Em 16 de março, foi divulgada, pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran), a resolução 726/2018, que tornava obrigatória a realização e a aprovação de um novo curso e de uma prova teórica para renovar a CNH.

Em 16 de março, foi divulgada, pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran), a resolução 726/2018, que tornava obrigatória a realização e a aprovação de um novo curso e de uma prova teórica para renovar a CNH.

A resolução tornava uma tarefa simples em algo mais demorado, causando insatisfação na população brasileira. O assunto polêmico foi massivamente comentado nas redes sociais.

Porém, o Contran revogou oficialmente a resolução no dia 20 de março. O Ministro das Cidades, Alexandre Baldy, determinou a revogação da resolução, de mais de 200 páginas, no último dia 17.

Como seria essa resolução?

Conforme divulgado no Diário Oficial da União, a resolução entraria em vigor no dia 5 de junho. Nela, constam mudanças para o motorista, como a exigência de fazer duas balizas, para conseguir a primeira CNH, além da exigência de um exame nas ruas para CNH categoria A, que é para motos.

Para quem iria fazer a renovação da CNH, as novas regras apresentavam a mudança sobre a exigência de um curso teórico de 10 horas/aula, com máximo de 5 horas de aula por dia.

O curso poderia ser feito a distância ou presencialmente, sendo que o curso a distância deveria ser concluído em 5 dias.

Após a realização do curso, seria necessária a realização de uma prova teórica, presencial, contendo mais de 30 questões de múltipla escolha.

Para o motorista ser aprovado, ele teria que ter 100% de frequência no curso e 70% de acertos na prova teórica, além do exame médico que já existe e continuará sendo exigido.

Além disso, a resolução também apresenta a regulamentação do processo de habilitação para motoristas de veículos elétricos e automotores, cursos de formação, atualização, especializados, preventivos, reciclagem e outros.

O que iria acontecer com motoristas reprovados?

Caso o motorista fosse reprovado, ele poderia realizar um novo exame 5 dias após o resultado. Se houvesse uma segunda reprovação, ele deveria realizar todo o curso novamente.

Somente motoristas que realizam atividade remunerada com veículos, como carga e passageiros, estariam dispensados do curso. No entanto, deveriam fazer outro curso específico, com validade de 5 anos.

De acordo com o Denatran, essa mudança era necessária, pois a realização do curso iria  “atualizar as informações e conhecimentos sobre as legislações de trânsito” dos motoristas.

Apesar de algumas decisões positivas, já que buscam melhorar a educação dos motoristas, a resolução foi bastante criticada pela falta de transparência e pelo prazo muito curto (90 dias) para entrar em vigor.

Por que a decisão foi revogada?

A resolução foi revogada pelo Ministro das Cidades, Alexandre Baldy, que encaminhou a decisão ao diretor do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e para o Presidente do Contran, Maurício Alves.

Logo após a publicação da resolução, o assunto repercutiu nas redes sociais e na sociedade em geral, muito por conta da burocracia que o processo de renovação da CNH iria exigir.

Segundo a nota divulgada pelo ministério das Cidades, “a diretriz da atual gestão da Pasta tem por objetivo implementar ações e legislações que atendem às expectativas da população, no sentido de simplificar a rotina e levar conforto e praticidade ao dia a dia”.

O motivo da revogação, além da repercussão negativa, foi para reduzir custos e não afetar tão drasticamente a rotina dos motoristas, já que o curso de aperfeiçoamento implicaria em ainda mais burocracia para o cidadão, além dos custos adicionais decorrentes.

Além disso, vários políticos, como vereadores, deputados e senadores, manifestaram publicamente suas preocupações com as medidas que seriam colocadas em prática.

Como será o processo de renovação da CNH agora?

Enquanto uma nova resolução ainda não foi divulgada, o processo de renovação da CNH continua o mesmo. É importante lembrar que existem alguns requisitos para que a CNH esteja de acordo com a legislação.

Conforme já estabelecido pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB), a renovação da carteira de habilitação deve ser feita a cada 5 anos, com um prazo de 30 dias para realizar o processo, após o vencimento da carteira.

Caso o condutor não realize a renovação, está previsto, no Art. 162 do CTB, a infração.

Art. 162. Paragrafo V: Dirigir veículo com a validade da carteira nacional de habilitação vencida há mais de trinta dias: Infração – Gravíssima, com penalidade de multa.

Para quem já está com mais de 65 anos de idade, a renovação deve ser feita a cada 3 anos. O agendamento da renovação pode ser feito online. Para isso, basta procurar o site do Detran do seu estado.

Serão realizados os exames de aptidão física e mental, nos quais o médico perito observa possíveis problemas no estado do condutor. Além disso, são feitos exames oftalmológicos, cardiorrespiratórios e neurológicos.

Também é exigido um exame toxicológico para motoristas das categorias C, D e E, já que são condutores profissionais.

Para você as mudanças seriam negativas ou positivas? Qual é a sua opinião em relação à legislação atual para a renovação da CNH?


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso