Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Segundo estatísticas realizadas pelo Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), no ano de 2012 foram 7.592 mil casos de abuso sexual notificados contra crianças e 9.919 mil contra adolescentes, sendo a maioria desses abusos cometidos [...]

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

 

Fabiana Regina Correia da SILVA¹

Indianara ANDUJAR²

Maria Eugênia BERTOLDI³

 

 

Pode-se ver diariamente nos noticiários sensacionalistas, veiculações jornalísticas de violência contra crianças e adolescentes, essas notícias, costumam chocar a sociedade e causam comoção generalizada. Segundo estatísticas realizadas pelo Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), no ano de 2012 foram 7.592 mil casos de abuso sexual notificados contra crianças e 9.919 mil contra adolescentes, sendo a maioria desses abusos cometidos no âmbito familiar. O vitupério contra crianças e adolescentes possui muitos fatores, os quais vão além dos abusos físicos, entre eles, pode-se citar a negligência, caracterizada quando há omissão por parte dos pais ou responsáveis ao deixarem de prover o necessário para o desenvolvimento da criança, seja esse desmazelo físico, emocional ou social. Outro fator que deve-se levar em consideração é o psicológico, quando existe privação, punições as quais sejam vexatórias, cobranças de forma excessivas, demonstração de repúdio e até mesmo forçar a criança e ou adolescente ao apelo de suprir as necessidades dos adultos. Por fim, o fator sexual, o qual se assinala com alguma ação de influência de um adulto sobre a criança à estímulos ou práticas sexuais com ou sem contato físico. Deve-se ficar atento aos sinais emitidos por quem é abusado, por exemplo, agressividade, amadurecimento sexual precoce, tentativa de suicídio, fobias, culpa ou vergonha, todavia é importante um acompanhamento psicológico para comprovação de que os sinais são realmente possíveis efeitos de violência consumada. Segundo o Artigo 5º do ECA (Lei Federal 8.069/90), dispõe: "Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado por ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais". No entanto, para que seja efetivo o conteúdo desta norma, é necessário auxílio coletivo, agindo ativamente no combate de toda e qualquer violência, as denúncias podem ser feitas no Conselho Tutelar, Defensoria Pública, Delegacia da Infância e Juventude, Secretaria Municipal da Saúde, Promotoria da Infância e Juventude e também podem ser realizadas pelo disk denúncia do Governo do Estado do Paraná, 181. Conscientização social é o principal fator no combate a violência contra crianças e adolescentes, sendo necessário colocar em prática a quebra do silêncio, efetivando a redução dessa barbárie.

 

 

Palavras-chave: Violência. Criança. Adolescente. Psicologia Jurídica. Lei Federal 8.069/90.

 

Referências Bibliográficas:

 

Estatuto da Criança e do Adolescente, disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8069Compilado.htm, acesso em 10 de outubro de 2015.

 

Tabulação de Dados - SINAN, disponível em http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/, acesso em 03 de outubro de 2015.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sobre as autoras
Imagem do autor Fabiana Regina Correia da Silva
Fabiana Regina Correia da Silva

Sócia Diretora na empresa Eufix Sistemas Ltda - ME, gestora, idealizadora e criadora do projeto [email protected] (Sistema de Apoio a Atividade Física e Nutricional), discente no curso de Direito das Faculdades Integradas Santa Cruz - 8º Período.

Indianara Andujar

Licenciada em História e professora da rede pública do Estado do Paraná.

Maria Eugênia Bertoldi

Doutoranda Msc professora das Faculdades Santa Cruz. [email protected]

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!