O Código de Defesa do Consumidor diminui os abusos praticados contra os consumidores sendo a garantia do produto ou serviço uma das formas de proteção.

O Código de Defesa do Consumidor foi criado em 1990 com objetivo de diminuir os abusos praticados contra os consumidores, criando proteções para a parte mais vulnerável. Uma dessas proteções estabelecidas é a garantia do produto ou serviço.

O Código prevê que identificado o vício do produto ou serviço o consumidor poderá pleitear a reparação e deverá exercer o seu direito de reclamar a garantia dentro de 30 dias se o produto/serviço for durável ou 90 dias se o produto /serviço for não durável.

Importante esclarecer que considera vício do produto toda falha que torne o produto ou serviço impróprio ou inadequado ao consumo, já os serviços são viciados quando se apresentarem inadequados para os fins que deles se esperam ou não atendem às normas regulamentares[1].

A Fundação ProCon de São Paulo[2] considera produto não duráveis “aqueles que se esgotam ao primeiro uso ou em pouco tempo após a aquisição, ou seja, aqueles são naturalmente destruídos na sua utilização” e produto duráveis aqueles que “não são necessariamente destruídos pelo consumo. O que pode ocorrer é o desgaste natural com a sua utilização, portanto, caracterizam-se por ter vida útil não passageira”.

Os prazos acima mencionados iniciam-se a partir do recebimento do produto (vício aparente). Entretanto, muitas vezes, o vício é considerado oculto, ou seja, apenas se manifesta a partir da utilização ou fruição do produto[3], nestes casos a contagem do prazo se inicia não do recebimento, mas sim do momento em que se identifica o vício.

Os prazos de 30 dias para produtos/serviços não duráveis e de 90 dias para produtos/serviços duráveis tratam da garantia legal e não da contratual. Assim, havendo garantia convencional (prevista em contrato) os prazos acima mencionados (30 e 90 dias) só se iniciarão após o término da garantia fornecida contratualmente (garantia contratual + garantia legal).

Identificado o vício e feita a reclamação ao fornecedor, este terá o direito de repará-lo no prazo máximo de 30 dias, caso o vício não seja corrigido o consumidor poderá optar pela substituição total ou parte do produto, restituição imediata da quantia paga (corrigida monetariamente) ou o abatimento proporcional do preço. No caso de serviço, o consumidor poderá exigir a reexecução dos serviços, sem custo adicional e quando cabível, a restituição imediata da quantia paga (corrida e prejuízo de perdas e danos) ou o abatimento proporcional do preço.

Feita a reclamação e efetuada a manutenção o produto ou serviço deve ter nova garantia de mais 30 ou 90 dias a depender de ser produto durável ou não durável.

Importante atentar que o artigo 26 do CDC admite suspender o prazo para exercício do direito de ação por vícios do produto com a reclamação do consumidor perante o fornecedor até que haja uma resposta negativa efetiva por parte do fornecedor ou a manutenção do produto ou serviço.


Referências:

GIANCOLI. Brunno Pandori. Direito do Consumidor: difusos e coletivos / brunno Pandori Giancoli, marco Antonio Araujo Junior – 4. Ed ver. e ampl. – São Paulo: Editora revista dos Tribunais 2013 – (Coleção elementos do direito) v. 16/coordenação Marco Antonio Araujo jr. Darlan Barroso).

SOUZA. Luiz Antonio, 12/ Luiz Antonio Souza. Victor Frederico Kumpel; coordenação geral Fabio Vieira Figueiredo, Fernando F Castellani, Marcelo Tadeu Cometti 1. Interesses coletivos (Direito) 2. Interesses Difusos (Direito). São Paulo Saraiva 2009 (Coleção OAB Nacional).

THEODORO JUNIOR. Humberto, 1938 – Direitos do consumidor: a busca de um ponto de equilíbrio entre as garantias do Código de Defesa do Consumidor e os princípios gerais do direito civil e do direito processual civil / Humberto Theodoro Junior – Rio de Janeiro: Forense, 2011.

Site ProCon São Paulo acessado em 20/08/2017 <http://www.procon.sp.gov.br/dpe_respostas.asp?id=3&resposta=9>


Notas

[1] GIANCOLI. Brunno Pandori. Direito do Consumidor: difusos e coletivos

[2] http://www.procon.sp.gov.br/dpe_respostas.asp?id=3&resposta=9

[3] GIANCOLI. Brunno Pandori. Direito do Consumidor: difusos e coletivos


Autor

  • Bernardo & Neves

    O Escritório Bernardo & Neves foi constituído com o objetivo de reunir experiências e o conhecimento acumulado por suas fundadoras, voltado ao atendimento ágil e personalizado de seus clientes.

    Esperamos que os serviços oferecidos por nosso Escritório venha a atender satisfatoriamente à demanda existente dos clientes a procura de profissionais especializados e qualificados no Direito Trabalhista, em especial, no atendimento dos problemas que desafiam o cotidiano, bem como eficazes na pronta produção de sugestões práticas e criativas para a solução dos litígios. São prestados os serviços de consultoria (judicial e administrativa) na área preventiva ou contenciosa, nas matérias relacionadas ao Direito do Trabalho (empresas e trabalhador).

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria