade, que o liberalismo só é viável, quando as pessoas estão, de fato, em um certo nível de igualdade.

É nesse momento que surge um novo modelo de Constituição, marcando o início do constitucionalismo social e inaugurando a ideia de Estado social ou Estado do bem-estar social, que abandona a postura abstencionista do Estado liberal, transformando-se em um verdadeiro “prestador de serviços”.

Destacam-se, aqui, a Constituição mexicana de 1917, bem como a Constituição de Weimar (1919)[4], que consagraram direitos sociais, econômicos e culturais[5] (direitos prestacionais ou positivos), com a missão de estabelecer uma igualdade material, proporcionar um equilíbrio, uma superação da dicotomia entre igualdade política e desigualdade social. São, justamente, esses direitos – típicos das Constituições sociais –, que compõem a segunda geração dos direitos fundamentais.

Àquela altura, já se verificava, portanto, textos constitucionais com direitos fundamentais de primeira e de segunda geração. Todavia, após a Segunda Grande Guerra (1945), constatou-se que faltava mais, e é, nesse contexto, que se inaugura, por fim, o constitucionalismo contemporâneo – identificado, por alguns doutrinadores, como neoconstitucionalismo – e que surgem os direitos fundamentais de terceira geração.

Pode-se afirmar que a experiência nazista – somada a toda a selvageria da Segunda Guerra Mundial[6] –, trouxe os “direitos transindividuais, isto é, direitos que vão além dos interesses do indivíduo; pois são concernentes à proteção do gênero humano, com altíssimo teor de humanismo e universalidade”[7]. A dignidade da pessoa humana passa a ser o núcleo axiológico dos textos constitucionais. Conforme ensina o Ministro Luís Roberto Barroso, estão na terceira geração os direitos coletivos e difusos[8].

Certo é que o constitucionalismo contemporâneo, que tem como “marco inicial” o fim da Segunda Guerra Mundial, perdura até os dias de hoje. Não se pode olvidar, contudo, que, para muitos doutrinadores, a exemplo do professor Pedro Lenza, os direitos fundamentais já chegam, até mesmo, a uma quinta geração[9], o que foge da ideia do jurista Karel Vasak, que estabeleceu apenas três gerações, associando o surgimento dos direitos fundamentais, nas Constituições, ao lema da Revolução francesa (“liberdade, igualdade e fraternidade”)[10].


Notas

[1] NOVELINO, Marcelo. Manual direito constitucional – Volume único. 9. ed. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Método, 2014. ISBN. 978-85-309-5495-6.

[2] DIÓGENES JÚNIOR, José Eliaci Nogueira. Gerações ou dimensões dos direitos fundamentais? Disponível em: <http://www.ambitojuridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=11750>. Acesso em: nov. 2016.

[3] BARROSO, Luís Roberto. Curso de direito constitucional contemporâneo: os conceitos fundamentais e a construção do novo modelo. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2015, p. 212 e 213.

[4] LENZA, Pedro. Direito constitucional esquematizado. 19. ed. São Paulo: Saraiva, 2015, p. 1.143.

[5] BARROSO, Luís Roberto. Curso de direito constitucional contemporâneo: os conceitos fundamentais e a construção do novo modelo. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2015, p. 213.

[6] NOVELINO, Marcelo. Manual direito constitucional – Volume único. 9. ed. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Método, 2014. ISBN. 978-85-309-5495-6.

[7] LENZA, Pedro. Direito constitucional esquematizado. 19. ed. São Paulo: Saraiva, 2015, p. 1.144.

[8] BARROSO, Luís Roberto. Curso de direito constitucional contemporâneo: os conceitos fundamentais e a construção do novo modelo. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2015, p. 213.

[9] LENZA, Pedro. Direito constitucional esquematizado. 19. ed. São Paulo: Saraiva, 2015, p. 1.142 a 1.145.

[10] DIÓGENES JÚNIOR, José Eliaci Nogueira. Gerações ou dimensões dos direitos fundamentais? Disponível em: <http://www.ambitojuridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=11750>. Acesso em: nov. 2016.


Autor

  • Felipe Aires Coelho Araújo Dias

    Sócio do escritório Aires & Levy Machado Advogados Associados. Membro do Instituto Brasileiro de Direito Constitucional - IBDC. Membro da Comissão de Assuntos Constitucionais da Ordem dos Advogados do Brasil - Seção do Distrito Federal. Pós-graduado em Direito Constitucional pelo Instituto Brasiliense de Direito Público. Graduado em Direito pelo Centro Universitário de Brasília.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso