O trabalho de filosofia tem como proposito interpretar os elementos simbólicos do livro VII - Republica Platão, parte: Alegoria da Caverna, escrito pelo filosofo Platão, com o conhecimento humano.

O Mito da Caverna é mais uma alegoria do que propriamente um mito, através desta metáfora é possível conhecer uma importante teoria platônica: como, através do conhecimento, é possível captar a existência do mundo sensível: conhecido através dos sentidos e do mundo inteligível: conhecido somente através da razão, com o conhecimento humano.

O texto, é o mais conhecido escrito por Platão, é considerado uma das mais importantes alegorias da historia da Filosofia, mostra a realidade da vida nos dias atuais, aonde Platão escreve que os prisioneiros que estão na caverna, que eram acorrentados desde o nascimento, de modo que olhem somente para uma parede iluminada por uma fogueira, eram ignorantes, pois preferiam continuar na caverna, a sair para que pudessem ter conhecimento. Assim somos nós, a maioria das pessoas preferem pensar somente no que está disposto a ser pensando, só quer ver aquilo que as deixam ver, não se despondo sair da sua rotina, achando mais fácil viver na ignorância do que ter o trabalho de fazer uma mudança radical. Platão cria ainda um dialogo a onde faz nós imaginar que um dos prisioneiros fosse forçado a sair da caverna para poder explorar o mundo externo, ao sair da caverna e entrar em contato com o mundo real ficaria encantado com os seres de verdade, com a natureza, com os objetos, com os animais, entre outras diversas coisas, e então poderiam voltar para a caverna tendo a oportunidade de passar todo conhecimento adquirido no mundo real para os demais prisioneiros, no entanto com certeza ele seria ridicularizado, pelo fato deles serem ignorantes ao ponto de acreditar que só existe aquilo que eles veem dentro da caverna, e não acreditariam em nada que o tal prisioneiro liberto falassem, pelo contrario iriam chama-lo de louco, espancariam o, debochando e até ameaçando-o de morte se ele não parasse de falar.

Os elementos simbólicos é um elemento essencial no processo de comunicação, desempenham papel importante na vida imaginativa, encontrando-se difundido pelo quotidiano e pelas mais variadas vertentes do saber humano. Embora existam símbolos que são reconhecidos internacionalmente, outros só são compreendidos dentro de um determinado grupo ou contexto, religiosocultural, etc. No texto Platão utiliza elementos simbólicos como o sol, a caverna, o fogo, as estatuetas, o mundo real, a luz, mundo exterior, onde podemos fazer comparação com o nosso conhecimento humano, com as nossas experiencias, com a nossa realidade.

2 DESENVOLVIMENTO

Um muro bem alto separa o mundo externo, que era o mundo das ideias verdadeiras, ou da verdadeira realidade, e uma caverna, a caverna pode ser considerada o mundo ao nosso redor, fisico, sensivel em que as imagens prevalecem sobre os conceitos, formando em nós opiniões por vezes errôneas e equivocadas, nessa caverna existe uma fresta por onde passa um feixe de luz exterior, a luz da verdade, no interior da caverna permanecem seres humanos, acorrentados desde do seu nascimento, que são os prisioneiros, que somos nós, a maioria da humanidade, pois vivemos acorrentados, numa rotina, aonde não apreendemos a raciocinar por nós mesmo, a pensar no que temos vontade, preferindo apenas a ver oque às pessoas de mais poder nós mostram, fica de costas para a entrada, sem poder mover-se, forçados a olhar somente a parede do fundo da caverna, onde são projetadas sombras de outros homens que, representam pessoas, animais, plantas, e obejtos, mostrando cenas e situações do dia a dia, além do muro, mantêm acesa uma fogueira, pelas paredes da caverna também ecoam os sons que vêm de fora, de modo que os prisioneiros, associando-os, com certa razão, às sombras, pensam serem eles as falas das mesmas, desde modo, os prisioneiros julgam que essas sombras sejam a realidade, e entao um prisioneiro sai da caverna, julgamos então que seja este um filósofo ou uma pessoa com mais conhecimento, uma pessoa aberta para novos questionamentos, para novas concepções e aprendizado, ao se liberta da caverna, e ter a oportunidade de conhecer o mundo real se depara com a luz do sol, que o tirar totalmente sua visão,isto representa o esclarecimento da verdade, a ideia suprema de bem, o ex-prisioneiro chega a conclusão que passou toda sua vida analisando e julgando apenas imagens projetadas por estatuetas, que para eles representavam pessoas, animais, plantas e objetos, se vendo totalmente liberto da caverna, começa a apreender então a raciocinar sozinho, a pensar por si próprio, porém ao lembrar do seus antigos colegas que ainda estavam na caverna, decide, apesar dos seus novos conhecimento e descoberta, descer a caverna novamente, a descida é a vontade ou a obrigação moral que o homem esclarecido tem de ajudar os seus semelhantes a saírem do mundo da ignorância e do mal para construírem um mundo mais justo, com sabedoria, ao descer a caverna, e encontrar seus antigos colegas, o ex-prisioneiro, tenta demonstrar o mundo real, falando das suas experiências, do seu novo conhecimento, para que eles pudessem tem a mesma chance que ele e saírem da escuridão, da caverna, no entanto os prisioneiro não acreditam em nada que o colega diga, ameaçando de morte, chamando de louco, seus colegas só conseguem acreditar na realidade que enxergam ou melhor que querem enxergam.

Platão mostra em sua alegoria que um homem pode viver em um mundo de sombras, ou seja, em um mundo de ignorância, ilusão, podendo talvez atingir a luz do sol, o esclarecimento, a sabedoria, a verdade. O conceito, ou seja, o conhecimento é definido a partir de Sócrates.

3 CONCLUSÃO

A Alegoria da Caverna mostra o mundo real, pois a caverna nada mais é do que o mundo em que a humanidade vive, as sombras são as ideias impostas como únicas, o prisioneiro que se liberta é a pessoa mais esclarecida ou até mesmo um filósofo, que se depara com a luz do sol, com a realidade, são elementos simbólicos do nosso cotidiano. Infelizmente a maioria da humanidade é influenciada em seus hábitos, atos, gostos, e em outras diversas coisas, criando pessoas sem personalidade e ignorantes.

Quando começamos a descobrir a verdade, temos dificuldade para entender e apanhar o real, e para isso precisamos nos esforçar, estudar, apreender, ter força de vontade para saber. Devermos então parar de enxergamos e acreditamos apenas em imagens criadas pela cultura, conceitos, e informações que recebemos durante a vida, o texto nos convida a sair da caverna para ver a realidade e deixarmos de ser ignorantes.

Portanto a alegoria da caverna é um modo de Platão contar imageticamente através de elementos simbólicos o que conceitualmente os homens teriam dificuldade para entenderem, fazendo assim os elementos simbólicos de plena importância ao texto, pois símbolos é imagem, é pensamento.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso