Partindo de uma visão constitucional, o presente trabalho tem por objetivo analisar os prejuízos sofridos pela defesa nos casos em que há descumprimento dos requisitos para o oferecimento da denúncia no processo penal.

INTRODUÇÃO

Neste estudo, visa-se a expor os requisitos essenciais e dispensáveis da denúncia, oferecida pelo Ministério Público no âmbito do processo penal, a fim de investigar os prejuízos decorrentes do seu descumprimento para a defesa, sob a ótica acusatória, prevista na Constituição Federal de 1988.


DESENVOLVIMENTO

Como consabido, a inicial acusatória, em atendimento ao disposto no artigo 41 do Código de Processo Penal, deverá conter a “exposição do fato criminoso, com todas as suas circunstâncias, a qualificação do acusado ou esclarecimentos pelos quais se possa identificá-lo, a classificação do crime e, quando necessário, o rol das testemunhas”.

Além desses requisitos, a doutrina indica a necessidade de outros, tais como: “endereçamento da peça acusatória, sua redação em vernáculo, a citação das razões de convicção ou presunção da delinquência, assim como a subscrição da peça pelo Ministério Público ou pelo advogado do querelante, sem olvidar da procuração com poderes especiais, e do recolhimento de custas, no caso de queixa-crime”[1].

Fato é que o julgador criminal, na sua atividade típica, sujeita-se à imprescindível análise de existência desses requisitos, de sorte que a falta de um requisito essencial já se mostra suficiente para o reconhecimento da inépcia formal da peça acusatória.

A conclusão pela essencialidade ou não do requisito, de logo se diga, não se encontra no âmbito da discricionariedade do magistrado, razão pela qual a falta de exposição do fato criminoso, individualização do acusado e redação da peça em português torna a denúncia ou queixa-crime completamente maculada, em tal nível que não se admitirá outro caminho senão o da rejeição da inicial acusatória[2].

Nesse ínterim, não é incomum que a acusação se olvide de observar os requisitos mínimos para o oferecimento de uma denúncia, imputando a alguém a prática de um delito em total desacordo com o que dispõe o artigo 41 do Código de Processo Penal. É dizer: por algum lapso, pode o Ministério Público, durante o exercício da sua atividade persecutória, diante do extenso volume de atribuições funcionais que lhe incumbe, deixar de cumprir, com o rigor necessário, alguns dos requisitos.

De qualquer forma, saliente-se, não pode o cidadão suportar esse ônus. Por isso mesmo, ao contrário do que pregam alguns membros integrantes do Ministério Público em suas manifestações, o cumprimento dos requisitos – ao menos dos essenciais – constitui uma moeda de duas faces: de um lado, representa um dever para a acusação; de outro, um direito do acusado em vê-los integralmente cumpridos.

Mostra-se inarredável, portanto, que da denúncia se possa extrair o conjunto dos seguintes elementos basilares: a) descrição de um fato; b) qualificação jurídico-penal desse fato; e c) atribuição desse fato ao acusado[3].

Nos casos de evidente negligência por parte da acusação, a jurisprudência, sobretudo do Superior Tribunal de Justiça, é uníssona no sentido de reconhecer a inépcia formal da denúncia, conforme se observa do aresto a seguir transcrito:

PROCESSUAL PENAL. RECURSO ORDINÁRIO EM HABEAS CORPUS. HOMICÍDIO DUPLAMENTE QUALIFICADO. INÉPCIA DA DENÚNCIA EVIDENCIADA. DESCRIÇÃO DOS FATOS DE FORMA A NÃO VIABILIZAR O PLENO EXERCÍCIO DO DIREITO DE DEFESA. PREJUDICADO O EXAME DAS DEMAIS ALEGAÇÕES. RECURSO PROVIDO.

1. É inepta a denúncia que não expõe de forma clara os fatos tidos como delituosos, inclusive indicando o local do delito, de maneira a permitir a perfeita compreensão da acusação e a articulação defensiva.

2.   Recurso provido, em que pese o parecer ministerial em contrário.

(STJ, RHC 21537/SE: RECURSO EM HABEAS CORPUS, Rel. Min. Napoleão Maia Nunes Filho, DJ-e: 20/04/2008).

Com lastro na legislação processual penal, nas lições doutrinárias e na jurisprudência pretoriana, portanto, observa-se que o descumprimento do artigo 41 do Código de Processo Penal – e aqui, frise-se, é irrelevante averiguar a razão ensejadora de tal descumprimento – exige que o magistrado exerça um controle, de ofício ou por provocação, sobre a regularidade da pretensão acusatória, reconhecendo a inépcia da inicial acusatória.

A despeito da possibilidade de reconhecimento da inépcia após o recebimento da denúncia, deve-se registar que um novo juízo de saneamento prestigia higidez processual, as garantias processuais e a economia do processo penal, haja vista que dar continuidade a uma ação penal natimorta, sem qualquer amparo probatório e jurídico, configura constrangimento ilegal e viola o direito à ampla defesa e ao contraditório.

Por isso, nada melhor para a preservação de um processo penal acusatório, em consonância com a sistemática constitucional, do que um juízo de prelibação, mesmo que a posteriori, ou seja, após o recebimento da denúncia e o oferecimento de resposta à acusação pela defesa técnica.

Em tais casos, destarte, não há que se falar em preclusão lógica ou preclusão pro judicato, porquanto adotar tal posicionamento implica, necessariamente, a deflagração de um processo penal eivado de vícios, nulo, em manifesto prejuízo à defesa.

Ademais, os princípios do contraditório e da ampla defesa não podem se situar apenas no plano teórico, sendo indispensável que se lhes confira um caráter pragmático, apto a convencer o magistrado, sob pena de cerceamento do direito de defesa.

Bem por isso, com arrimo na Lei n. 11.719/2008, que introduziu ao Código de Processo Penal, especificamente nos artigos 396 e 396-A, a obrigatoriedade de citação do acusado para responder à acusação, “tornou-se perfeitamente factível que o Juiz reveja a decisão pela qual recebeu a denúncia, para rejeitá-la em seguida, quando sua convicção é modificada por algum elemento trazido pela defesa em sua resposta escrita” (TRF-1ª Região, RSE 0014895-66.2008.4.01.3800, 3ª Turma, Rel. Des. Fed. Tourinho Neto, unânime, e-DJF1 de 28/02/2011, p. 64).


CONCLUSÃO

Apoiando-se na argumentação deduzida, lastreada na legislação, na doutrina e na jurisprudência, nota-se que a impossibilidade de se verificar da denúncia (i) a descrição de um fato; (ii) qualificação jurídico-penal desse fato; e (iii) atribuição desse fato ao acusado, enseja a inépcia da inicial acusatória, por descumprimento ao disposto no artigo 41 do Código de Processo Penal, hipótese que deve ser reconhecida, de ofício ou por provocação, pelo Juízo perante o qual se processa a ação penal.


REFERÊNCIAS

LIMA. Renato Brasileiro de. Manual de Processo Penal: volume único.  5. ed. rev., ampl. e atual. Salvador: Ed. JusPodivm, 2017.


Notas

[1] LIMA. Renato Brasileiro de. Manual de Processo Penal: volume único.  5. ed. rev., ampl. e atual. Salvador: Ed. JusPodivm, 2017, p. 290.

[2] Idem. Ibidem.

[3] Idem. Ibidem, p. 293.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso