Na perspectiva de que os problemas do acesso à justiça e razoável de duração do processo podem ser consideravelmente reduzidos, tem-se a aplicação da tutela de evidência como um grande avanço, apesar de ainda desconhecida pelos aplicadores do Direito.

Visando o aprimoramento do chamado Estado Democrático de Direito, o aparelho processual passa por evidentes mudanças, buscando, sobretudo, alcançar o ideal de um processo justo, tempestivo, adequado e efetivo.

Com a constante mutação social, o Direito, que não é uma ciência exata, encontra-se sempre em movimento e o Novo Código de Processo Civil, que tenta acompanhar tais alterações, trouxe em seu texto um novo conceito de tutelas provisionais, unificando os procedimentos cautelares e de tutela antecipada em tutela de urgência e de evidência, simplificando o processo. Tais mudanças são abordadas no presente ensaio de maneira didática, buscando discorrer acerca de cada particularidade, seja ela conceitual, seja ela processual em cada procedimento, apontando o que já existia no Código de Processo Civil de 1973 e o que é inovação.

Embora efetivamente só esteja tipificado no ordenamento jurídico no CPC de 2015, o instituto da tutela de evidência há muito vinha sendo discutido na doutrina pátria. Ou seja, ainda que não houvesse legislação específica, existiam dispositivos no CPC de 1973 que caracterizavam - se como sendo da tutela de evidência.

Diferentemente do que ocorre com as tutelas de urgência, a tutela de evidência é pura em sua essência e abarca requisitos próprios, não se podendo, portanto, confundi-las.

A tutela de evidência tem em seu cerne os princípios norteadores para o novo direito processual que vem surgindo e é com base nesses princípios que o direito se desenvolve na busca da verdade, evidência do direito e da justiça em sua essência. 

Em suma, pode-se afirmar que a tutela de evidência surgiu como alternativa para dinamizar o processo civil brasileiro, uma vez verificada a presença de direito líquido e certo, desobstruindo o judiciário, acarretando a celeridade processual.

Entende-se por tutela de evidência o instrumento que tem como finalidade uma prestação jurisdicional mais eficaz que aparece no texto maior da Constituição de 1988, como garantia fundamental, para o acesso pleno à justiça, por intermédio dos institutos do habeas corpus, do habeas data, entre outros, na proteção do direito líquido e certo (CF, art. 5º, LVIII, LXIX).

Todavia, ainda que a Carta Magna pincele meios de acesso jurisdicional pleno, seu texto não foi taxativo ao elencar as referidas garantias constitucionais, cabendo ao aplicador do direito o dever de expandir o texto constitucional ao cidadão, enquanto direito individual núcleo intangível da constituição brasileira.

A tutela de evidência reflete a comprovação das afirmações da parte dentro do processo. Nesse sentido, tal instituto não exige o perigo de dano ou o dano ao resultado do processo, como ocorre na tutela de urgência. A parte demonstrará apenas a existência da plausibilidade/probabilidade do direito alegado. Sendo assim, a tutela de evidência será apenas de caráter satisfativo.

Nas tutelas da evidência, basicamente o que se precisa demonstrar ao julgador é que, independentemente de urgência, o direito é tão evidente, que o caminho processual pode ser abreviado. Outra hipótese é quando a parte contrária age no processo com fins meramente protelatórios. Sendo assim, o adiantamento dos atos processuais que àquele tenta obstaculizar o caminho do processo funciona como uma espécie de sanção.

A tutela da evidência pode ser requerida na petição inicial ou avulsa, e é tratada no art. 311 do Novo CPC, em quatro hipóteses previstas de concessão, duas já existentes no art. 273 do CPC/73, e as outras duas, inovadoras.

Prevê o caput do referido artigo que “A tutela da evidência será concedida, independentemente da demonstração de risco de dano irreparável ou de difícil reparação”. E aqui um primeiro aspecto a salientar: o texto deixa claro que a urgência não é um pressuposto para a obtenção de tutela quando baseada na evidência.

As hipóteses de tutela da evidência no Novo CPC são:

I – ficar caracterizado o abuso de direito de defesa ou o manifesto propósito protelatório do requerido.

Neste caso, que exige a prévia atuação do demandado, o que exclui a possibilidade de liminar inaudita altera parte – que age com improbidade processual, inclusive com possibilidade de condenação em litigância de má-fé, a concessão da tutela se dá como forma de evitar que o comportamento abusivo do réu possa gerar o perecimento do direito do autor.

II – um ou mais dos pedidos cumulados ou parcela deles mostrar-se incontroverso, caso em que a solução será definitiva.

A controvérsia é condição indispensável para que haja continuidade processual, visando exatamente ao pronunciamento judicial que a aprecie. Se parcela do litígio for incontroversa, significa que essa deverá ser imediatamente julgada, pois há pedido ou parcela de pedido procedente. A concessão de tutela jurisdicional imediata é imperiosa.

A novidade trazida pela redação do dispositivo no Novo CPC é a atribuição de definitividade à decisão de tutela da evidência. De fato, trata-se de sentença (ainda que parcial) de mérito decorrente de cognição exauriente, portanto apta a se estabilizar e propiciar atividades executivas.

III – a inicial for instruída com prova documental irrefutável do direito alegado pelo autor a que o réu não oponha prova inequívoca.

Esta inovação assemelha-se a situações já existentes no ordenamento processual, como a exigência de direito líquido e certo no mandado de segurança.

             O dispositivo também requer a prévia participação do réu no processo, o que impede a concessão de liminar inaudita altera parte. Se, contudo, na situação concreta houver configuração de risco de lesão grave ou de difícil reparação ao direito do autor, é evidente que esse, em posse de prova documental “irrefutável”, poderá obter tutela de urgência sem a prévia oitiva do demandado. Em suma, é dispositivo limítrofe entre a tutela de urgência e a tutela da evidência, a depender da existência ou não de risco de dano pela demora.

 IV – a matéria for unicamente de direito e houver tese firmada em julgamento de recursos repetitivos, em incidente de resolução de demandas repetitivas ou em súmula vinculante. A última situação autorizadora da tutela da evidência é manifestação de uma característica fundamental do Projeto, qual seja, a valorização dos precedentes judiciais formados nos Tribunais pátrios.

No esteio das últimas alterações legislativas vigentes, a vinculação dos precedentes judiciais às instâncias inferiores subordinadas ao Tribunal que os proferiu é mecanismo para privilegiar a uniformidade e a estabilidade da jurisprudência, de modo que o juiz de primeiro grau deverá sempre pautar seus julgamentos nas teses firmadas nos Tribunais, reproduzindo o teor desses julgamentos paradigmáticos.

Aplicar essa técnica da precedentarização à tutela da evidência significa dizer que o julgador poderá conceder tutela jurisdicional ao autor quando sua pretensão se qualificar como pleito que autoriza procedência, pois se alinha a precedentes judiciais aplicáveis aos casos. De qualquer forma, é indispensável a participação do demandado para a confirmação ou revogação da tutela preventivamente concedida ao autor. 

Importante destacar que a redação legal do dispositivo é restritiva, pois, além de precedentes firmados em recursos repetitivos, em incidente de resolução de demandas repetitivas ou em súmula vinculante, há outros, segundo o próprio Código, que devem ser obedecidos, tais como jurisprudência pacífica dos tribunais.

Salvo a hipótese do inciso II, todas as outras são caracterizadas pela cognição sumária e, portanto, o provimento jurisdicional da tutela de evidência tem natureza provisória.

Dessa forma, fica notório que as inovações são os incisos III e IV, nessas situações a possibilidade ainda não ocorria, sendo um acréscimo por parte do Novo CPC.

Importante assinalar que o art. 1.059 do Novo CPC estendeu à tutela provisória requerida contra a Fazenda Pública a aplicação nos arts. 1º ao 4º da Lei 8.437/92 que dispõe acerca da concessão de medidas cautelares contra atos do Poder Pública, e no art. 7º, §2º da Lei 12.016/2009, que discorre sobre o mandado de segurança, portanto, apesar da omissão do Código especificamente em relação à tutela evidente, será plenamente admissível sua concessão em face da Fazenda Pública em qualquer das hipóteses previstas no art. 311, posto que as vedações contra a Fazenda Pública não se aplicam aos casos de tutela de evidência.

O Novo CPC inaugura também um novo paradigma procedimental, permitindo a concessão de ofício das tutelas provisionais.

Consoante a norma gravada no art. 273 do Código de 73, bem como o entendimento doutrinário, a regra para concessão da medida era o requerimento da parte. Entretanto, a possibilidade da concessão da tutela de ofício encontrava divergências.

De fato, a doutrina mais tradicional entendia pela impossibilidade da concessão ex officio, sob o argumento da necessidade da observância dos princípios processuais do dispositivo.

No entanto, como se sabe, o Direito não é uma ciência exata e a norma deve adaptar-se à realidade fática do jurisdicionado.

Com o advento do Novo CPC, que claramente norteia-se pela prestação jurisdicional célere e efetiva, nota-se que o legislador quis evitar maiores controvérsias doutrinárias, tornando possível a concessão ex officio da tutela de evidência, conforme trata o art. 297: “O juiz poderá determinar as medidas que considerar adequadas para efetivação da tutela provisória”.

Dito isto, outra inovação trazida pelo diploma processual civil, nitidamente voltada à duração razoável do processo e a efetividade da tutela jurisdicional, é a estabilização da medida, em seu artigo 304: “A tutela antecipada, concedida nos termos do art. 303, torna-se estável se da decisão que a conceder não for interposto o respectivo recurso”.

Apesar da referência exclusiva à urgência, quanto às tutelas (antecipadas ou satisfativas) de evidência (art. 311 e incisos, novo CPC), não há, prima facie, óbice à adoção do procedimento da estabilização diante de uma interpretação teleológica do instituto, inspirado pelo sincretismo processual e tendente, por conseguinte, a solucionar rapidamente os litígios.

Uma vez deferida a medida, o requerente deverá aditar a inicial em 15 dias, complementando-a com as demais provas e argumentos.

Ocorre que, se a medida assim requerida e deferida não for confrontada pela parte contraria pelo recurso cabível, qual seja o agravo de instrumento (art. 1015 do CPC), ela se estabiliza. A 3ª Turma do STJ, em recente julgado, entendeu pela interpretação extensiva do instituto, considerando que outras formas de impugnação, como a contestação, também impedem a estabilização da tutela (REsp 1760966/SP).

Em termos práticos, a estabilização significa que os seus efeitos práticos da tutela se conservarão, independentemente da complementação da petição inicial e da defesa do réu.

Contudo, a estabilização não significa que a tutela se torne imutável, mas apenas estável, podendo a parte prejudicada com a medida desarquivá-la, com o fito de demonstrar a inexistência ou improcedência da demanda, vez que, estabilizada a tutela, a decisão judicial, frise-se, de natureza interlocutória, que defere o pedido, não produz coisa julgada (art. 304, § 6º).

Por outro lado, se a parte interessada permanecer inerte por dois anos, contados da ciência sobre a extinção da causa, a tutela estabiliza-se definitivamente.

Ao que se dessume, o presente ensaio buscou trabalhar um tema atual, como é o caso da tutela de evidência e sua aplicabilidade, em detrimento da necessidade da satisfação iminente de um direito pretendido. O que se buscou foi a caracterização de um novo instrumento capaz de contribuir efetivamente com o acesso à justiça.

A eficiência jurídica e processual que ainda se busca alcançar, bem como o acesso à justiça, deve muito à evolução do próprio direito, que tenta alcançar os avanços da sociedade.  

Pautado pela segurança jurídica, o desenvolvimento processual deve se basear em critérios mais flexíveis e apegar-se menos aos exageros formais, que devem ser combatidos em nome da instrumentalidade do processo, tornando-o mais célere, evitando prejuízo às partes litigantes.

LIVROS:

DIDIER JUNIOR, Fredie. Curso de Direito Processual Civil. 8 ed. V. 1. Salvador: Juspodivum, 2010.

DIDIER JR., Fred, “Curso de Direito Processual Civil: teoria da prova, direito probatório, ações probatórias, decisão, precedente, coisa julgada e antecipação dos efeitos da tutela”, vol. 2, 10ª ed., Salvador: Editora JusPodivm, 2015.

FUX, Luiz. Tutela de Segurança e Tutela da Evidência (Fundamentos da tutela antecipada). São Paulo: Saraiva, 1996.

FUX, Luiz. Tutela Jurisdicional: finalidade e espécies ( Informativo Jurídico da Biblioteca Ministro Oscar Saraiva), 2010, p. 16.

NEVES, Daniel Amorim Assumpção. Novo Código de Processo Civil, São Paulo: Método, 2015, p. 219.

LEIS:

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da república federativa do Brasil. ed. Atlas, 2008.

BRASIL, Lei n. 13.105 de 16 de março de 2015.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso