Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Artigo

DO DIREITO A COMPENSAÇÃO DOS DÉBITOS RELATIVOS AO RECOLHIMENTO MENSAL POR ESTIMATIVA DO IRPJ E DA CSLL APURADOS COM BASE NO LUCRO REAL

O Governo Federal, mediante uma manobra legislativa, introduziu no PLC 52/2018 - Lei nº 13.670/2018, que trata da reoneração da folha de pagamento de alguns setores, alteração nas regras de uso de créditos fiscais para pagamento de tributos

O Governo Federal, mediante uma manobra legislativa, introduziu no PLC 52/2018 - Lei nº 13.670/2018, que trata da reoneração da folha de pagamento de alguns setores, alteração nas regras de uso de créditos fiscais para pagamento de tributos.

É o caso dos créditos fiscais acumulados pelos contribuintes, que são utilizados na compensação de débitos relativos às estimativas mensais do Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), quando apurados com base no lucro real.

Na prática, embora o IRPJ e a CSLL, tributadas com base no regime do lucro real, devem ser apurados trimestralmente, poderá o contribuinte optar pelo recolhimento mensal sobre uma base estimada, situação em que promoverá o ajuste anual no final do exercício, sendo que, caso o montante recolhido seja superior ao lucro real, haverá saldo negativo, constituindo crédito para o contribuinte, podendo utilizar no exercício seguinte.

Desta forma, até então, havendo saldo negativo, este poderia ser objeto de compensação nos termos do art. 6º, §1º, inciso II e art. 74 da Lei 9.430/96.

Contudo, a citada manobra legislativa, por força do art. 6º da Lei 13.670/2018, que alterou o art. 74 da Lei 9.430/96, impediu, nesses casos, de ser realizado a compensação dos débitos relativos ao recolhimento mensal por estimativa do IRPJ e da CSLL, no decorrer do ano de 2018.

Assim, o Governo Federal, por meio da alteração citada, viola o princípio da segurança jurídica e a boa-fé objetiva do contribuinte, a medida que muda a metodologia de arrecadação que perdurava, por força de lei, até o final do ano, nos casos em que os contribuintes optaram, de forma irretratável, pela referida sistemática até o final do exercício de 2018.

De regra, a alteração citada, ocasionará as empresas enquadradas nesta sistemática, da impossibilidade de continuar realizando o pagamento do IRPJ e CSLL mediante a compensação com créditos decorrentes dos exercícios anteriores, até o final do exercício de 2018, nos termos da legislação anterior à manobra legislativa (art. 6º da Lei 13.670/2018) introduzida pelo Governo Federal, devendo, os contribuintes, desembolsarem do seu caixa para pagamento destes tributos, afetando, diretamente, no planejamento tributário e financeiro dos contribuintes.

Neste sentido, em tese, entendemos que as empresas podem requerer, judicialmente, quando for o caso, a manutenção do direito de continuar realizando o pagamento do IRPJ e da CSLL, mediante a compensação com os créditos decorrentes dos exercícios anteriores, quando houver, pela empresa, a opção por esta sistemática de forma irretratável, para todo o ano de 2018.

Página 1 de 1
Assuntos relacionados
Sobre o autor
Imagem do autor Luciano Daniel da Veiga
Luciano Daniel da Veiga

Advogado especialista em Direito Tributário, inscrito na OAB/SC sob nº 20.772, atuante na área do Direito Tributário.

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!