A legitima defesa, de acordo com o código penal brasileiro, ocorre quando a pessoa, em defesa própria ou de terceiros, utiliza-se moderadamente dos meios necessários para repelir uma injusta agressão.

Nenhum direito é absoluto, incluindo-se o direito à vida. Colocando-se na balança, somente a vida teria peso suficiente para justificar a violação de outra vida.  

Nesse sentido, pode-se dizer que ninguém é obrigado a abrir mão da própria vida para que outra sobreviva. Há situações em que a vida pode ser eliminada para garantir a continuidade de outra vida, é o que ocorre, por exemplo, em casos de legitima defesa. 

A legitima defesa, de acordo com o código penal brasileiro, ocorre quando a pessoa, em defesa própria ou de terceiros, utiliza-se moderadamente dos meios necessários para repelir uma injusta agressão. 

Para que se exista legitima defesa, a agressão deve ser, necessariamente, proveniente de ato humano, caso contrário, restará caracterizado outra excludente de ilicitude (estado de necessidade). 

Vejam-se a literalidade de Código Penal: 

Art. 25 - Entende-se em legítima defesa quem, usando moderadamente dos meios necessários, repele injusta agressão, atual ou iminente, a direito seu ou de outrem. 

Eventuais lesões Corporais ou até mesmo a morte do agressor, não se caracteriza como crime, tendo em vista que a legitima defesa é excludente de ilicitude, ou seja, extingue-se o caráter ilícito da conduta do agente. 

Observe-se, novamente, a literalidade no Código Penal: 

Art. 23 – Não há crime quando o agente pratica o fato 

I – em estado de necessidade; 

II  em legítima defesa; 

III – em estrito cumprimento de dever legal ou no exercício regular de direito  

Parágrafo único - O agente, em qualquer das hipóteses deste artigo, responderá pelo excesso doloso ou culposo. 

Observe-se que, o parágrafo único do artigo supracitado, não isenta de responsabilidade o agente por qualquer excesso praticado durante a reação em legitima defesa. 

Caracteriza-se o excesso, quando se extrapola o necessário para defesa do bem jurídico em ameaça, a vida ou a integridade física do agente. É importante lembrar que, o intuído da legitima defesa é cessar uma injusta agressão e não, necessariamente, matar ou lesionar gravemente o agressor. Isso pode até ocorrer, porém deve-se observar proporcionalidade no caso concreto. 

No tocante a classificação da legitima defesa, essa se divide em duas: legitima defesa real e legitima defesa putativa. 

A legitima defesa putativa, ocorre quando há um equívoco do autor sobre a realidade dos fatos, a pessoa imagina está diante de uma injusta agressão, atual ou eminente, e reage em legitima defesa, no entanto, as circunstancias, tratam-se de uma falsa percepção do agente com o que realmente está acontecendo. 

Exemplo: O policial que em meio a troca de tiros confunde a pessoa que carrega consigo uma furadeira, com o meliante que dispara contra a guarnição 

A legitima defesa real, por sua vez, é a legitima defesa por excelência, ou seja, a percepção das circunstancias pelo agente, corresponde de fato a realidade. Neste caso não há nenhum equívoco. 

Contudo, é importante destaca que a legitima defesa a pesar de esta positivada no Código Penal brasileiro, não é um favor do estado, mas sim um direito natural do homem de preservar a própria vida.  



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso