Breve ensaio sobre o processo de ensino-aprendizagem, no afã de conscientizar os alunos sobre a importância da dialética nesse processo

EM-SINA

A rigor, ninguém ensina nada a ninguém. O aprendizado é uma via de mão dupla. E o professor, mesmo o melhor deles, é apenas um facilitador, não um mágico que irá abrir sua cabeça a machadadas e colocar o conhecimento ali dentro (sem matar o aluno no processo). O professor te oportuniza o contato com o conhecimento. Ele marca o encontro. É preciso que você vá. Assim, você pode ter o melhor professor do mundo, mas, se você não tiver predisposição para aprender, se você não quiser realmente aprender, ele pode plantar bananeira e fazer mil outras firulas que tornem a aula mais agradável e, mesmo assim, você não irá aprender. O aprendizado é como uma ponte de duas folhas. Baixe a sua metade. Senão, mesmo que o professor baixe o lado de lá da margem, nenhum conhecimento transitará sobre uma ponte pela metade, ou, na melhor das hipóteses, muito pouco chegará até você.

Ir para a aula, sem atentar para o assunto, é fazer nada. Ir para a aula, atentar para o assunto e não estudar em casa o mesmo número de horas de cada aula assistida é fazer apenas metade. O assunto é difícil?! Se um só outro ser humano entendeu certo assunto (ainda que seja o próprio teorizador daquele mesmo assunto), o fato de você dizer que o assunto é difícil não apenas não resolve o problema, como faz de você mesmo, e não do assunto, o obstáculo para o aprendizado. E não é lá uma atitude construtiva, nem mesmo racional, olhar para um problema e dizer que ele é difícil, esperando que isso baste para que, como num passe de mágica, a solução caia do céu. Se um único outro alguém aprendeu, se houver uma única exceção, já basta, já prova que você também pode aprender, não importa quanto tempo demore. Você é um ser humano tão capaz quanto qualquer outro: pode, deve e vai chegar lá... se quiser.

E é uma verdade inconteste que aprendemos com mais facilidade tudo aquilo a que atribuímos valor. Assim, pela lógica, se você der valor a todo e qualquer conhecimento, tornará mais propício o aprendizado de todos eles, quer sejam tidos como difíceis, ou não. No mínimo, isso eu posso prometer, tornará mais agradável o caminho a ser palmilhado até alcançar o conhecimento a que se almeja. É bem verdade que fixamos o conhecimento com a repetição, seja em que área for da vida: um esportista, por exemplo, aprimora seus movimentos através do treino e da repetição, até que os movimentos se tornem automáticos, fluidos, até que ele não precise mais pensar para fazê-los, e ele (o movimento) simplesmente aconteça – ágil, preciso e decisivo. Assim também é com o conhecimento intelectual: repetição e treino, sempre. Isso me lembra uma fala de ‘Tyrion’, o anão, da obra ‘Guerra de Tronos’, que diria: ‘...uma mente necessita de livros da mesma forma que uma espada necessita de uma pedra de amolar se quisermos que se mantenha afiada (...) é por isso que leio tanto...’

Assim, em minhas aulas, vou sempre falar muito, vou sempre fazê-los ler muito, vou sempre ditar muito e fazê-los escrever muito, a despeito do choro e das lamúrias de alguns. Não, não é um fazer agradável (do ponto de vista do aluno), mas com resultados certos para quem se submeta a eles: o aprendizado a que se almeja. E, como professor, é nos resultados que centro meus esforços e nunca em agradar a meus alunos. Educar quase sempre guarda o caminho oposto ao de causar impressão de agrado. Já nos asseverava Aristóteles, muito tempo antes, que “as raízes da árvore do conhecimento são amargas, mas seus frutos são doces.” E eu completaria: não colherá fruto doce algum no amanhã, aquele que não se concentrar em plantar raízes amargas no agora. Quanto a mim, eu só forneço as sementes e ensino a plantar da melhor forma que posso. E, acreditando, como acredito, que o homem seja um ser do conhecimento, crendo ainda que isto seja um direito fundamental (e, portanto, indisponível), vou continuar fazendo assim, a despeito mesmo do eventual querer contrário de alguns pupilos.

Dizem que ser professor é ser pai de muitos. E um pai empurra ‘goela abaixo’ o medicamento, sob os protestos e o choro do filho, ciente de que lhe fará bem. É que o pai, assim como o professor, foca a cura futura e duradoura que o medicamento possibilita; ao passo que o filho, como o aluno, só enxerga o amargor temporário e imediato do medicamento.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria