Em época de férias, as viagens começam a ser planejadas, e é essencial que os motoristas tenham consciência dos seus direitos e deveres enquanto cidadãos nas estradas do país.

Em época de férias, as viagens começam a ser planejadas, e é essencial que os motoristas tenham consciência dos seus direitos e deveres enquanto cidadãos nas estradas do país.

O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) estabeleceu deveres a serem cumpridos pelos motoristas, dentro dos parâmetros de segurança que devem existir no trânsito, mas, além disso, o documento também oferece direitos.

Basicamente, o único dever a ser cumprido pelo motorista é transitar pelas vias sem oferecer riscos ou obstáculos a sua própria segurança ou à dos demais, e também à natureza.

Com relação aos direitos, dentre as diversas garantias concedidas, uma delas é a de poder usufruir de vias públicas seguras, devidamente sinalizadas.

Esse direito se estende à possibilidade de sugerir alterações no código de trânsito ou melhorias em aspectos de sinalização, fiscalização e segurança.

Quem se responsabiliza por manter a vigência desses direitos é o Estado, que, em sua competência, tem o dever de assegurar que estes sejam garantidos ao cidadão.

Considerando que a inobservância de algum dos direitos oferecidos ao motorista pode resultar em eventos indesejados, como a ocorrência de infrações, acidentes ou possíveis danos ao veículo, vale salientar a possibilidade de o motorista lesado recorrer ao que a legislação assegura.

Nas estradas, o motorista deve tomar precauções para evitar que situações negativas venham a ocorrer. Isso significa fazer uma boa revisão no veículo antes de iniciar viagem, de forma a diminuir as chances de problemas gerados pelo carro.

Porém, outros aspectos estão envolvidos, como condições climáticas, estado de conservação da via etc.

Pagamento do pedágio

Você já pensou sobre o destino do dinheiro que todos os motoristas desembolsam ao passarem por um pedágio?

Pois bem, essa é uma relação de consumo, em que o motorista é consumidor do serviço prestado por uma concessionária.

Na teoria, todo o dinheiro deveria ser revertido em melhorias às estradas. No geral, isso envolve preservação e adequada sinalização às vias, uma vez que se torna mais custoso evitar os acidentes com as estradas em condições precárias.

É por esse motivo também que o motorista tem direito de exigir alterações no sentido da fiscalização e segurança, quando julgar necessário. Nada mais justo, tendo em vista a relação de consumo existente.

Infelizmente, nem sempre a prestação desses serviços se dá de maneira a impedir que algum dano seja gerado.

Por isso, é importante que você conheça alguns direitos que possui e talvez não saiba ou não entenda bem como funcionam.

O artigo 22 do Código de Defesa do Consumidor assegura a responsabilidade de as concessionárias, mesmo as privadas, oferecerem serviços eficientes, adequados, seguros e contínuos, no caso dos serviços essenciais.

Isso significa que, na ocorrência de um dano com o veículo por conta de condições da estrada ou animais soltos na pista, por exemplo, cabe, ao consumidor, solicitar o ressarcimento pelo prejuízo.

A Constituição Federal assegura a prática de cobrança pela manutenção e sinalização das rodovias. Por isso, não efetuar o pagamento é infração prevista no artigo 209 do CTB.

Sobre a administração

A falta do fornecimento de estrutura adequada e condições de segurança por parte do Poder Público inviabiliza o exercício dos deveres por parte dos motoristas.

Nesse caso, há um acordo firmado entre o Poder Público e uma concessionária, a qual passará a ser responsável, em substituição ao primeiro, pelo ressarcimento de danos e prejuízos, assim como por garantir condições aos motoristas que trafegarem pelas rodovias pedagiadas.

Todo o dever sobre condições adequadas de tráfego, anteriormente era designado ao Estado. Atualmente, porém, o gerenciamento de infraestrutura e operações de vias terrestres é transferido à responsabilidade de entidades públicas, privadas ou autorizadas à concessão.

Em tempos passados, considerando a pouca quantidade de pessoas que possuíam um veículo, o Estado ainda se mostrava capaz de cobrir essas necessidades, que, atualmente, ocorrem com mais frequência.

Tendo em vista o aumento considerável de veículos no país e a necessidade de concentrar esforços na prestação dos serviços essenciais, bem como garantir um serviço mais ágil e eficiente, percebeu-se a necessidade de repassar, ao setor privado, a competência sobre determinados serviços.

Conheça alguns dos direitos garantidos ao motorista e saiba como solicitá-los quando necessário.

Primeiramente, vale ressaltar que mesmo que a ocorrência se dê em uma parte da via anterior ao pedágio, os direitos são válidos da mesma forma, ou seja, compreendem toda a estrada em que a concessionária é responsável.

Além disso, é indispensável que você tenha, em mãos, o comprovante do pagamento do pedágio, para que seja possível comprovar a circulação do automóvel em determinado dia e hora.

Caso você não possa comprovar, há o risco de a concessionária se negar a ressarcir o prejuízo. Por isso, uma medida é registrar o ocorrido com fotos e não se esquecer de registrar ocorrência na Polícia Rodoviária Federal.

Primeiros socorros – hospital e guincho

Na ocorrência de um acidente, a concessionária é responsável por conduzir os envolvidos ao hospital mais próximo.

Também é de sua competência fornecer auxílio mecânico, remoção do veículo se necessário e um telefone de emergência.

Manutenção

A concessionária, sendo responsável pela manutenção da via, deve solucionar qualquer problema ocasionado pela presença de buracos, animais ou objetos soltos.

O seu direito à remoção do veículo é garantido, mas caso você não deseje aguardar e opte por solicitar um guincho de outra empresa que não seja credenciada pela concessionária, é possível, mediante comprovação e recibos dos pedágios pagos, enviar a conta à empresa concessionada.

Para isso, talvez, seja preciso entrar com um pedido judicial, mas portando as devidas provas as chances de ser ressarcido são grandes.

Sinalização adequada

Quando a causa do acidente for decorrente da ausência de sinalização adequada, a administração é responsável pela reparação de dano moral e material ao motorista lesado pela situação.

A sinalização compreende a existência de obras em andamento, as quais devem estar devidamente apontadas com antecedência.

Essa indicação é competência da administração da concessionária atribuída à prestação de tais serviços.

Você já conhecia seus direitos? Deixe seu comentário!


Autor


Informações sobre o texto

Em época de férias, as viagens começam a ser planejadas, e é essencial que os motoristas tenham consciência dos seus direitos e deveres enquanto cidadãos nas estradas do país.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria