Se alimento é poder, e parece difícil dizer o contrário, o Brasil precisa tomar consciência cada vez mais de seu poderio, seja para proteger internamente a atividade produtiva primária, seja para, ao empoderar-se a partir dela, fazer prevalecer sua força .

Por não acreditar na própria força, o homem pode, não poucas vezes, se tornar escravo. Esta máxima, facilmente comprovada nas relações interpessoais, também é possível de ser verificada nas relações entre países.

Estados detentores de grandes potenciais de recursos hídricos, de produção mineral, farmacológicos, etc., mesmo podendo muito, acabam conseguindo pouco para si e para o seu povo nas tratativas comerciais internacionais, justamente por ignorarem a força quedispõem a partir destes ambientes.

Existem outros bens que, por sua relevância e imprescindibilidade à vida, dão muito mais poder do que se imagina aos países que são capazes de produzi-lo com abundância e que, no entanto, parecem pouco considerados neste aspecto.

Tal é o caso da alimentação.

Um país que pode gozar do privilégio de dispor de terras agricultáveis e clima favorável para produzir alimentos com suficiência para organizar sempre e continuadamente seu abastecimento interno e com excedentes para exportar, se apresenta como um Estado forte.

Com efeito, muito mais do que a força das armas, a força do alimento é algo indescritível, já que um exército dele privado é vencido pela própria fome dispensando inimigo maior para derrotá-lo.

Sobre o poder do alimento para, até mesmo, fazer nascer e crescer um povo, Jacob escreveu[1]: Um povo nasce e cresce numa relação direta com a fertilidade da terra em que vive. Se essa fertilidade se esgota, desaparece o povo, por muito que os seus bens espirituais possam persistir, deslocando-se para outras paragens.

Sendo inquestionavelmente poderoso, não é de estranhar que o alimento e, consequentemente, sua produção, tenha merecido tanta atenção do constituinte moderno, a ponto de reservar grande espaço na Constituição vigente para tratar daquilo que, direta ou indiretamente, está ligado à correta e bem equilibrada exploração do imóvel rural.

Quem lê a Constituição Federal com olhos mais atentos vai notar que está no âmbito da competência da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios fomentar a produção agropecuária[2].

Já escrevemos em outro momento que “é notável o fato de a agricultura como atividade econômica gozar do privilégio de ter espaço reservado, sem igual, na Constituição Federal.”[3]

A própria política para o setor, denominada de Política Agrícola, tem, no art. 187 da Carta Federal, o preceito maior para o estabelecimento de suas diretrizes infraconstitucionais, tendo em conta que a tal Política é o conjunto de ações e instrumentos previstos em Lei especial, no caso, a Lei 8.171/91, que são postos ao alcance do Estado para apoiar o desenvolvimento do setor.

Além de ser uma atividade que vai interferir diretamente na estabilidade social e econômica do País, o que está suficientemente comprovado em sua história, a agropecuária, ou o agronegócio, é capaz de atingir também, e de forma positiva, a própria soberania nacional, visto que um País que tem um potencial de produzir alimentos não é capaz somente de se dizer soberano, como também de efetivamente sê-lo.

Se alimento é poder, e parece difícil dizer o contrário, o Brasil precisa tomar consciência cada vez mais de seu poderio, seja para proteger internamente a atividade produtiva primária, seja para, ao empoderar-se a partir dela, fazer prevalecer sua força externamente para o benefício da Nação.


Notas

[1] Jacob, Heinrich Eduard. SEIS MIL ANOS DE PÃO – Nova Alexandria – 2003, p. 430

[2] Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios:

VIII - fomentar a produção agropecuária e organizar o abastecimento alimentar;

[3] Pereira, Lutero de Paiva. AGRICULTURA UMA QUESTÃO DE ESTADO – Juruá 4ª ed. P. 25


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso