Análise sobre a validade das assinaturas eletrônicas diante da Leis Vigentes e sobre a executividade desse título executivo criado eletronicamente.

A nova era digital e a necessidade quanto aos avanços tecnológicos deram surgimento a MP 2.200-2/2001 que foi a primeira iniciativa governamental tendente a regulamentar o documento eletrônico no Brasil. 

A medida provisóriaestabeleceem seu art. 1°a criação da infraestrutura de chaves públicas brasileira - ICP-Brasil, garantindo a autenticidade, integridade e validade jurídicaa documentos em forma eletrônicaque utilizem certificados digitais. As assinaturas digitais identificam os agentes que estãosubscrevendo por meio de um sistema criptográficoassimétricoe dão autoria a um documento eletrônico. As declaraçõesconstantes nesses documentos presumem-se verdadeiras em relaçãoaosseussignatários,indodeencontroaoqueprevêo CC com relaçãoaoscontratos.

Nesse sentido prevêo x1°do art. 10 da MP no. 2.200-2/2001:

"§ 1o  As declaraçõesconstantesdosdocumentosemforma eletrônicaproduzidoscomautilizaçãodeprocessodecertificaçãodisponibilizadopelaICP-Brasilpresumem-severdadeirosemrelaçãoaossignatários,naformado art. 131 da Lei no 3.071, de 1o de janeiro de 1916 - CódigoCivil."

Apesar do referido parágrafo mencionar o CC de 1916 nada éalteradoumavezqueoart. 219 do CC de 2002 repete ipsis litteriso texto do art. 131. 

Importante notar o Art. 8°e o z2°do art. 10: 

"Art. 8o Observados os critériosaseremestabelecidospeloComitêGestordaICP-Brasil,poderãosercredenciadoscomoACeARosórgãos e as entidades públicoseaspessoasjurídicasdedireitoprivado."

"Art. 10. ()

§ 2o  O disposto nesta Medida Provisórianãoobstaautilizaçãodeoutromeiodecomprovaçãodaautoriaeintegridadededocumentosemformaeletrônica,inclusiveosqueutilizemcertificadosnãoemitidospelaICP-Brasil,desdequeadmitidopelaspartescomoválidoouaceitopelapessoaaquemforopostoodocumento."

A MP adotou o modelo misto, admitindo a assinatura digital oriunda de certificadoras privadas (mediante delegaçãodopoderpúblico) e públicas e, ainda, admitiu a certificaçãobaseadaemcertificados não governamentais, ampliando e facilitando relaçõescomerciaisinclusive internacionais, uma vez que jáexistemdiversasempresasquefazemcertificaçãodigitaleutilizamtecnologiaspróprias.

Diferentemente do Sistema misto implantado pela referida normatização, a OBA/SP apresentou um anteprojeto no qual estabelece que a presunção de veracidade da certificação digital privada é oriunda das certificações dos tabeliões. Veremos: 

"Art. 14. Considera-se original o documento eletrônico assinado pelo seu autor mediante sistema criptográfico de chave pública. 

Art. 24. Os serviços prestados por entidades certificadoras privadas são de caráter comercial, essencialmente privados e não se confundem em seus efeitos com a atividade de certificação eletrônica por tabelião, prevista no Capítulo II deste Título.

Art. 25. O tabelião certificará a autenticidade de chaves públicas entregues pessoalmente pelo seu titular, devidamente identificado; o pedido de certificação será efetuado pelo requerente em ficha própria, em papel, por ele subscrita, onde constarão dados suficientes para identificação da chave pública, a ser arquivada em cartório."

"Justificativa item 19. Dividiu-se, assim, a atividade de certificação, em dois grupos distintos, com eficácias diferentes: as certidões eletrônicas por entidades privadas, de caráter comercial, essencialmente privado; e as certidões eletrônicas por tabeliães, de caráter publico, e que geram presunção de autenticidade do documento ou da assinatura eletrônica.

"Justificativa item 20. Com essa disciplina distinta, se legitima a atuação das entidades privadas de certificação, importantes, mas que não têm fé pública, restringida esta aos tabeliães."

Dessa forma, como apresentado pelo anteprojeto, existiram dois grupos sendo que a presunção de veracidade seria somente da certificadora pública, sendo a certificadora privada subsidiária e sem fé publica. O anteprojeto nesse ponto vai contra ao sistema misto criado pela MP, limitando as relações comerciais e especialmente aquelas de cunho internacional nas quais diversas empresas privadas de altíssima tecnologia já atuam para conciliar assinaturas, manter a veracidade das partes envolvidas e segurança de seu conteúdo. No tocante a esse ponto acredito que a MP está muito mais atualizada e visando avançar com o desenvolvimento comercial eletrônico.

O objetivo desse artigo não é criticar o anteprojeto uma vez que o único ponto que considero inadequado para a realidade social é o mencionado acima. No demais o anteprojeto é muito bem elaborado tecnicamente, moderno e traz inúmeras regulamentações não abrangidas na MP, como a autorização da mediação dos conflitos eletrônicos por intermédio de arbitragem (art. 51), mecanismo esse que foge das tradicionais análises judiciarias e permite que profissionais técnicos, especialistas em determinados assuntos sejam aptos a solucionar, mediar e conciliar conflitos reais ou futuros. Mecanismos já muito utilizados em grandes companhias. 

Mas, avançando na análise das certificações eletrônicas, outro ponto de fundamental importância é com relação a executividade desse título criado muitas vezes sem a assinatura de testemunhas.

Estabelece o art. 784, III do CPC:

"São títulos executivos extrajudiciais: 

(…)

III - o documento particular assinado pelo devedor e por 2 (duas) testemunhas;"

A jurisprudência criada pelo recurso especial n°1.495.920-DF, tendo como relator o Ministro Paulo de Tarso Sanseverino, diminuiu os questionamentos sobre a eficácia do título criado eletronicamente sem assinatura de testemunhas e definiu que, excepcionalmente, levando em consideração o avanço tecnológico e a nova realidade comercial, "a assinatura digital de contrato eletrônico tem a vocação de certificar, através de terceiro desinteressado (autoridade certificadora), que determinado usuário de certa assinatura a utilizará e, assim, está efetivamente a firmar o documento eletrônico e a garantir serem os mesmos dados do documento assinado que estão a ser sigilosamente enviados”. O relator continua a afirmar que “em face destes novos instrumentos de verificação de autenticidade e presencialidade do contratante, possível o reconhecimento da executividade dos contratos eletrônicos".

Com base nessa retórica, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) deu provimento a recurso para determinar o prosseguimento de uma execução oriunda de contrato com assinatura digital uma vez que este prescinde a necessidade de assinatura de testemunhas como prescreve o CPC. Como mencionou o próprio relator, nenhuma legislação esta permeável à realidade vigente em virtude dos avanços tecnológicos.

Com tudo isso, me parece que estamos avançando bastante com relação aos antigos métodos oriundos da era pré-digital. Muitos tribunais ainda estavam decidindo de forma contrária e a decisão veio para sedimentar a comparação dos contratos digitais com os físicos para fins de cobrança. No meu ver, a decisão foi ainda além, conferindo as autoridades certificadoras um grau de confiança superior aos dos cartórios oficiais uma vez que o contrato físico mesmo com reconhecimento cartorial, só se torna título executivo com assinatura de duas testemunhas e isso ainda será ponto para muito debate entre os juristas. 

PRISCILA MONTEIRO

OAB N°276125 – Advogada do escritório Farah, Mansur & Sampaio Advogados Associados 

Bibliografia:

BRASIL. Lei n°11.419, de 19 de Dezembro de 2016. Dispõe sobre a informatização do Processo Judicial; altera a Lei n°5.869, de 11 de Janeiro de 1973 – Código de Processo Civil; e dá outras providências.

BRASIL. Medida Provisória n°2.200-2, de 24 de Agosto de 2001. Institui a Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil, transforma o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação em autarquia, e dá outras providências.

BRASIL. Recurso Especial n°n°1.495.920-DF da Terceira Turma do STJ, tendo como relator o Ministro Paulo de Tarso Sanseverino.

Armani, Wagner José Penereiro, Artigo Assinatura Digital em Contratos

PARENTONI, Leonardo Netto, Artigo A regulamentação legal do documento eletrônico no Brasil – jus.com.br


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso