Trata-se de quadro esquemático acerca dos Alimentos no Direito de Família, com intuito de facilitar o estudo deste instituto de maneira prática e objetiva.


Conceito: Prestação para a satisfação das necessidades básicas de quem não possui condições de prover por conta a própria a sua sobrevivência.

(*incluindo alimentação, habitação, vestuário, tratamento médico, educação, etc. …)


FUNDAMENTO DA OBRIGAÇÃO DE PRESTAR ALIMENTOS:

Art. 1º, III da CRFB/88: Princípio da dignidade da pessoa humana.

Art. 229 da CRFB/88: Reciprocidade

Lei 5.478/68: Lei de alimentos


IMPORTANTE:

*Súmula nº 358 STJ “O cancelamento de pensão alimentícia de filho que atingiu a maioridade está sujeito à decisão judicial, mediante contraditório, ainda que nos próprios autos. ”

Ou seja, a obrigação alimentar não se extingue de forma automática, sendo necessário o alimentante ingressar com uma ação de exoneração de alimentos.

Deixar de pagar pensão sem que exista decisão judicial ou acordo expresso, ensejará a possibilidade de o alimentando executar as parcelas não pagas.

*Enunciado 344 CJF IV “A obrigação alimentar originada do poder familiar, especialmente para atender às necessidades educacionais, pode não cessar com a maioridade. ”

A obrigação de prestar alimentos pode ultrapassar os 18 anos de idade, comumente para atender necessidades educacionais.

*Tendência dos Juízes em manter o pagamento de alimentos até os 24 anos, se o filho estiver cursando o ensino superior/ ou técnico.

* Bolsa estágio pode diminuir as necessidades dos alimentandos, podendo gerar a minoração do quantum debeatur.


PRESSUPOSTOS PARA O DEVER DE PRESTAR ALIMENTOS (art. 1.694 e 1695).

  1. Vínculo de parentesco, casamento ou existência de União Estável.
  2. Necessidade
  3. Possibilidade

(Binômio + Proporcionalidade)

Os alimentos devem ser prestados sempre sob 30% do valor do salário do alimentante. NÃO SE APLICA!!!!


CLASSIFICAÇÃO

  • Naturais

Básicos para a sobrevivência, responsáveis por prover a alimentação, a saúde, o transporte a educação, etc.

  • Civis

Relacionada à manutenção da condição social durante o casamento ou união estável, a exemplo.

  • Provisórios

Fixados em conformidade com o art. 4º da lei 5.478/68

  • Provisionais

Arbitrados em ações diferentes das ações constantes na lei 5.478/68

  • Transitórios

Possui tempo certo de duração.

  • Compensatórios

Objetivo de corrigir ou atenuar um grave desequilíbrio financeiro, que surge após a separação.

  • Definitivos

Que tenham o mérito já resolvido.

  • Gravídicos

Disposto na lei 11.804/08 – Automaticamente convertidos em pensão alimentícia com o nascimento com vida.


CARACTERÍSTICAS

  • Caráter personalíssimo
  • Caráter irrepetível
  • Irrenunciável
  • Impenhorável (art. 1.707 CC)

CULPA EM SEDE DE ALIMENTOS

EC nº 66/2010 – A culpa deixou de ser referência para o conhecimento do divórcio, bem como no âmbito da fixação da guarda de filhos.

Aplica-se o mesmo entendimento para a fixação de alimentos, que por sua vez, deverá ser feita com amparo na necessidade vs possibilidade de maneira razoável/proporcional.


PRISÃO DO DEVEDOR DE ALIMENTOS

É a única forma de prisão civil admitida em nosso ordenamento.

Somente aplicada para alimentos legais, não cabendo a prisão para alimentos voluntários, nem para alimentos indenizatórios.

A prisão só pode ser ordenada em fade das três últimas parcelas em atraso, e as vencidas no curso do processo.

STJ - SÚMULA 309 - O débito alimentar que autoriza a prisão civil do alimentante é o que compreende as três prestações anteriores à citação e as que vencerem no curso do processo.


EXTINÇÃO DA OBRIGAÇÃO DE ALIMENTOS

  • Morte do credor
  • Alteração do binômio (necessidade vs possibilidade)

Majoração, minoração ou exoneração

  • Maior idade

Extinção não é automática

Filho estudando: até 24 anos (cursando ensino superior ou técnico)

Bolsa estágio pode diminuir a necessidade com possível minoração dos alimentos

  • Novo casamento ou União Estável

Art. 1.708 CC

*Art. 1.709 CC

  • Indignidade do credor

Art. 1.708 CC, § único.


Biografia utilizada:Gagliano, Pablo Stolze - Novo curso de direito civil, volume 6: direito de família: as famílias em perspectiva constitucional / Pablo Stolze Gagliano, Rodolfo Pamplona Filho - 4. ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2014.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0