O problema do assédio moral só será resolvido, ou ao menos controlado, se ao invés de se restringir aos divãs dos psicanalistas, passar a ser debatido abertamente por todos os setores educacionais e universitários e, reprimido por disposições legais, de fato, eficazes.

No nosso ‘microuniverso’ jurídico, o assédio moral tomou corpo a partir do início deste novo milênio, especificamente em 2001, com a tese de mestrado de uma médica do trabalho apresentada na PUC-SP um ano antes, intitulada "Violência, Saúde e Trabalho – Uma Jornada de Humilhações". Ao mesmo tempo, na Europa se lançava a obra "Le harcèlement moral, la violence perverse au quotidien"; da psiquiatra e pesquisadora francesa Marie-France Hirigoyen. Na ocasião, o que a médica brasileira convencionou chamar de “jornada de humilhações”, a pesquisadora francesa apresentava, do outro lado do oceano, como “assédio moral”. E desta mesma época também vieram os primeiros “lampejos legislativos” definindo taxativamente o que seria e como se configuraria essa “jocosa conduta”, bem como também disciplinando a sua repressão e punição.

No mesmo ano de 2001, as duas pesquisadoras estabeleceram contato e a Dra. Marie-France veio ao Brasil para, juntas, organizarem exitosamente o “I Seminário Internacional sobre Assédio Moral”, na sede do Sindicato dos Químicos de São Paulo; sendo que a partir de então se enraizou de vez nas discussões e estudos acadêmicos do nosso país, e também no nosso meio forense, o assédio moral como saliente instituto jurídico.  

 De lá em diante, muito já se falou e discutiu nas últimas décadas a respeito das condições físicas do trabalhador e do ambiente de trabalho, sendo que nesse interregno, se verificou a sua ocorrência (e disseminação) nos cenários / ambientes de trabalho mais improváveis, como, por exemplo, nos ambientes escolares e acadêmicos e tendo como vítimas, até mesmo os professores.

E isso não nos é exclusivo, uma vez que existem relatos vindos de países representantes do chamado “primeiro mundo” (exemplos da Suécia, Noruega, Japão, França, entre outros), o que agregado ao que vem ocorrendo em algumas das nossas instituições de ensino, transcende até mesmo a criminalização desse tipo de conduta e nos remete à “ética e à moral”, discutidas filosoficamente desde a época de Aristóteles.

Como já é notório, podemos exemplificar o assédio moral, num sentido figurado, na transformação do saudável e prazeroso hábito de ir ao trabalho, nos riscos de se entrar numa jaula com um animal selvagem!

Numa definição mais técnica, temos o assédio moral como aquela espécie de "terrorismo psicológico" em que o patrão ou superior hierárquico almeja, em grande parte das vezes, que o empregado se demita, e para tanto, se valendo da criação de um ambiente de trabalho hostil e humilhante, e assim, a desencadear, acelerar ou agravar qualquer espécie de risco no desempenho da atividade laboral e que venha a ocasionar patologias físicas, oligofrênicas ou meramente funcionais.

Agora só imaginem quando esses destemperos, essa dantesca violência ocorre num ambiente escolar e tendo como protagonista um(a) coordenador(a) ou um(a) diretor(a) de determinada instituição, vitimando justamente os sagazes professores responsáveis pela instrução das nossas crianças e na formação de futuros cidadãos dos quais “desde logo” não se espera deles esse tipo de comportamento aviltante e asqueroso, no futuro que os aguarda.

E são muitos os jocosos métodos utilizados por esses chefes e/ou superiores hierárquicos ranzinzas, muitas vezes como suporte de um recalcado sentimento de ciúme, inveja, ou até mesmo como contrabalança de um complexo de inferioridade ou espécie de auto-reconhecimento da própria incompetência, originando aquela velha síndrome do "medo de perder o lugar para o subordinado". Enquanto uns, mais narcisistas, preferem apaziguar seus desgostos pessoais criando um clima de terror pautado pelo desprezo, perseguições, humilhações, boatos e ofensas pessoais e todo tipo de provocações; ‘outros’, mais ardilosos, pelejam contra seus "medos interiores" arquitetando tarefas extravagantes e irrealizáveis (como por exemplo, fazendo um professor corrigir provas que não são da sua disciplina ou até mesmo o absurdo de ter que ficar grampeando folhas fora do seu horário de trabalho), impondo prazos exíguos e impossíveis de serem cumpridos, semeando a discórdia entre colegas de trabalho, falando asneiras e proferindo ameaças em grupos de WhatsApp, sonegando informações ou ainda desmerecendo publicamente os notórios atributos técnico-profissionais do indefeso subalterno, no qual projetam suas próprias fraquezas e deficiências, e dessa forma, inspirando a premissa de que "os que podem, podem. Os que não podem, tiranizam"! 

 Assim agindo, e se referindo especificamente aos ambientes escolares, vão além do que bombardear a auto-estima do professor, e aí reside a gravidade do problema, que em não raras vezes já culminou em suicídio! Quando não chegam a tanto, os divãs dos psicanalistas nem sempre se mostram suficientes e são necessárias massudas doses de tranqüilizantes e antidepressivos, além da demissão voluntária que é quase sempre festejada pelo tirano superior hierárquico – muito embora alguns prefiram manter o subalterno ali, ao seu alcance para continuarem oprimindo e se sentirem “aquilo que definitivamente, não são”! Enfim, qualquer que seja o método utilizado, além do aspecto moral, a saúde mental do professor restará ultrajada, e por logica consequência, também prejudicada a instrução dos alunos e a formação dos futuros profissionais, que se anseia que não sigam futuramente, esse malfadado exemplo comportamental nas suas respectivas carreiras profissionais.

Diante do exposto, e vislumbrando-se esses novos “tentáculos” dessa mazela, anseia-se por medidas ainda mais contundentes do que as que já foram implantadas e que venham a coibir com invulgar tenacidade, todo o tipo de ação, gesto ou palavra que atinja, "de qualquer forma", a autoestima, o bem-estar e a segurança dos nossos respeitados educadores, fazendo-os duvidar de si mesmos e de suas preciosas competência.

Certo é que o problema existe, e é grave! Cresce vertiginosamente em nível global e vem sim, se disseminando nas escolas e universidades, e só será resolvido, ou ao menos controlado, se ao invés de se restringir aos divãs dos psicanalistas, passar a ser debatido abertamente por todos os setores educacionais e universitários, e reprimido por disposições legais, de fato, eficazes.

Entretanto, são cada vez mais competitivas as vagas de trabalho entre os profissionais da área, e em alguns casos, torna-se até mesmo compreensível que o medo e o silêncio venham a se tornar, de certa forma, cúmplices da opressão. Ocorre que, diante de um chefe déspota e intragável e que não respeita nem mesmo as crianças e os adolescentes que são os destinatários finais do equilíbrio e da serenidade que deve ter um professor motivado e satisfeito com o seu trabalho... diante de um(a) coordenador(a) ou diretor(a) absorvido em fantasias de poder ilimitado e incapaz de perceber suas próprias contradições interiores, cedo ou tarde se findará a relação de trabalho, e o único modo de cessar essa verdadeira 'guerra invisível' sem ficar desempregado, é combatendo o inimigo de frente!

E apesar do desamparo legal que “ainda” reina no nosso país, aqueles que padecem dessa verdadeira "crucificação profissional" não se encontram, em todo, desguarnecidos. Dentre outros dispositivos legais tais como o artigo 927 do novo Código Civil (artigo 159 do código anterior), que prescreve a obrigação de reparação a qualquer dano ou eventual prejuízo, temos ainda à disposição, a invocação de princípios basilares do Direito do Trabalho, como os da norma mais favorável e o da condição mais benéfica ao trabalhador, e não obstante, a própria Constituição Federal, quando declara como sendo invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurando o direito á indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação (artigo 5º, incisos V e X).

Fluindo-se por essa vertente, não devem os que padecem de tamanha violência psicológica, acumpliciarem o medo e o silêncio a caprichos maquiavélicos de quem não tem confiança em si próprio. Guardem cópias de todas as cartas, memorandos, avisos informais, bilhetinhos e e-mail's, façam um diário detalhado a respeito do comportamento do(a) tirano(a) e dos infortúnios ocasionados, anotem datas, horários e testemunhas presenciais, gravem telefonemas e mensagens (principalmente fora da jornada de trabalho), reclamem do assédio moral ao escalão superior (se bem que em alguns casos é justamente o(a) tirano(a) que recebe o apoio de cima), busquem, se for o caso, auxílio psicológico (porque tudo o que foi aqui estampado “realmente” arrebenta com o nosso patrimônio moral), não desconsiderem tornar público o caso (inclusive na imprensa e externando aos colegas e pais de alunos) e... procurem um advogado! Enfim, não tenham medo de defender e lutarem pelos seus interesses e principalmente seus direitos, porque é despertando neles (os alunos) a mesma irresignação diante da incontestável violência sofrida, e também polinizando a coragem e inflamando o entusiasmo por causas justas, que os estimados alunos de vocês, jamais os esquecerão! De qualquer forma, e parafraseando-se o argucioso Walt Disney... "Não deixem, jamais, que os seus medos tomem o lugar dos seus sonhos".



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0