O presente artigo busca elucidar pontos acerca da competência para a propositura de ação de produção antecipada da prova, defendendo a assunção de natureza absoluta da competência territorial em determinadas situações.

Como é sabido, o Novo Código de Processo Civil, em seu arcabouço normativo, promoveu grande reformulação no instituto da produção antecipada de prova, desvinculando-o do requisito da urgência e retirando-lhe a acessoriedade a uma necessária demanda judicial principal, balizas que regiam a antecipação da prova na vigência do CPC/73. 

A partir dessas alterações, pode-se afirmar que foi consagrado com o novo diploma processual um direito autônomo à prova, do qual a parte pode se valer até mesmo para evitar um litígio. Ou seja, a ação de produção antecipada da prova “se esgota na produção da prova - tão somente”[1], já que não objetiva que o magistrado reconheça os fatos provados, nem que este certifique situações jurídicas em decorrência dos fatos provados.

Porém, como instituto relativamente novo, pelo menos nos atuais moldes, surgem alguns pontos controversos a respeito de sua correta compreensão. Dentro de tais pontos, surge a questão da competência para a ação de produção antecipada da prova e suas peculiaridades.

O Código de Processo Civil, ao tratar do procedimento de produção antecipada da prova, assim dispôs:

Art. 381.  A produção antecipada da prova será admitida nos casos em que:

I    - haja fundado receio de que venha a tornar-se impossível ou muito difícil a verificação de certos fatos na pendência da ação;

II   - a prova a ser produzida seja suscetível de viabilizar a autocomposição ou outro meio adequado de solução de conflito;

III  - o prévio conhecimento dos fatos possa justificar ou evitar o ajuizamento de ação.

(...)

§2º. A produção antecipada da prova é da competência do juízo do foro onde esta deva ser produzida ou do foro de domicílio do réu.

§3º. A produção antecipada da prova não previne a competência do juízo para a ação que venha a ser proposta.

§4º. O juízo estadual tem competência para a produção antecipada de prova requerida em face da União, de entidade autárquica ou de empresa pública federal se, na localidade, não houver vara federal. 

Quanto à não prevenção da competência do juízo para a ação que eventualmente venha a ser proposta, não se verifica muita controvérsia, à medida que a regra vazada no §3º do dispositivo acima colacionado trata-se de positivação do entendimento jurisprudencial consagrado na Súmula 263 do extinto Tribunal Federal de Recursos.

Concernentemente ao foro competente para o ajuizamento da ação, da análise dos trechos destacados do dispositivo colacionado, infere-se que a competência para o processamento da produção antecipada da prova incumbe ao juízo do foro onde deva ser produzida ou do foro de domicílio do réu.

De fato, o diploma processual não traz qualquer regra explícita sobre subsidiariedade entre os foros nos quais é possível o ajuizamento da ação de produção antecipada da prova. Com efeito, embora da análise da sistemática adotada pelo Código de Processo Civil retire-se que a competência territorial é relativa, constituindo exemplo clássico desta modalidade de competência, há exceções a tal regra, conforme, por exemplo, o próprio art. 47, §§ 1º e 2º, do CPC, dispositivos que atribuem competência territorial absoluta ao foro de situação da coisa para ações sobre direito real imobiliário que versem sobre propriedade, vizinhança, servidão, divisão e demarcação de terras, nunciação de obra nova e possessórias sobre imóveis

Considerando, ainda, que o procedimento de produção antecipada da prova não previne a competência do juízo para futura ação a ser proposta, a competência incumbida ao foro onde deva ser produzida a prova, pelo menos para as provas em que se faz necessário o exame ​in loco​, assume a natureza de competência absoluta, justamente por ser a intenção do legislador processual, ao que parece, promover a economia processual, de modo que sejam evitados atos dispendiosos ao processar-se a demanda em local distinto daquele em que, obrigatoriamente, tenha que ser produzida a prova, dando-se, assim, ênfase ao postulado da eficiência.

Ademais, como indício de que o foro do local onde deva ser produzida a prova possui, senão natureza absoluta, pelo menos prevalência sobre o foro de domicílio do réu é o disposto no § 4º do art. 381 do Código de Processo Civil, o qual determina que é ao juízo estadual a quem compete a produção antecipada de prova, mesmo que postulada em face da União, de entidade autárquica ou empresa pública federal, nas localidades em que não haja Vara Federal.

Inobstante exista o direito de escolha do foro, tal escolha deve ser realizada na estrita observância dos princípios de competência, eficiência e da boa-fé processual, não havendo sentido em se propor, por exemplo, ação de produção antecipada de prova pericial sobre imóvel em foro distinto daquele do local em que se situa o bem (onde a prova será produzida); Depreende-se, portanto, que o foro de domicílio do réu deve ser tido como foro excepcional, subsidiário ao do local em que se situa o imóvel nas ações de produção antecipada da prova que visam à realização de prova pericial imobiliária[2].


[1] DIDIER JR., Fredie; BRAGA, Paula Sarno; OLIVEIRA, Rafael Alexandria, Curso de Direito Processual Civil: teoria da prova, direito probatório, ações probatórias, decisão, precedente, coisa julgada e antecipação dos efeitos da tutela. 11 - ed. - Salvador: Ed. Jus Podivm, 2016, p. 141.

[2] Nesse sentido, posicionam-se DIDIER JR., Fredie; BRAGA, Paula Sarno; OLIVEIRA, Rafael Alexandria, Curso de Direito Processual Civil: teoria da prova, direito probatório, ações probatórias, decisão, precedente, coisa julgada e antecipação dos efeitos da tutela. 11 - ed. - Salvador: Ed. Jus Podivm, 2016, pp. 146-147.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria