A passageira, senhora idosa, relatou que adquiriu passagens aéreas junto à Companhia Aérea TAM, partindo dia 03/03/2020 com retorno dia 01/04/2020, para viagem saindo de Brasília com destino à Lisboa, conforme consta no relatório da sentença.

Assim decidiu o Juiz JOSÉ LÁZARO DA SILVA, do Juizado Especial Cível de Brazlândia/DF, ao julgar o caso de uma passageira, que aguardou por 79 (setenta e nove) dias um voo de retorno ao Brasil após viagem à Portugal.

A passageira, senhora idosa, relatou que adquiriu passagens aéreas junto à Companhia Aérea TAM, partindo dia 03/03/2020 com retorno dia 01/04/2020, para viagem saindo de Brasília com destino à Lisboa, conforme consta no relatório da sentença.

Entretanto, por 03 (três) vezes a TAM cancelou o voo de volta, obrigando ainda a Autora da ação a arcar por conta própria com os gastos de hospedagem, deslocamentos, ligações ao Brasil, e até mesmo, da nova passagem de volta adquirida.

Todos estes fatos se agravam, considerando que a passageira, idosa, suportou todo este sofrimento durante a pandemia, em país estrangeiro, e sem recursos financeiros, sobrevivendo com o auxílio de parentes, pois se trata de pessoa humilde, que aufere renda através da prestação de serviço de diarista.

A situação narrada gerou a condenação à TAM, ao pagamento de danos materiais R$ 6.886,09 (gastos de hospedagem, ligações, e nova passagem adquirida), danos morais no valor de R$ 4.000,00, além de lucros cessantes no valor de R$ 8.760,00.

Vale esclarecer que a passageira comprovou o que deixou de receber em razão da prestação de serviços como diarista, através de documentos e provas testemunhais, e por tal razão foi possível a condenação em lucros cessantes.

Conforme ressaltado pelo juiz, o atraso injustificado e todo o descaso da Companhia Aérea, ultrapassam o mero aborrecimento ou dissabor, ou seja, é um real sofrimento que deve ser indenizado. O processo tramitou sob o nº 0702662-20.2020.8.07.0002.

Cabe ainda destacar que até mesmo o passageiro que já teve o reembolso dos valores das passagens, pode solicitar judicialmente a indenização moral pelos transtornos ocasionados pela Companhia Aérea.

E você já passou por uma situação semelhante? 

Lembre-se que é preciso guardar todos os comprovantes da viagem aérea (passagem, checkin), recibos de gastos, e se possível, realizar e registrar as reclamações feitas para a Companhia Aérea, assim, além de possibilitar o reembolso material, você também poderá ajuizar ação judicial, solicitando a indenização cabível ao seu caso.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso